O (não) lugar das mulheres na universidade

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5433/1679-4842.2022v25n2p340

Palavras-chave:

Mulheres, Gênero, Universidade

Resumo

Historicamente, a universidade se configura como um espaço masculino. No Brasil, a primeira mulher a cursar o ensino superior data de 1880, todavia, somente a partir da década de 1970 as mulheres passam a ser maioria nas universidades. O presente artigo traz uma reflexão teórica sobre as contradições da inserção e permanência das mulheres nas universidades, conformando tais espaços como uma espécie de “não lugar”. Parte-se da teoria social crítica e feminista para apreender a história da instituição universidade no Brasil e os desafios encontrados pelas mulheres para ocupar tal espaço. Constata-se que, ainda que as mulheres tenham conseguido ocupar as universidades, a sua participação e busca por legitimidade não são livres de tensões devido à estrutura sexista, às discriminações e às violências provocadas pelas relações desiguais de gênero, étnico-raciais e de classes.

Biografia do Autor

Ana Claudia Lopes Martins, Universidade Federal do Amazonas - UFAM

Mestra em Serviço Social e Sustentabilidade na Amazônia pela Universidade Federal do Amazonas (UFAM)

Milena Fernandes Barroso, Universidade Federal do Amazonas - UFAM

Doutora em Serviço Social pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Professora da Universidade Federal de Sergipe (UFS) e Professora  do Programa de Pós-Graduação em Serviço Social e Sustentabilidade da Amazônia (PPGSS/UFAM).

Raissa Ribeiro Lima, Universidade Federal do Amazonas - UFAM

Mestranda no Programa de Pós-graduação em Serviço Social e Sustentabilidade na Amazônia (PPGSS/UFAM).

Taysa Cavalcante Rodrigues, Universidade Federal do Amazonas

Mestra em Serviço Social e Sustentabilidade na Amazônia pela Universidade Federal do Amazonas (UFAM).

Referências

ALMEIDA, S. Racismo Estrutural. São Paulo: Sueli Carneiro; Pólen, 2019.

ALMEIDA, T. M. C; ZANELLO, V. Panoramas da violência contra mulheres nas universidades brasileiras e latino-americanas. Brasília-DF: OAB Editora, 2021.

ANTUNES, A. E. M.; LEMOS, E. L. S. A contrarreforma no ensino superior brasileiro: determinantes históricos. Temporalis, Brasília, v. 18, n. 35, p. 12-28, 30 jun. 2018. Disponível em: https://periodicos.ufes.br/temporalis/article/view/17922. Acesso em: 16 maio 2022.

BANDEIRA, L. A contribuição da crítica feminista à ciência. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 16, n. 1, p. 207-228, 1 jan. 2008. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/S0104-26X2008000100020/5530. Acesso em: 16 maio 2022.

BARROSO, M. F. Pistas para análise da violência contra as mulheres em tempos de crise: aproximações e desafios no contexto de pandemia no Brasil. Revista Vértices, v. 22, n. Especial, p. 889-906, 31 dez. 2020.

BARROSO, M. F.; LIMA, R. (org.). Universidade sem violência: um direito das mulheres. Manaus/São Paulo: EDUA/Alexa Cultural, 2021.

BARROSO, M. F. Violência contra as mulheres na universidade: uma análise nas instituições de ensino superior no Amazonas. 2021. Disponível em: https://www.ufam.edu.br/ultimas-noticias/2274-violencia-contra-as-mulheres-na-universidade-traz-analise-sobre-o-tema-em-instituicoes-de-ensino-superior-no-amazonas.html. Acesso em: 16 maio 2022.

BELLO, L. Mulheres negras e racismo: desafios e possibilidades na educação. In: COLÓQUIO INTERNACIONAL DE GESTÃO UNIVERSITÁRIA, XV., 2015, Mar del Plata-Argentina. Anais [...]. [S. l.: s. n.], 2015. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/136122/101_00229.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 16 maio 2022.

