A mulher negra e a formação em Psicologia. Quais as barreiras existentes?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5433/1679-0383.2021v42n1p115

Palavras-chave:

Mulheres negras, Formação em Psicologia, Relações raciais

Resumo

O presente estudo é resultado de uma pesquisa que buscou verificar questões relacionadas à associação entre gênero e raça que podem interferir na formação da mulher negra em Psicologia. Buscou-se encontrar elementos para reflexão sobre possíveis barreiras enfrentadas em sua formação. A referida pesquisa teve, como instrumento de coletas de dados, um questionário e entrevistas semiestruturadas. Em um primeiro momento, foi disponibilizado na internet um questionário on-line respondido por 115 mulheres. Para a segunda etapa da coleta, foram sorteadas dez mulheres que se disponibilizaram no primeiro momento da pesquisa a participar da entrevista semiestruturada de caráter qualitativo. Os dados dos questionários foram analisados de forma quantitativa, com o levantamento das respostas mais prevalentes. Então, foram relidas as entrevistas semiestruturadas, para a identificação de temas emergentes nos relatos. Cada um deles foi destacado para a realização da triangulação com os resultados quantitativos e o embasamento teórico, havendo comparação, também, com estudos anteriores. Este artigo aponta para maior necessidade de discussão sobre o tema, inclusive das relações raciais, para a necessidade de maior representatividade de autores e professores negros nas instituições que ofertam o curso de Psicologia e para a necessidade de um esforço coletivo para a identificação e eliminação das barreiras existentes na formação de mulheres negras em Psicologia.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Aline Souza Rosa dos Santos, Universidade Anhembi Morumbi

Psicóloga pela Universidade Anhembi Morumbi, São Paulo, São Paulo, Brasil.

Solange Aparecida Emílio, Centro Universitário FIEO - UNIFIEO

Doutorado em Psicologia Escolar e do Desenvolvimento Humano pela Universidade de São Paulo (USP), São Paulo, São Paulo, Brasil. Professora do Centro Universitário FIEO (UNIFIEO), Osasco, São Paulo, Brasil.

Referências

ALMEIDA, S. L. Estado e direito: a construção de raça. In: SILVA, M. L.; FARIAS, M.; OCARIZ, M. C.; STIEL NETO, A. (Org.). Violência e sociedade: o racismo como estruturante da sociedade e da subjetividade do povo brasileiro. São Paulo: Escuta. 2018b. p 81-96.

ALMEIDA, S. L. O que é racismo estrutural? Belo Horizonte: Letramento. 2018a.

BORSEZI, C. S.; BORTOLOMASI, E.; LIBONI, R. G.; REIS, M. F.; TAMANAHA, H. Y.; GUIMARAES, J. L. Representação social da psicologia e do psicólogo sob o olhar da comunidade de Assis/SP - Brasil. Psicologia para América Latina, México, n. 14, out. 2008. Disponível em: https://bit.ly/3rRTtIP. Acesso em: 8 jul. 2020.

BOURDIEU, P.; CHAMPAGNE, P. Os excluídos do interior. In: BOURDIEU et al. (Org.). A miséria do mundo. 4. ed. Petrópolis: Vozes, 2001.

BRANDAO, A. A. Rompendo barreiras educacionais: negros no ensino superior. Physis: Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 14, n. 1, p. 163-167, jun. 2004. Doi: https://doi.org/10.1590/S0103-73312004000100011. Disponível em: https://bit.ly/31PnLRU. Acesso em: 21 jun. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei nº 13.146, de 6 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 7 jun. 2015. Disponível em: https://bit.ly/31RdyUI. Acesso em: 21 jun. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução Nº 466, de 12 de dezembro de 2012. Trata de pesquisas em seres humanos e atualiza a resolução 196. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília: DF, 2013.

