Há espaço para o ensino de Inglês para crianças no currículo de cursos de Letras Português- Inglês?

Autores

  • Dayane Rita de Souza Cirino Universidade Tecnológica Federal do Paraná http://orcid.org/0000-0001-5977-0040
  • Didie Ana Ceni Denardi Universidade Tecnológica do Paraná

DOI:

https://doi.org/10.5433/1679-0383.2019v40n2p209

Palavras-chave:

Formação do professor, Currículo, Ensino-aprendizagem de Inglês.

Resumo

Novos contextos de ensino de Língua Inglesa manifestam-se na contemporaneidade. Entre eles, o ensino de Inglês para crianças tem crescido consideravelmente nos últimos anos. No entanto, parece haver uma lacuna na formação de professores de Inglês, já que os Cursos de Letras Português- Inglês preparam professores para ministrar aulas de Inglês para os quatro anos finais do Ensino Fundamental II e para os três anos do Ensino Médio, enquanto que o Curso de Pedagogia tem a finalidade de formar professores para atuarem na Educação Infantil, primeiros quatro anos do Ensino Fundamental I, nas disciplinas do currículo geral, mas não para o ensino dessa língua estrangeira (FERNANDEZ; RINALDI, 2009). Considerando tais constatações, nos perguntamos: a) Poderia ser o Curso de Letras- Inglês o responsável para formar professores de Inglês para crianças?; b) Até que ponto, os currículos dos Cursos de Letras-Inglês estão contribuindo efetivamente para novas práticas em sala de aula? Neste sentido, o presente artigo tem por objetivo apresentar uma análise de currículos de dois Cursos de Letras Português-Inglês de Instituições Federais de Ensino localizadas no Sudoeste do Paraná, procurando identificar, caso possível, espaços que possam comtemplar o ensino-aprendizagem de Inglês para a educação infantil.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Dayane Rita de Souza Cirino, Universidade Tecnológica Federal do Paraná

Possui graduação em Letras Português Inglês pelo Centro Pastoral Educacional e Assistência Dom Carlos (2007). Tem experiência na área de Letras, com ênfase em Inglês e especialização em Ensino de Línguas pelo Centro Pastoral Educacional e Assistência Dom Carlos (2008). Trabalha há mais de 10 anos com Ensino de Inglês para crianças adolescentes e adultos. Atualmente é acadêmica do mestrado no Programa de Pós Graduação em Letras (PPGL) pela UTFPR - Universidade Tecnológica Federal do Paraná, câmpus Pato Branco e está desenvolvendo pesquisas a respeito do Ensino e aprendizagem de Inglês por crianças de 0 a 5 anos assim como a Formação do professor para atuar junto à esse público. Além de atuar como professora de Inglês também tem experiência como coordenadora de Inglês dentro de escolas regulares de ensino privado e cursos de idiomas. Atualmente é professora e diretora da Achieve Languages Palmas e Pato Branco.

Didie Ana Ceni Denardi, Universidade Tecnológica do Paraná

Professora titular da área de Letras-Inglês, atuando no Curso de Licenciatura em Letras Português-Inglês e no Programa de Pós-Graduação em Letras Inglês da Universidade Tecnológica Federal do Paraná - Câmpus Pato Branco. É Pós-doutora em Estudos Linguísticos pelo Programa de Pós-Graduação em Inglês da Universidade Federal de Santa Catarina. Possui mestrado e doutorado em Letras/Inglês e Literatura Correspondente também pela Universidade Federal de Santa Catarina. Graduou-se em Letras Português Inglês e Respectivas Literaturas pela Faculdade de Estadual de Filosofia Ciências e Letras de Guarapuava/PR e interessa-se pelos seguintes temas: formação de professores de línguas, práticas pedagógicas, processo de ensino-aprendizagem de línguas materna e estrangeiras modernas, ensino de leitura e de escrita em perspectivas sociointeracionistas, identidade do professor de línguas e de Inglês como língua adicional. Foi coordenadora de área de Inglês PIBID - UTFPR Câmpus Pato Branco de 2012 a 2015 (Editais 2011 e 2013).

