Toxicidade da ricina presente nas sementes de mamona

Autores

  • Nayanna Brunna da Silva Fonseca Universidade Federal Rural do Semi-Árido
  • Benito Soto-Blanco Universidade Federal de Minas Gerais

DOI:

https://doi.org/10.5433/1679-0359.2014v35n3p1415

Palavras-chave:

Ricinus communis, Euforbiácea, Toxalbumina, Planta tóxica, Toxina.

Resumo

A mamona (Ricinus communis) é um arbusto da família Euforbiacea cultivada para a obtenção do óleo das sementes. Este óleo apresenta amplo emprego industrial, com destaque para o biodiesel. No entanto, as sementes de mamona apresentam uma potente toxina, a ricina. Trata-se de uma glicoproteína altamente tóxica com ação inativadora de ribossomos. A ação tóxica da ricina é decorrente da inibição da síntese proteica nas células eucarióticas, ocasionando a morte celular. Apenas uma molécula de ricina que entra no citosol é capaz de inativar mais de 1500 ribossomos por minuto. Os sinais clínicos associados com a intoxicação de mamona em animais frequentemente ocorrem em algumas horas após a ingestão das sementes. Este trabalho faz uma revisão da literatura sobre os efeitos tóxicos da ricina e as técnicas para a prevenção da intoxicação.

 

Biografia do Autor

Nayanna Brunna da Silva Fonseca, Universidade Federal Rural do Semi-Árido

Discente de Doutorado do Programa de Pós-graduação em Ciência Animal, Universidade Federal Rural do Semiárido, UFERSA, Mossoró, RN.

Benito Soto-Blanco, Universidade Federal de Minas Gerais

Prof. Dr. do Deptº de Clínica e Cirurgia Veterinárias, Universidade Federal de Minas Gerais, UFMG, Belo Horizonte, MG.

Downloads

Publicado

2014-06-25

Como Citar

Fonseca, N. B. da S., & Soto-Blanco, B. (2014). Toxicidade da ricina presente nas sementes de mamona. Semina: Ciências Agrárias, 35(3), 1415–1424. https://doi.org/10.5433/1679-0359.2014v35n3p1415

Edição

Seção

Artigos de revisões

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)