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução nº 5, de 15 de março de 2011. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Psicologia, estabelecendo normas para o projeto pedagógico complementar para a Formação de Professores de Psicologia. Brasília, DF: Ministério da Educação, 2011. Disponível em: https://bit.ly/31KpOXc. Acesso em: 24 jun. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Revisão das Diretrizes Curriculares Nacionais (DCNs) dos Cursos de Graduação em Psicologia e estabelecimento de normas para o Projeto Pedagógico Complementar (PPC) para a Formação de Professores de Psicologia. Brasília: Ministério da Educação, 2020. Disponível em: https://bit.ly/39IEJWl. Acesso em: 2 jun. 2020.

CARMO, M. C. O papel dos afetos no processo de formação de psicólogos. 2011. Dissertação (Mestrado em Psicologia) - Pontifícia Universidade Católica de Campinas, Campinas, 2011.

CARNEIRO, S. Enegrecer o feminismo: a situação da mulher negra na América Latina a partir de uma perspectiva de gênero. In: ASHOKA EMPREENDIMENTOS SOCIAIS; TAKANO CIDADANIA (Org.). Racismos contemporâneos. Rio de Janeiro: Takano Editora. 2003.

CASANOVA, D. G.; POLYDORO, S. Integração ao ensino superior: relações ao longo do primeiro ano de graduação. Psicologia Ensino & Formação, Brasília, v. 1, n. 2, p. 85-96, 2010.

CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA. Código de ética do profissional do psicólogo. Brasília: CFP, 2005.

CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA. Relações raciais: referências técnicas para atuação de psicólogas/os. Brasília: CFP, 2017.

DEPARTAMENTO INTERSINDICAL DE ESTATÍSTICA E ESTUDOS SOCIOECONÔMICOS. Projeto 2: levantamento de informações sobre a inserção dos psicólogos no mercado de trabalho brasileiro. São Paulo: DIEESE, 2016.

EU, mulher negra e psicóloga. Psicologia: Ciência e Profissão, Brasília, DF, v. 4, n.2, p. 10-15, 1984. Doi: https://doi.org/10.1590/S1414-98931984000200004. Disponível em: https://bit.ly/2RcrtD7. Acesso em: 21 abr. 2020.

GIL, A. C. O psicólogo e sua ideologia. Psicologia: Ciência e Profissão, Brasília, DF, v. 5, n. 1, p. 12-17, 1985. Doi: https://doi.org/10.1590/S1414-98931985000100005. Disponível em: https://bit.ly/3cSqUXg. Acesso em: 8 jul. 2020.

GLASS, R. D. Entendendo raça e racismo: por uma educação racialmente crítica e antirracista. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Brasília, DF, v. 93, n. 235, p. 883-913, dez. 2012. Doi: https://doi.org/10.1590/S2176-66812012000400017. Disponível em: https://bit.ly/3t4Dbhb. Acesso em: 16 jun. 2020.

HOLANDA, M. A. G.; WELLER, W. Trajetórias de vida de jovens negras da Universidade de Brasília no contexto das ações afirmativas. Poiésis, Florianópolis, v. 8, n. 13, p. 57-80, 2014. Disponível em: https://bit.ly/31L21X1. Acesso em: 21 jun. 2020.

HOOKS, B. Olhares negros: raça e representação. São Paulo: Elefante, 2019.

KHOURI, J. G. R.; CASTELAR, M. Percepções de estudantes sobre o debate das relações raciais na formação em psicologia. Psicologia Ensino & Formação, São Paulo, v. 7, n. 2, p. 53-62, 2016. Disponível em: https://bit.ly/39G6ONN. Acesso em: 21 abr 2020.

MÄDER, B. J. (Org.). Caderno de psicologia e relações étnico-raciais: diálogos sobre o sofrimento psíquico causado pelo racismo. Curitiba: CRP-PR, 2016.

MARIANA, M. M.; PINHEIRO, L.; QUEIROZ, C.; QUERINO, A. C.; VALVERDE, D. Dossiê mulheres negras: retrato das condições de vida das mulheres negras no Brasil. Brasília: Ipea. 2013.

MARQUES, E. P. S. O acesso à educação superior e o fortalecimento da identidade negra. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 23, e230098, 2018. Doi: https://doi.org/10.1590/s1413-24782018230098. Disponível em: https://bit.ly/3dBciuv. Acesso em: 21 abr 2020.