BELTRÃO, K. I.; ALVES, J. E. D. A reversão do hiato de gênero na educação brasileira no século XX. Cadernos de Pesquisa, [s. l.], v. 39, n. 136, p. 125-156, jan./abr. 2009. Disponível em: http://publicacoes.fcc.org.br/index.php/cp/article/view/277/288. Acesso em: 18 abr. 2022.

BRASIL. Lei nº 11.096, de 13 de janeiro de 2005. Institui o Programa Universidade para Todos - PROUNI, regula a atuação de entidades beneficentes de assistência social no ensino superior; altera a Lei nº 10.891, de 9 de julho de 2004, e dá outras providências. Brasília, 13 jan. 2005. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2005/lei/l11096.htm. Acesso em: 16 maio 2022.

BRASIL. Decreto nº 6.096, de 24 de abril de 2007. Institui o Programa de Apoio a Planos de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais - REUNI. Brasília, 24 abr. 2007. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2007/decreto/d6096.htm. Acesso em: 16 maio 2022.

BRASIL. Lei nº 12.711, de 29 de agosto de 2012. Dispõe sobre o ingresso nas universidades federais e nas instituições federais de ensino técnico de nível médio e dá outras providências. Brasília, 29 ago. 2012. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12711.htm. Acesso em: 16 maio 2022.

BRASIL. Lei nº 11.645, de 10 de março de 2008. Altera a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, modificada pela Lei no 10.639, de 9 de janeiro de 2003, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da rede de ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira e Indígena”. Brasília, 10 mar. 2008. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11645.htm. Acesso em: 16 maio 2022.

BRASIL. Decreto nº 1.331-A, de 17 de fevereiro de 1854. Approva o Regulamento para a reforma do ensino primario e secundario do Municipio da Côrte. Rio de Janeiro, 13 fev. 1857. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1824-1899/decreto-1331-a-17-fevereiro-1854-590146-publicacaooriginal-115292-pe.html. Acesso em: 16 maio 2022.

BRASIL. Decreto nº 7.031-A, de 6 de setembro de 1878. Crêa cursos nocturnos para adultos nas escolas publicas de instrucção primaria do 1º gráo do sexo masculino do municipio da Côrte. Rio de Janeiro, 6 set. 1878. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1824-1899/decreto-7031-a-6-setembro-1878-548011-publicacaooriginal-62957-pe.html. Acesso em: 16 maio 2022.

CARNEIRO, S. A mulher negra na sociedade brasileira – o papel do movimento feminista na luta anti-racista. In: MUNANGA, K. (org.). História do Negro no Brasil. Brasília: Fundação Cultural Palmares – MinC – CNPQ, 2004.

CISNE, M. A “feminização” da assistência social: apontamentos históricos para uma análise de gênero. In: JORNADA INTERNACIONAL DE POLÍTICAS PÚBLICAS, II., 2007, São Luís. Anais [...]. [S. l.: s. n.], 2007. Disponível em: http://www.joinpp.ufma.br/jornadas/joinppIII/html/Trabalhos/EixoTematicoD/6912b8f5264e3ab9992bMIRLA_CISNE.pdf. Acesso em: 16 maio 2022.

CISNE, M. Gênero, divisão sexual do trabalho e serviço social. São Paulo: Outras Expressões, 2012.

CUNHA, L. A. O legado da ditadura para a educação brasileira. Revista Educação e Sociedade, Campinas, v. 35, n. 127, p. 357-377, abr.-jun. 2014.

FÁVERO, M. L. A. A Universidade no Brasil: das origens à Reforma Universitária de 1968. Curitiba: Educar, 2006.

FEDERICI, S. Mulheres e caça às bruxas: da Idade Média aos dias atuais. São Paulo: Boitempo, 2019.

FEDERICI, S. Notas sobre Gênero em “O Capital” de Marx. Revista Movimento, on-line, 7 set. 2017. Disponível em: https://movimentorevista.com.br/2017/09/genero-o-capital-marx-feminismo-marxista/. Acesso em: 16 maio 2022.

FELIPE, J. D. L. A. Assédio moral contra as mulheres: um estudo com técnicas administrativas da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte. Dissertação (Mestrado em Serviço Social e Direitos Sociais). Mossoró - RN, UERN, 2016.

