ESTADO DE DIREITO DEMOCRÁTICO E PARADIGMA DA JURISDIÇÃO CONSTITUCIONAL: O DEBATE SOBRE A LEGITIMIDADE DEMOCRÁTICA DO TRIBUNAL CONSTITUCIONAL

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5433/1980-511X.2022v17n03p151

Palavras-chave:

Constituição, Democracia, Estado de Direito, Jurisdição constitucional, Direitos fundamentais

Resumo

Trata o presente artigo do debate, no contexto do Estado Democrático de Direito, sobre a legitimidade democrática da instituição de um Tribunal Constitucional para a interpretação e defesa da Constituição, em especial dos direitos fundamentais, por meio do controle de constitucionalidade. O problema reside na questão de saber se a jurisdição constitucional conflita ou não com a ideia atual de democracia. O método de abordagem foi o dedutivo e o procedimento utilizado foi monográfico, pois se buscou um estudo específico do tema. As conclusões foram sendo ressaltadas ao longo do texto e vêm alinhavadas ao final.  

Biografia do Autor

ANIZIO PIRES GAVIAO FILHO, FACULDADE DE DIREITO FMP - FUNDAÇÃO ESCOLA SUPERIOR DO MINISTÉRIO PÚBLICO COORDENADOR PPGD/FMP

[1] Doutor em Direito (Universidade Federal do Rio do Rio Grande do Sul - UFRGS). Mestre em Direito (UFRGS). Prof. Coordenador do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Direito – Mestrado Acadêmico – da Faculdade de Direito da Fundação Escola Superior do Ministério Público - PPGD/FMP. Prof. Titular da Faculdade de Direito da Fundação Escola Superior do Ministério Público. Prof. Coord. Grupo de Pesquisa “Colisão de Direitos Fundamentais e Direito como Argumentação” do PPGD/FMP. Procurador de Justiça, RS. Lattes:  http://lattes.cnpq.br/7774124880944708. ORCID: http://orcid.org/0000-0002-8152-1005. E-mail: piresgaviao@hotmail.com

BRUNA MORESCO SILVEIRA, PPGD/FMP - FACULDADE DE DIREITO DA FUNDAÇÃO ESCOLA SUPERIOR DO MINISTÉRIO PÚBLICO

[1] Mestranda em Direito pela Faculdade de Direito da Fundação Escola Superior do Ministério Público. Integrante do Grupo de Pesquisa Colisão de Direitos Fundamentais e o Direito como Argumentação, do Programa de Pós-Graduação em Direito pela FMP, coordenado pelo Prof. Dr. Anizio Pires Gavião Filho, vinculado no CNPq ao Grupo de Estudos Tutelas à Efetivação dos Direitos Transindividuais. Assessora de Juiz de Direito do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul (TJ/RS). Lattes: http://lattes.cnpq.br/3168481071945195. ORCID: https://orcid.org/0000-0002-4012-9322. E-mail: bruna.msilveira@yahoo.com.br.

Referências

ALEXY, Robert. Constitucionalismo Discursivo. 4. ed. Traduzido por Luís Afonso Heck. Porto Alegre: Livraria do Advogado Editora, 2015a.

ALEXY, Robert. Teoria Discursiva do Direito. 2. ed. Traduzido por Alexandre Travessoni Gomes Trivisonno. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2015b.

ALEXY, Robert. Teoria dos Direitos Fundamentais. 2. ed. Traduzido por Virgílio Afonso da Silva. São Paulo: Editora Malheiros, 2015c.

ALEXY, Robert. Balancing, Constitutional Review and Representation. International Journal of Constitutional Law. Oxford, vol. 3, n. 4, p. 572-581, out. 2005d.

BEATTY, David M. A Essência do Estado de Direito. 1. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2014.

BARROSO, Luís Roberto. Constituição, Democracia e Supremacia Judicial: Direito e política no Brasil contemporâneo. Revista da Faculdade de Direito do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, v. 2, n. 21, p. 1-45, jan/jun. 2012.

BARROSO, Luís Roberto. Contramajoritário, Representativo e Iluminista: Os Papeis dos Tribunais Constitucionais nas Democracias Contemporâneas. Revista Direito e Praxis. Rio de Janeiro, v. 9, n. 4, p. 72-128, dez. 2018.

BARROSO, Luís Roberto. Razão sem Voto: O Supremo Tribunal Federal e o governo da maioria. Revista Brasileira de Políticas Públicas. Brasília, v. 5, número especial, p. 23-50, 2015.

BARROSO, Luís Roberto. Vinte anos da Constituição Brasileira de 1988: o estado a que chegamos. In: SOUZA NETO, Cláudio Pereira de (Coord.). Vinte anos da Constituição Federal de 1988. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2009.

BINENBOJM, Gustavo. A Nova Jurisdição Constitucional Brasileira. Legitimidade Democrática e Instrumentos de Realização. Rio de Janeiro: Renovar, 2014.

DWORKIN, Ronald. A Matter of Principle. Cambridge: Harvard University Press, 1980.

ELY, John Hart. Democracy and Distrust: a theory of judicial review. Cambridge: Harvard University Press, 1980.

GRIMM, Dieter. Constitutionalism: past, present and future. Oxford: Oxford University Press, 2016.

KELSEN, Hans. Jurisdição Constitucional. São Paulo: Martins Fontes, 2003a.

KELSEN, Hans. Teoria Pura do Direito. São Paulo: Martins Fontes, 2003b.

KLATT, Matthias. Institutionalized Reason: the jurisprudence of Robert Alexy. Oxford: Oxford University Press, 2012.

KRAMER, Larry. Constitucionalismo popular y control de constitucionalidad. Traduzido por Paola Bergallo. Madrid: Marcial Pons, 2011.

MELLO, Cláudio Ari. Democracia Constitucional e Direitos Fundamentais. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2004.

PIEROTH, Bodo; SCHLINK, Bernhard. Direitos Fundamentais. São Paulo: Saraiva, 2012.

PULIDO, Bernal. El Princípio de Proporcionalidad y los derechos fundamentales. 4. ed. Bogotá: Universidad Externado de Colombia, 2014.

SARLET, Ingo Wolfgang; MARINONI, Luiz Guilherme; MITIDIERO, Daniel. Curso de Direito Constitucional. 9. ed. São Paulo: Saraiva Educação, 2018.

TUSHNET, Mark. Taking The Constitution Away From the Courts. Princeton: Princeton University Press, 1999.

WALDRON, Jeremy. A Right-Based Critique of Constitutional Rights. Oxford Journal of Legal Studies. Oxford, v. 13, n. 1, p. 18-51, 1993.


WALUCHOW, Wilfrid. J. A Common Law Theory of Judicial Review: the living tree. New York: Cambridge University Press, 2009.

ZAGREBELSKY, Gustavo. El Derecho Dúctil: ley, derechos, justicia. 10. ed. Madrid: Editorial Trotta, 2011.

Downloads

Publicado

2022-12-28

Como Citar

PIRES GAVIAO FILHO, A., & MORESCO SILVEIRA, B. (2022). ESTADO DE DIREITO DEMOCRÁTICO E PARADIGMA DA JURISDIÇÃO CONSTITUCIONAL: O DEBATE SOBRE A LEGITIMIDADE DEMOCRÁTICA DO TRIBUNAL CONSTITUCIONAL. Revista Do Direito Público, 17(03), 151–166. https://doi.org/10.5433/1980-511X.2022v17n03p151

Edição

Seção

Artigos