MINAYO, M. C. Souza. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 11.ed. São Paulo: Hucitec. 2008.

MUNANGA, K. As ambiguidades do racismo à brasileira. In: KON, N. M.; ABUD, C. C.;SILVA, M. L. (Org.). O racismo e o negro no Brasil: questões para a psicanálise. São Paulo: Perspectiva, 2017. p. 33-44.

MUNANGA, K. Considerações sobre as Políticas de Ação Afirmativa no Ensino Superio. In: PACHECO, J. Q.; SILVA, M. N. (Org.). O negro na universidade: o direito a inclusão. Brasília, DF: Fundação Cultural Palmares, 2007. p. 7-22.

PINTO, M. C. C.; FERREIRA, R. F. Relações raciais no Brasil e a construção da identidade da pessoa negra. Pesquisas e Práticas Psicossociais, São João del-Rei, v. 9, n. 2, p. 257-266, dez. 2014. Disponível em: https://bit.ly/3sTu171. Acesso em: 12 jul. 2020.

PIRES, L. H. S. Formação do psicólogo: perspectivas de alunos de um curso de graduação. 2008. Dissertação (Mestrado em Psicologia) - Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2008.

RIBEIRO, D. O que é: lugar de fala? Belo Horizonte, MG: Letramento, 2017.

RIBEIRO, M. E.; SOLIGO, Â. F. Diretrizes Curriculares e Formação do Psicólogo Brasileiro: avanços, retrocessos e desafios. Revista Integración Académica en Psicología, Ciudad de México, v. 8, n. 22, p36-49, 2020.

SANTOS, A. O. O enegrecimento da psicologia: indicações para a formação profissional. Psicologia: Ciência e Profissão, Brasília, v. 39, n. spe, e222113, p. 159-171, 2019. Doi: https://dx.doi.org/10.1590/1982-3703003222113. Disponível em: https://bit.ly/3sRWutD. Acesso em: 21 abr 2020.

SANTOS, G. G.; SILVA, L. C. A evasão na educação superior: entre debate social e objeto de pesquisa. In: SAMPAIO, S. M. R. (Org.). Observatório da vida estudantil: primeiros estudos Salvador: EDUFBA, 2011. p. 249-262.

SÃO PAULO. Secretaria Municipal de Promoção da Igualdade Racial. Igualdade racial em São Paulo: avanços e desafios. São Paulo: SMPIR, 2014.

SÃO PAULO. Secretaria Municipal de Promoção da Igualdade Racial. Relatório de gestão: políticas de igualdade racial em São Paulo. São Paulo: SMIR, 2013.

SCHUCMAN, L. V. Branquitude e privilégio: violência e sociedade. In: SILVA, M. L.; FARIAS, M.; OCARIZ, M. C.; STIEL NETO, A. (Org.). O racismo como estruturante da sociedade e da subjetividade do povo brasileiro. São Paulo: Escuta, 2018. p. 137-150.

SOUSA, N. S. Tornar-se negro: as vicissitudes da identidade do negro em ascensão social. Rio de Janeiro: Edições Graal. 1983.

TEIXEIRA, M. P. Negros na universidade: identidade e trajetórias de ascensão social no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Pallas, 2003.

VANNUCHI, M. B. C. C. A violência nossa de cada dia: o racismo à brasileira. In: KON, N. M.; ABUD, C. C.;SILVA, M. L. (Org.). O racismo e o negro no Brasil: questões para a psicanálise. São Paulo: Perspectiva, 2017. p. 59-70.

Downloads

Publicado

28.05.2021

Como Citar

SANTOS, A. S. R. dos; EMÍLIO, S. A. A mulher negra e a formação em Psicologia. Quais as barreiras existentes?. Semina: Ciências Sociais e Humanas, [S. l.], v. 42, n. 1, p. 115–132, 2021. DOI: 10.5433/1679-0383.2021v42n1p115. Disponível em: https://ojs.uel.br/revistas/uel/index.php/seminasoc/article/view/39926. Acesso em: 13 abr. 2024.

Edição

Seção

Artigos Seção Livre