FERNANDES, F. Universidade brasileira: reforma ou revolução? São Paulo: Alfa Ômega, 1975.

GOMES, B. A.; SIQUEIRA, V. H. F. Questões de gênero na carreira de professoras universitárias na área das ciências biomédicas. In: FAZENDO GÊNERO, IX., 2010, Universidade Federal de Santa Catarina. Anais [...]. [S. l.: s. n.], 2010. Disponível em: http://www.fg2010.wwc2017.eventos.dype.com.br/resources/anais/1278282211_ARQUIVO_ARTIGOFAZENDOGENEROFINAL.pdf. Acesso em: 16 maio 2022.

GUEDES, M. C. A presença feminina nos cursos universitários e nas pós-graduações: desconstruindo a ideia da universidade como espaço masculino. História, Ciências, Saúde-Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 15, p. 117-132, jun. 2008. Disponível em: https://www.scielo.br/j/hcsm/a/tPvR4dWz5GzGCgn4c6GCZHp/?lang=pt. Acesso em: 19 mar. 2022.

HIRATA, H.; KERGOAT, D. Novas configurações da divisão sexual do trabalho. Cadernos de Pesquisa, [s. l.], v. 37, n. 132, p. 595-609, set./dez. 2007.

HOOKS, B. Ensinando a transgredir: a educação como prática de liberdade. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2013.

IBGE, Instituto Brasileiro De Geografia E Estatística. Censo Demográfico de 2010. Rio de Janeiro, 2011.

Instituto Avon. Pesquisa Instituto Avon/Data Popular. Violência contra a mulher no ambiente universitário. [Internet]. São Paulo: Instituto Avon, 2015. Disponível em: https://dossies.agenciapatriciagalvao.org.br/dados-e-fontes/pesquisa/violencia-contra-a-mulher-no-ambiente-universitario-data-popularinstituto-avon-2015/. Acesso em: 16 maio 2022.

LAGRAVE, R. M. Uma emancipação sob tutela: Educação e trabalho das mulheres no século XX. In: DUBY, G. (Ed.). História das mulheres no Ocidente. Porto: Afrontamento, 1990-1991. 5 v.

LEHER, R. Autoritarismo contra a universidade: o desafio de popularizar a defesa da educação pública. São Paulo: Fundação Rosa Luxemburgo/Expressão Popular. 2019.

LIMA, K. R. de S; PEREIRA, L. D. Contra-reforma na educação superior brasileira: impactos na formação profissional em Serviço Social. Sociedade em Debate, Pelotas, p. 31-50, jan./jun. 2009.

MELO, R. Quais são os desafios de meninas e mulheres negras na educação?. In: GÊNERO E EDUCAÇÃO. Notícias. [S. l.], 30 jul. 2020. Disponível em: https://generoeeducacao.org.br/desafios-mulheres-negras-educacao/. Acesso em: 16 maio 2022.

NEGREIROS, D. A. Ciência e Gênero: um estudo de caso no ICSEZ/UFAM. Trabalho de Conclusão de Curso de Graduação (Serviço Social). Universidade Federal do Amazonas, 2019.

NEVES, C. E. B.; MARTINS, C. B. Ensino superior no Brasil: uma visão abrangente. In: DWYER, T. et.al. (Org). Jovens universitários em um mundo em transformação: uma pesquisa sino-brasileira. Brasília: Ipea; Pequim: SSAP, 2016.

OLIVEN, A. C. Histórico da educação superior no Brasil. In: SOARES, M. S. A. (coord.). A Educação Superior no Brasil. Porto Alegre: Unesco, nov. 2002.

PARA que serve o Censo, que o governo desistiu de realizar em 2021 por falta de verbas. BBC News, 2021. Disponível em: https://www.bbc.com/portuguese/brasil-56867582. Acesso em: 24 maio 2022.

PEDUZZI, P. Mapa do Ensino Superior aponta maioria feminina e branca. Agência Brasil, on-line, 21 maio 2020. Disponível em: https://agenciabrasil.ebc.com.br/educacao/noticia/2020-05/mapa-do-ensino-superior-aponta-para-maioria-feminina-e-branca. Acesso em: 16 maio 2022.