Referências

BRASIL. Decreto Nº 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras, e o art. 18 da Lei nº 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Brasília: Presidência da República, 2005. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2005/decreto/d5626.htm. Acesso em: 2 set. 2017.

BRASIL. Lei Nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, DF: Presidência da República, 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acesso em: 2 set. 2017.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Média e Tecnológica. Parâmetros curriculares nacionais, códigos e suas tecnologias: Língua estrangeira moderna. Brasília: MEC, 1999. p 49-63. Disponível em: http://www.sk.com.br/pcn.html. Acesso em: 20 maio 2017.

BROWN, D. 2001. Teaching by principles. New York: Pearson Education,

CAMERON, L. Teaching languages to young learners. Cambridge: Cambridge University Press, 2001.

CARVALHO, M. P. Gestão para o ensino-aprendizagem de Língua inglesa no Fundamental 1 em contexto de escolar pública. 2013. 220 f. Dissertação (Mestrado em Lingüística) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2013.

CHAVES, C. O ensino de inglês como língua estrangeira na educação infantil: para inglês ver ou para valer? 2004. Monografia (Especialização em Educação Infantil) - Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, 2004.

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Parecer CNE/CES nº 492/2001 de 3 de abril de 2001. Aprova as Diretrizes Curriculares Nacionais dos cursos de Arquivologia, Biblioteconomia, Ciências Sociais - Antropologia, Ciência Política e Sociologia, Comunicação Social, Filosofia, Geografia, História, Letras, Museologia e Serviço Social. Brasília: MEC, 2001. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CES0492.pdf. Acesso em: 20 maio 2017.

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Resolução CNE/CP 2, de 19 de fevereiro de 2002. Institui a duração e a carga horária dos cursos de licenciatura, de graduação plena, de formação de professores da Educação Básica em nível superior. Brasília: MEC/CNE, 2002. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CP012002.pdf. Acesso em: 2 set. 2017.

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Resolução CNE/CP Nº 1, de 15 de maio de 2006. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Graduação em Pedagogia, licenciatura. Brasília: MEC/CNE, 2002. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/rcp01_06.pdf. Acesso em: 2 set. 2017.

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Resolução CNE/CP Nº 2, de 22 de dezembro de 2017. Institui e orienta a implantação da Base Nacional Comum Curricular, a ser respeitada obrigatoriamente ao longo das etapas e respectivas modalidades no âmbito da Educação Básica. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/historico/RESOLUCAOCNE_Cp222dedezembrode2017.pdf. Acesso em: 2 set. 2017.

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Resolução Nº 2, de 1º de julho de 2015. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Brasília: MEC/CNE, 2015. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/docman/agosto-2017-pdf/70431-res-cne-cp-002-03072015-pdf/file. Acesso em: 20 maio 2017.

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Resolução Nº 7, de 14 de dezembro de 2010. Fixa Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Fundamental de 9 (nove) anos. Brasília, DF: CNE/CEB, 2010. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/rceb007_10.pdf. Acesso em: 20 maio 2017.

DIAS, M. Sete décadas de história: a Sociedade Brasileira de Cultura Inglesa. Rio de Janeiro: Sextante Artes, 1999.

FERNANDEZ, G. E; RINALDI, S. Formação de professores de espanhol para crianças no Brasil: alguns caminhos possíveis. Trabalhos em Linguistica Aplicada, Campinas, SP, v. 48, n. 2, p. 353-365, 2009.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2007.

GIMENEZ, T.; EL KADRI, M. S.; CALVO, L. C. S.; SIQUEIRA, D. S. P.; PORFIRIO, L. Inglês como língua franca: desenvolvimentos recentes. Revista Brasileira de Linguística Aplicada, Belo Horizonte, MG, v. 15, n. 3, p. 593-619, 2015.

