Que Inglês é esse que Ensinamos na Escola? Reflexões para Elaboração de Proposta Didática para Educação Linguística na Infância

Autores

  • Gabrielli Martins Magiolo SEED- PARANÁ
  • Juliana Reichert Assunção Tonelli Universidade Estadual de Londrina - UEL, Brasil https://orcid.org/0000-0001-5102-5847

DOI:

https://doi.org/10.5433/2237-4876.2020v23n3p98

Palavras-chave:

Língua estrangeira para crianças, História infantil, Plurilinguismo.

Resumo

O presente artigo objetiva promover reflexões sobre o papel do gênero história infantil (HI) (TONELLI, 2005) e uma proposta de encaminhamento para o processo de ensino e de educação linguística na infância com vistas ao plurilinguismo (PERREGAUX et al., 2003). Para isso, retomamos o conceito de literatura infantil de cunho emancipatório e autoritário (ZILBERMAN; MAGALHÃES, 1982; ZILBERMAN, 2003), a fim de sugerir o ensino de línguas em torno do gênero HI como propulsor de uma educação linguística que rompa com uma formação limitante. Buscamos, no movimento britânico Language Awareness (JAMES; GARRET, 1993; HAWKINS, 1999), um instrumento teórico-metodológico para o trabalho com a HI em sala de aula, para uma proposta de educação linguística que promova a diversidade linguística, o plurilinguismo e a abertura/sensibilização às línguas, na infância (TONELLI; CORDEIRO, 2014). Consideramos que o gênero HI pode contribuir para a educação linguística da criança em relação à percepção do outro e das diversas culturas, pois pode elevar o nível de compreensão sobre si e sobre suas práticas discursivas. Neste caso, a HI e a escolha da obra literária ocupam um lugar importante na organização do ensino, em especial no que diz respeito a promover a emancipação do aprendiz.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Gabrielli Martins Magiolo, SEED- PARANÁ

Professora efetiva de Inglês da Secretaria de Educação (SEED-PR). Especialista em Ensino de Línguas Estrangeiras e mestranda no programa de pós-graduação em Estudos da Linguagem da Universidade Estadual de Londrina (UEL).

Juliana Reichert Assunção Tonelli, Universidade Estadual de Londrina - UEL, Brasil

Docente no Departamento de Letras Estrangeiras Modernas da Universidade Estadual de Londrina. Doutora em Estudos da Linguagem.

Referências

AGRA, C. B. Inglês se aprende na escola pública: reflexões sobre a introdução da língua inglesa no Ensino Fundamental I à luz dos multiletramentos. 2016. Dissertação (Mestrado em Letras e Linguística) – Universidade Federal de Alagoas, Maceió, 2016.

ÁVILA, P. A. Ensino de inglês nos anos iniciais e internacionalização do ensino superior: um estudo de caso em um município do Paraná. 2019. Dissertação (Mestrado em Estudos da Linguagem) – Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2019.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Parâmetros Curriculares Nacionais. Brasília: MEC; SEF, 1998.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC; SEF, 2017.

BRITISH COUNCIL. O ensino de inglês na educação pública brasileira. São Paulo, 2015. Disponível em:
https://bit.ly/3pEAIZQ. Acesso em: 30 abr. 2019.

CANDIDO, A. A literatura e a formação do homem. Ciência e Cultura, São Paulo, v. 24, n. 9, p. 803-809, set. 1972.

CONSELHO DA EUROPA. Quadro europeu comum de referências para as línguas: aprendizagem, ensino, avaliação. Porto: Asa, 2001. Disponível em: https://bit.ly/3vhL4QC. Acesso em: 30 abr. 2018.

DOLZ, J; NOVERRAZ, M; SCHNEUWLY, B. Seqüências didáticas para o oral e a escrita: apresentação de um procedimento. In: SCHNEUWLY, B.; DOLZ, J. et al. Gêneros orais e escritos na escola. Campinas: Mercado de Letras, 2004. p. 95-128.

DRUMMOND, T.; GIMENEZ, T. Ensinar a aprender ou ensinar o que aprendeu. In: LIMA, D. C. (org.). Ensino aprendizagem de língua inglesa: conversas com especialistas. São Paulo: Parábola, 2009. p. 107-112.

FREIRE, P. Educação e mudança. Tradução Moacir Gadotti e Lilian Lopes Martin. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1982.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 2003.

GARCIA-AZKOAGA, M. G.; ZABALA, J. Multilingüismo e interacción en la escuela. Perspectivas para el análisis de la dimensión comunicativa de la lengua. In: GARCÍA-AZKOAGA, I. M.; ITZIAR, I. (ed.). Para una ingeniería didáctica de la educación plurilingüe. Bilbao: Servicio Editorial de la Universidad del País Vasco, 2015. p. 61-78.

GARCIA, B. R. V. Quanto mais cedo melhor (?): uma análise discursiva do ensino de inglês para crianças. 2011. Dissertação (Mestrado em Letras – Estudos Linguísticos e Literários em Inglês) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2011.

GARRET, P.; JAMES, C. What’s language awareness? Babel – AFIAL, n. 2, p. 109-114, Inv. 1993. Disponível em: https://bit.ly/3cxoTiM. Acesso em: 01 maio 2019.

GIMENEZ, T. A ausência de políticas para o ensino da língua inglesa nos anos iniciais de escolarização no Brasil. In: NICOLAIDES, C.; SILVA, K. A.; TÍTLIO, R.; ROCHA, C. H. (org.). Política e políticas linguísticas. v. 1. Campinas: Pontes, 2013. p. 199-218.

HAWKINS, E. W. Mode languages in the curriculum. Cambridge, UK: Cambridge University Press, 1984.

HAWKINS, E. W. Foreign language study and language awareness. Language Awareness, v. 8, n. 3-4, p. 124-142, 1999.

JAMES, C.; GARRET, P. (ed.). Language awareness in the classroom. New York, NY: Longman, 1995.

LAJOLO, M.; ZILBERMAN, R. Literatura infantil brasileira, história & histórias. São Paulo: Ática, 1999.

LEFFA, V. J. O ensino de línguas estrangeiras no contexto nacional. Contexturas, n. 4, p. 13-24, 1999.

MAGIOLO, G. M. O efeito borboleta das políticas públicas de implementação de ensino de língua inglesa para crianças: o livro didático e o acolhimento do aluno nas escolas estaduais. 2019. Monografia (Especialização em Ensino de Línguas Estrangeiras) – Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2019.

MELLO, M. G. B. Ensino de inglês nos anos iniciais do ensino fundamental: um estudo de política pública no município de Rolândia, PR. 2013. Dissertação (Mestrado em Estudos da Linguagem) – Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2013.

PERREGAUX, C. Avec les approches d’eveil au langage, l’interculturel est au centre de l’apprentissage scolaire. Bulletin Suisse de Linguistique Applique, n. 67, p. 101-110, avril 1998.

PERREGAUX, C.; GOUMOËNS, C.; JEANNOT, D.; DE PIETRO, J-F. (dir.). Education et Ouverture aux Langues à l’Ècole (EOLE). Neuchâtel: CIIP, Secrétariat général (SG), 2003. v. 1.

POSTMAN, N. O desaparecimento da infância. Rio de Janeiro: Graphia, 1999.

QUEVEDO-CAMARGO, G.; SILVA, G. C. O inglês na educação básica brasileira: sabemos sobre ontem; e quanto ao amanhã?. Ensino e Tecnologia em Revista, v. 1, p. 258-271, 2017.

RAJAGOPALAN, K. The concept of World English and its implications for ELT. ELT Journal, v. 58, n. 2, p. 111-117, 2004.

ROCHA, C. H. Reflexões e proposições sobre o ensino de LE para crianças no contexto educacional brasileiro. In: ALVAREZ, M. L. O.; SILVA, K. A. da. Lingüística Aplicada: múltiplos olhares. Campinas: Pontes, 2007. p. 71-107.

ROCHA, C. H. O ensino de línguas para crianças: refletindo sobre princípios e práticas. In: ROCHA, C. H.; BASSO, E. A. Ensinar e aprender língua estrangeira nas diferentes idades: reflexões para professores e formadores. São Carlos: Claraluz, 2008. p. 15-34.

ROCHA, C. H. A língua inglesa do ensino fundamental I público: diálogos com Bakhtin por uma formação plurilíngue. Trabalhos em Linguística Aplicada, n. 48, v. 2, p. 247-274, jul./dez. 2009.

ROCHA, C. H. Propostas para o inglês no Ensino Fundamental I público: plurilinguismo, transculturalidade e multiletramentos. 2010. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2010.

ROJO, R. Pedagogia dos multiletramentos: diversidade cultural e de linguagens na escola. In: ROJO, R.; MOURA, E. (org.). Multiletramentos na escola. São Paulo: Parábola, 2012. p. 11-31.

ROSEMBERG, F. Literatura infantil e ideologia. São Paulo: Global, 1984.

TANACA, J. J. C. Aprendizagem expansiva em espaços híbridos de formação continuada de professoras de inglês para crianças no Projeto Londrina Global. 2017. Tese (Doutorado em Estudos da Linguagem) – Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2017.

TONELLI, J. R. A. Histórias infantis no ensino da língua inglesa para crianças. 2005. Dissertação (Mestrado em Estudos da Linguagem) – Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2005.

TONELLI, J. R. A.; CHAGURI, J. P. A importância de uma língua estrangeira na educação infantil. In: TONELLI, J. R. A.; CHAGURI, J. P. (org.). Espaço para reflexão sobre ensino de línguas. Maringá: EDUEM, 2014. p. 247-275.

TONELLI, J. R. A.; CORDEIRO, G. S. Refletir sobre as línguas para aprendê-las: uma perspectiva de ensino-aprendizagem de inglês por meio de um gênero textual para (na) educação infantil. Moara, n. 42, p. 45-63, jul./dez. 2014.

TONELLI, J. R. A.; CORDEIRO, G. S. Lectura y comprensión de relatos con alumnos brasileños de edad preescolar: una perspectiva plurilingüe portugués-inglés. In: GARCÍA-AZKOAGA, I. M.; ITZIAR, I. (ed.). Para una ingeniería didáctica de la educación plurilingüe. Bilbao: Servicio Editorial de la Universidad del País Vasco, 2015. p. 219-243.

VYGOTSKY, L. S. A construção do pensamento e da linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

WRIGHT, A. Storytelling with children. 20. ed. Oxford, UK: Oxford University Press, 2009.

ZILBERMAN, R. A literatura infantil na escola. 11. ed. São Paulo: Global, 2003.

ZILBERMAN, R.; MAGALHÃES, L. C. Literatura infantil: autoritarismo e emancipação. São Paulo: Ática, 1982.

Publicado

2021-06-29

Como Citar

MARTINS MAGIOLO, G.; TONELLI, J. R. A. Que Inglês é esse que Ensinamos na Escola? Reflexões para Elaboração de Proposta Didática para Educação Linguística na Infância. Signum: Estudos da Linguagem, [S. l.], v. 23, n. 3, p. 98–116, 2021. DOI: 10.5433/2237-4876.2020v23n3p98. Disponível em: https://ojs.uel.br/revistas/uel/index.php/signum/article/view/40831. Acesso em: 29 maio. 2024.