RIBEIRO, A. I. M. Mulheres educadas na colônia. In: LOPES, E. M. T.; FARIA, L. M.; VEIGA, C. G. (org.). 500 anos de educação no Brasil. 6. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2000. p. 79-84.

RIGHETTI, S.; GAMBA, E. Na pós-graduação, mulheres são maioria entre estudantes, mas minoria entre docentes. Folha de São Paulo, on-line, 12 mar. 2021. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/educacao/2021/03/na-pos-graduacao-mulheres-sao-maioria-entre-estudantes-mas-minoria-entre-docentes.shtml. Acesso em: 16 maio 2022.

SAID, T. Pesquisadoras revelam os desafios das mulheres para fazer ciência. Jornal da USP, on-line, 10 fev. 2021. Universidade. Disponível em: https://jornal.usp.br/universidade/pesquisadoras-revelam-os-desafios-das-mulheres-para-fazer-ciencia/. Acesso em: 16 maio 2022.

SAFFIOTI, H. Mulher Brasileira: opressão e exploração. Rio de Janeiro: Achiamé, 1984.

SANTOS, L. A.; MELO, V. Entre Córdoba e Bolonha: o Reuni e a contraditória expansão da universidade brasileira. Revista Internacional de Educação Superior, Campinas, São Paulo, v.5, p. 1-25. 2019.

SANTOS, J. P. L.; MOREIRA, N. R. Entre raça e gênero: significado das cotas raciais para universitárias negras. Série-Estudos, Campo Grande, v. 24, n. 52, p. 77-100, set./dez. 2019. Disponível em: https://serieucdb.emnuvens.com.br/serie-estudos/article/view/1222/pdf. Acesso em: 16 maio 2022.

SAVIANI, D. O legado educacional do regime militar. Revista Cadernos Cedes, Campinas, vol. 28, n. 76, p. 291-312, set./dez. 2008.

SAYURI, J.; SICURO, R. Abusos no campus: Mais de 550 mulheres foram vítimas de violência sexual dentro de universidades de 2008. The Intercept Brasil, On-line, 10 dez. 2019. Disponível em: https://theintercept.com/2019/12/10/mais-de-550-mulheres-foram-vitimas-de-violencia-sexual-dentro-de-universidades/. Acesso em: 16 maio 2022.

SENA, F. M. R.; MADEIRA, M. Z. A.; BARROSO, M. F. Reflexões sobre os desafios do acesso de mulheres indígenas e negras a educação no Brasil. In: CRUZ, M. H. S.; NASCIMENTO, A. P. L. (org.). Mulheres, educação e trabalho. Aracaju: Editora IFS, 2021. ISBN http://www.ifs.edu.br/quem-somos-propex/385-hotsite-propex/9636-edifs-2021. E-book (263 p.).

SOUSA, C. P. Gênero e Universidade no Brasil: acesso ao ensino superior e à condição feminina no meio universitário. In: GARCÍA, C. F.; PALERMO, A. I. (coord.). Mujeres y universidad en España y América Latina. [S. l.]: Miño y Dávila, 2008. cap. 7, p. 153-171.

TRIGUEIRO, N. C.; ARAÚJO, P. C. Trajetos educacionais na profissionalização da mulher. In: CONGRESSO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA, II., 2016, Campina Grande. Anais [...]. [S. l.: s. n.], 2016. Disponível em: https://editorarealize.com.br/artigo/visualizar/23304. Acesso em: 16 maio 2022.

Downloads

Publicado

31-12-2022

Como Citar

MARTINS, Ana Claudia Lopes; BARROSO, Milena Fernandes; LIMA, Raissa Ribeiro; RODRIGUES, Taysa Cavalcante. O (não) lugar das mulheres na universidade. Serviço Social em Revista, [S. l.], v. 25, n. 2, p. 340–360, 2022. DOI: 10.5433/1679-4842.2022v25n2p340. Disponível em: https://ojs.uel.br/revistas/uel/index.php/ssrevista/article/view/46247. Acesso em: 16 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos