A oralidade do cordel no ensino de literatura

Autores

  • Claudia Zilmar da Silva Conceição Universidade do Estado da Bahia
  • Carlos Magno Gomes Universidade Federal de Sergipe https://orcid.org/0000-0001-9070-9010

DOI:

https://doi.org/10.5433/1678-2054.2016v31p94

Palavras-chave:

Literatura de cordel, Comunidade de leitores, Performance

Resumo

Este artigo traz uma proposta de prática de leitura do cordel em sala de aula, para articular as especificidades líricas dos textos cordelistas e o ensino de literatura. Metodologicamente, partimos dos conceitos de “leitura subjetiva”, de Anne Rouxel, e de “performance”, de Paul Zumthor para propor uma prática que valorize a recepção crítica e criativa do leitor no processo de leitura dramatizada. Como corpus, utilizamos os textos de Antônio Carlos de Oliveira Barreto, um cordelista baiano que explora reflexões sociais em seus textos. No processo de leitura, vivenciamos o acesso ao jogo estético por meio da experiência com a oralidade e a musicalidade produzida pela leitura compartilhada.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Claudia Zilmar da Silva Conceição, Universidade do Estado da Bahia

Mestre em Crítica Cultural pela Universidade do Estado da Bahia. Doutoranda em Artes na Universidade Federal da Bahia. Professora - Secretaria da Educação e Cultura da Bahia.

Carlos Magno Gomes, Universidade Federal de Sergipe

Mestre em Literatura pela Universidade de Brasília. Doutor em Literatura pela UnB. Pós-doutorado em Estudos Literários pela Universidade Federal de Minas Gerais. Professor de Teoria Literárianda Universidade Federal de Sergipe.

Referências

BARBERO, Jesus Martin. Dos meios às mediações: comunicação, cultura e hegemonia. Trad. Ronaldo Polito e Sérgio Alcides. Rio de Janeiro: Editora da UFRJ, 2003.

BARRETO, Antônio Carlos de Oliveira. Mestre Bimba. Salvador: Akadicadikum, 2011.

BRANDÃO, Helena & Guaraciaba MIchiletti. Aprender e ensinar com textos didáticos e paradidáticos. São Paulo: Cortez, 1997.

CASCUDO, Luis da Câmara. Literatura oral no Brasil. 3. ed. São Paulo: Edusp, 1984.

GALVÃO, Ana Maria de Oliveira. Cordel: leitores e ouvintes. Belo Horizonte: Autêntica, 2010.

GIROUX, A. Henry & Peter McLaren. “Cultura popular e pedagogia crítica: a vida cotidiana como base para o conhecimento curricular”. In: Antonio Flávio Moreira & Tomaz Tadeu, (orgs.). Currículo, cultura e sociedade. São Paulo: Cortez, 2013. p. 93-124.

GOMES, Carlos Magno. “Leitura e estudos culturais”. Revista Brasileira de Literatura Comparada (São Paulo), n. 16, p. 25-44, 2010.

GOMES, Carlos Magno. “O modelo cultural de leitura”. Nonada (Porto Alegre), n. 18, p. 167-183, 2012. Disponível em http://seer.uniritter.edu.br/index.php/nonada/article/download/572/362. Acesso em: 10 jun. 2016.

GOMES, Nilma Lino. A mulher negra que vi de perto. Belo Horizonte: Mazza, 1995.

HALL, Stuart. Da diáspora: identidades e mediações culturais. Trad. Adelaine La Guardiã Resende et al. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2003.

MARINHO, Ana Cristina & José Hélder Pinheiro Alves. O cordel no cotidiano escolar. São Paulo: Cortez, 2012.

ONG, Walter Jackson. Oralidade e cultura escrita. Trad. Enid Abreu Dobranszky. São Paulo: Papirus, 1998.

PINO, Angel, Adair de Aguiar Neitzel & Luciane Maria Schlindwein. “O poema na formação estética de professores: a experiência com os haikais”. In: Angel Pino, Luciane Maria Schlindwein & Adair de Aguiar Neitzel, (orgs.). Cultura, escola e educação criadora: formação estética do ser humano. Curitiba: CRV, 2010. p. 127-142.

ROUXEL, Annie. “Apropriação singular das obras e cultura literária”. In: Annie Rouxel, Gérard Langlade e Neide Luiza de Resende, (orgs.). Leitura subjetiva e ensino de literatura. São Paulo: Alameda, 2013. p. 165-189.

ROUXEL, Annie. “Ensino da literatura: experiência estética e formação do leitor”. José Helder Pinheiro Alves, (org). Memórias da Borborema 4. Campina Grande: Abralic, 2014. p. 19-36.

SCHLINDWEIN, Luciane Maria. “Arte e desenvolvimento estético na escola”. In: Angel Pino, Luciane Maria Schlindwein & Adair de Aguiar Neitzel, (orgs.). Cultura, escola e educação criadora: formação estética do ser humano. Curitiba: CRV, 2010. p. 31-50.

SILVA, Ezequiel Theodoro da. Criticidade e leitura: ensaios. São Paulo: Global, 2009.

SOUZA, Ana Lúcia Silva. Negritude, letramento e uso social da oralidade. In: Eliane Cavaleiro, (org.). Racismo e antirracismo na educação: repensando nossa escola. São Paulo: Selo Negro, 2001. p. 179-194.

VIGOTSKI, Lev. Psicologia da arte. Trad. Paulo Bezerra. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

ZUMTHOR, Paul. Performance, recepção, leitura. Trad. Jerusa Pires Ferreira e Suely Fenerich. São Paulo: EDUC, 2000.

ZUMTHOR, Paul. A letra e a voz. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

ZUMTHOR, Paul. Escritura e nomadismo: entrevistas e ensaios. Trad. Jerusa Pires Ferreira e Sonia Queiroz. Cotia: Ateliê Editorial, 2005.

ZUMTHOR, Paul. Introdução à poesia oral. Trad. Jerusa Pires Ferreira, Maria Lúcia Diniz Pochat e Maria Inês de Almeida. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2010.

Downloads

Publicado

28-12-2016

Como Citar

CONCEIÇÃO, C. Z. da S.; GOMES, C. M. A oralidade do cordel no ensino de literatura. Terra Roxa e Outras Terras: Revista de Estudos Literários, [S. l.], v. 31, p. 94–106, 2016. DOI: 10.5433/1678-2054.2016v31p94. Disponível em: https://ojs.uel.br/revistas/uel/index.php/terraroxa/article/view/27167. Acesso em: 26 maio. 2024.