Deslocamento ao trabalho e meios de transporte

uma análise dos grupos populacionais do Distrito Federal

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5433/2317-627X.2024.v12.n1.48469

Palavras-chave:

Comutação, Deslocamento ao trabalho, Dados amostrais complexos, Modelo logístico, Distrito Federal

Resumo

O objetivo deste estudo é analisar os grupos populacionais que realizam deslocamentos ao trabalho nas 33 Regiões Administrativas (RAs) do Distrito Federal, destacando os meios de transporte utilizados. Os dados da Pesquisa Distrital por Amostra de Domicílios de 2021 foram empregados para mapear os locais com maior envio e recebimento de trabalhadores e identificar os principais fluxos entre as RAs. Além disso, foram utilizados modelos logísticos para estimar a propensão de uso dos diferentes modais de transporte de acordo com as características populacionais, calculando razões de chances para melhor compreender as características das pessoas que realizam deslocamentos para o trabalho. Os resultados revelaram que mais de 1,2 milhões de pessoas ocupadas se deslocaram em 2021, sendo a maioria para outras RAs. O Plano Piloto foi o principal destino, com cerca de 514 mil deslocamentos, representando 41,6% dos trabalhadores. Taguatinga também se destacou, com aproximadamente 143 mil deslocamentos. Houve diferenças significativas entre origem e destino dos deslocamentos, com o Plano Piloto recebendo mais pessoas do que enviando. Essa RA atrai trabalhadores com maior renda, nível educacional elevado e menor proporção de negros. A análise também mostrou que diferentes meios de transporte estão associados a diferentes perfis socioeconômicos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Caio César Soares Gonçalves, Fundação João Pinheiro

Doutorado pela Escola Nacional de Ciências Estatísticas (Ence) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).  Fundação João Pinheiro.

Referências

ALBIERI, S. Apresentação da precisão de estimativas nas tabelas de pesquisas por amostragem do IBGE. Rio de Janeiro, jul. 1999.

CODEPLAN - COMPANHIA DE PLANEJAMENTO DO DISTRITO FEDERAL. Pesquisa Distrital por Amostra de Domicílios - PDAD 2021: Manual do Entrevistador. Brasília, 2021.

DETRAN-DF - Departamento de Trânsito do Distrito Federal.. Estatísticas do Trânsito. 2022. Disponível em: < http://www.detran.df.gov.br/dados-mensais/. Acesso em: 9 abr. 2023.

HARVEY, D. Cidades rebeldes. São Paulo, Martins Fontes.2014.

IBGE. Arranjos populacionais e concentração urbana do Brasil. Rio de Janeiro, 2015.

IPEDF – INSTITUTO DE PESQUISA E ESTATÍSTICA DO DISTRITO FEDERAL. Pesquisa Distrital por Amostra de Domicílios (PDAD) 2021: relatórios de resultados. 2023. Disponível em: https://www.ipe.df.gov.br/pdad-2021-3/. Acesso em: 9 abr. 2023.

LEES, L.; SLATER, T.; WYLY, E.. Gentrification. Routledge, 2007.

LEVY, C. Travel Choice Reframed: “Deep distribution” and gender in urban transport. Environment and Urbanization, v. 25, n. 1, p. 47-63, 2013. DOI: https://doi.org/10.1177/0956247813477810

LIMA, L. S.; LOUREIRO, C. F. G.; SOUSA, F. F. L. M.; LOPES, A. S. Espraiamento urbano e seus impactos nas desigualdades socioespaciais da acessibilidade ao trabalho em Fortaleza. Transportes, Anpet-Associação Nacional de Ensino e Pesquisa em Transportes, v. 29, n. 1, 2021. DOI: https://doi.org/10.14295/transportes.v29i1.2348

MARICATO, E. Para entender a crise urbana. São Paulo, Expressão Popular, 2015.

MOURA, R.; BRANCO, M. L. G. C.; FIRKOWSKI, O. L. C. DE F. Movimen¬to pendular e perspectivas de pesquisa em aglomerados urbanos. São Paulo em Perspectiva: SEADE, v. 19, n. 4, p. 121-133, 2005. DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-88392005000400008

MOURA, R.; DELGADO. P.; COSTA, M. Movimento pendular e políticas públi-cas: algumas possibilidades inspiradas numa tipologia dos municípios brasileiros. In: BOUERI, R.; COSTA, M. C. (Eds.). Brasil em desenvolvimento 2013: estado, planejamento e políticas públicas. Brasília: Ipea, cap. 22, p. 665-696, 2013.

OJIMA, R., JR., E. M., PEREIRA, R. H. M., & SILVA, R. B. DA. O estigma de morar longe da cidade: repensando o consenso sobre as “cidades-dormitório” no Brasil. Cadernos metrópole, São Paulo, v. 12, n. 24, p. 395-415, 2010.

PEREIRA, R. H. M.; SCHWANEN, T.. Tempo de deslocamento casa-trabalho no Brasil (1992-2009): diferenças entre regiões metropolitanas, níveis de renda e sexo. Brasília: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), 2013. (Texto para Discussão, 1813).

PESSOA, D. G. C.; SILVA, P. L. N. Análise de Dados Amostrais Complexos. 2018. Disponível em: < https://djalmapessoa.github.io/adac/index.html. Acesso em: 9 abr. 2023.

PLAUT, P. O. Non-Motorized Commuting in the US. Transportation Research Part D: Transport and Environment, v. 10, n. 5, p. 347-356. 2005. DOI: https://doi.org/10.1016/j.trd.2005.04.002

RODRÍGUEZ, J. V. Movilidad cotidiana, desigualdad social y segregación residencial en cuatro metrópolis de América Latina. Revista Eure, v. 34, n. 103, p. 49-71, 2008. DOI: https://doi.org/10.4067/S0250-71612008000300003

URIARTE, A. M. L.. Estrutura Urbana e Viagens a Pé. Dissertação (Mestrado) — Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2012.

YOUNG, C. E. F.; AGUIAR, C.; POSSAS, E.. Sinal fechado: custo econômico do tempo de deslocamento para o trabalho na região metropolitana do rio de janeiro. Revista Econômica, v. 15, n. 2, 2013. DOI: https://doi.org/10.22409/economica.15i2.p70

Downloads

Publicado

27-02-2024

Como Citar

Gonçalves, C. C. S. (2024). Deslocamento ao trabalho e meios de transporte: uma análise dos grupos populacionais do Distrito Federal. Economia & Região, 12(1), 92–116. https://doi.org/10.5433/2317-627X.2024.v12.n1.48469