Variação Linguística e Representação Social em Aulas de Língua Portuguesa do Ensino Médio

Autores

  • Leandro Santos Lucena Universidade Federal de Campina Grande
  • Edmilson Luiz Rafael Universidade Federal de Campina Grande - UFCG

DOI:

https://doi.org/10.5433/2237-4876.2020v23n3p60

Palavras-chave:

Variação Linguística. Ensino de Língua. Representação Social

Resumo

Neste artigo, apresentamos resultados parciais de uma pesquisa sobre formas de construção de ensino do conteúdo variação linguística e sua relação com representação social. A questão em foco é saber quais atividades e recursos didáticos foram utilizados por professora e alunos em aulas de língua portuguesa. A pesquisa foi realizada em uma turma de 1º ano do Ensino Médio de uma escola pública do estado da Paraíba, no primeiro semestre de 2019. O corpus foi constituído por meio de anotações, gravação em áudio de aulas e de entrevistas com professor e alunos. A análise, fundamentada nos estudos sobre cultura, representação social, variação linguística e didática, demonstrou, como principais resultados, que o estudo da variação linguística, proporcionado pela metodologia da professora, se faz por meio de uma diversidade de atividades de produção que privilegiam mais a assimilação do conteúdo de um ponto vista linguístico do que das implicações do uso pela exploração dos componentes socioculturais do fenômeno.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Leandro Santos Lucena, Universidade Federal de Campina Grande

Possui graduação em Letras, Língua Portuguesa, pela Universidade Federal de Campina Grande (2016) e pós graduação Lato Senso em Psicologia Organizacional e do Trabalho pela Faculdade Alfa América (2019), esta com foco à gestão de pessoas no âmbito motivacional. Atualmente é mestrando no curso de pós-graduação de Linguagem e Ensino pela Universidade Federal de Campina Grande (2020) e desenvolve pesquisa na linha de Língua, História e Cultura com interesse na área de linguística aplicada. Atualmente, faz parte do Comitê Técnico da Revista Teórico Prático, periódico multidisciplinar desenvolvido pela Gradus Editora. Nas horas livres ministra aulas em inglês e português e participa de eventos voltados a educação, ensino, aprendizagem e gestão de pessoas.

 

Edmilson Luiz Rafael, Universidade Federal de Campina Grande - UFCG

Tem Graduação em Licenciatura Plena Em Letras pela Universidade Federal da Paraíba (1989), mestrado em Letras pela Universidade Federal da Paraíba (1993) e doutorado em Lingüística Aplicada pela Universidade Estadual de Campinas (2001). Atualmente é professor Titular de Língua Portuguesa e Linguística da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG) e Docente Permanente do Programa de Pós Graduação em Linguagem e Ensino - UFCG. Tem experiência na área de Lingüística e de Linguística Aplicada, com ênfase em Ensino Aprendizagem de Língua Materna, atuando principalmente nos seguintes temas: ensino de língua portuguesa, práticas escolares de ensino de português e formação de professores.

Referências

BAGNO, M. Nada na língua é por acaso: por uma pedagogia da variação linguística. São Paulo: Parábola, 2007.

BORTONI-RICARDO, S.M Educação em língua materna: a sociolingüística na sala de aula. São Paulo: Parábola, 2004.

CAMACHO, R. G. Da linguística formal à linguística social. São Paulo: Parábola, 2013.

FARACO, C. A.; ZILLES, A. M. Pedagogia da variação linguística: língua, diversidade e ensino. São Paulo: Parábola, 2015.

FICHTNER, B. O conhecimento e o papel do professor. In: LIB NEO, J. C.; ALVES, N. (org.). Temas de didática: diálogos entre didática e currículo. São Paulo: Cortez, 2012. p. 209-226.

HALL, S. Cultura e representação. Rio de Janeiro: Ed. PUC; Apicuri, 2016.

LABOV, W. Padrões sociolinguísticos. Tradução Marcos Bagno, Maria Marta Pereira Scherre e Caroline Rodrigues Cardoso. São Paulo: Parábola, 2008 [1972].

LARAIA, R. de B. Cultura: um conceito antropológico. 22. ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2008.

LIB NEO, J. C. Educação: pedagogia e didática. In: PIMENTA, S. G. (org.). Didática e formação de professores: percursos e perspectivas no Brasil e em Portugal. 6. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

LOPES, K. Nossa língua: códigos, linguagens e suas tecnologias. São Paulo: DCL, 2010

MARCUSCHI, L. A. Da fala para a escrita: atividades de retextualização. São Paulo: Cortez, 2010.

MILROY, J. Ideologias linguísticas e as consequências das padronizações. In: LAGARES, X.; BAGNO, M. Políticas da norma e conflitos linguísticos. São Paulo: Parábola, 2011. p. 49-89.

NEVES, M. H. de M. Que gramática ensinar na escola? 3. ed. São Paulo: Contexto, 2006.

PAGOTTO, E. G. Variação e(´) identidade. Maceió: EDUFAL, 2004.

PAGOTTO, E. G. As (re)(re)descobertas do Brasil: variação linguística, sujeito e discurso. Línguas e Instrumentos Linguísticos, n. 36, p. 9-19, jul./dez. 2015. Disponível em: bit.ly/3pklUPI. Acesso em:
18 jan. 2020.

PIOVEZANI, C. A voz do povo: uma longa história de discriminações. Petrópolis: Vozes, 2020.

RAJAGOPALAN, K. Linguagem: o santo graal da linguística. In: SIGNORINI, I. (org.). Situar a língua(gem). São Paulo: Parábola, 2018. p. 15-38.

SACRISTÁN, J. G. O que são conteúdos de ensino? In: SACRISTÁN, J. G.; GÓMEZ, A. I. P. Compreender e transformar o ensino. 4. ed. Porto Alegre: Artmed, 1998. p. 149-196.

SIGNORINI, I. Construindo com a escrita outras cenas de fala. In: SIGNORINI, I. (org.). Investigando a relação oral/escrito e as teorias do letramento. Campinas: Mercado de Letras, 2001. p. 97-134.

SIGNORINI, I. Letramento e inovação no ensino e na formação do professor de língua portuguesa. In: SIGNORINI, I (org.) Significados da inovação no ensino de língua portuguesa e na formação de professores. Campinas: Mercado de Letras, 2007. p. 211-228.

ZABALA, A. A prática educativa: como ensinar. Porto Alegre: Artmed, 1998.

Publicado

2021-06-29

Como Citar

LUCENA, L. S.; RAFAEL, E. L. Variação Linguística e Representação Social em Aulas de Língua Portuguesa do Ensino Médio. Signum: Estudos da Linguagem, [S. l.], v. 23, n. 3, p. 60–78, 2021. DOI: 10.5433/2237-4876.2020v23n3p60. Disponível em: https://ojs.uel.br/revistas/uel/index.php/signum/article/view/40769. Acesso em: 16 jun. 2024.