GOLDENBERG, M. A arte de pesquisar. Rio de Janeiro: Record, 1997.

KRASHEN, S. D. Principles and practice in second Language acquisition. Rio de Janeiro, RJ: Prentice-Hall International, 1987.

LEFFA, Vilson J. O ensino das línguas estrangeiras no contexto nacional. Contexturas: Ensino Crítico de Língua Inglesa, São José do Rio Preto, SP, n. 4, p. 13-24, 1999. Disponível em: http://www.leffa.pro.br/textos/trabalhos/oensle.pdf /. Acesso em: 20 maio 2017.

MAGALHÃES, V. B. O perfil e a formação desejáveis aos professores de língua inglesa para crianças. In: TONELLI, J. R. A.; CHAGURI, J. de P. (Org.). Ensino de língua estrangeira para crianças: o ensino e a formação em foco. Curitiba: Appris, 2013. v.2, p. 239-260

MOURA, S. A. Com quantas línguas se faz um país? Concepções e práticas de ensino em uma sala de aula na educação bilíngue. 2009. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, 2009.

NAZARO. L. B. Resumo da história das Faculdades de Palmas – Unics. 2010. Disponível em: http://lucynazaro.blogspot.com.br/2010/03/historia-das-faculdades-de-palmas-unics.html. Acesso em: 20 maio 2017.

NOGUEIRA, M. C. B. Ouvindo a voz do (pré)adolescente brasileiro da geração digital sobre o livro didático de inglês desenvolvido no Brasil. 2007. 182f. Dissertação (Mestrado em Letras) – Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro PUC-Rio, Rio de Janeiro, RJ, 2007.

PAIVA, V. L. M. O ensino de língua estrangeira e a questão da autonomia. In: LIMA, D. C. (ed.). Ensino e aprendizagem de língua inglesa: conversa com especialistas. São Paulo: Parábola Editorial, 2009. p. 30-38.

PIAGET, J. A linguagem e o pensamento da criança. Tradução de Manuel Campos. São Paulo: Martins Fontes, 1986.

SANTOS, L. I. S. Professores de língua inglesa para crianças: interface entre formação inicial e continuada, experiência e fazer pedagógico. Revista Brasileira de Linguística Aplicada: RBLA, Belo Horizonte, MG, v. 11, n. 1, p. 223-243, 2011.

SCHÜTZ, R. A evolução do aprendizado de línguas ao longo de um século. English Made in Brazil. 2002. Disponível em: http://www.sk.com.br/sk-apren.html. Acesso em: 18 maio 2017.

SEIDLHOFER, B. Understanding English as a lingua franca. Oxford: Oxford University Press, 2011.

TONELLI, J. R. A.; CRISTOVÃO, V. L. L. O papel dos cursos de Letras na formação de professores de inglês para crianças. Calidoscópio, São Leopoldo, RS, n. 1, p. 65-76, 2010.

TONELLI, J. R. A.; FERREIRA, O. H.; BELO-CORDEIRO, A. Remendo novo em vestido velho: uma reflexão sobre os cursos de Letras-Inglês. REVELLI: Revista de Educação, Linguagem e Literatura, Inhumas, GO, v. 9, n. 1, p. 124-141, 2017.

TUTIDA, A. F.; TONELLI, J. R. A. Formação inicial e continuada de professores de língua inglesa para crianças: visitando o Estado do Paraná. In: SEMINÁRIO DE PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS, 9., 2014, Londrina, PR. Anais [...]. Londrina: UEL, 2014. p. 744-752.

VYGOTSKY, L. S. A construção do pensamento e da linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

WILLIANS, M.; BURDEN, R. L. Psychology for language teachers: a social constructivist approach. Cambridge: Cambridge University Press, 1997.

Downloads

Publicado

02.12.2019

Como Citar

CIRINO, D. R. de S.; DENARDI, D. A. C. Há espaço para o ensino de Inglês para crianças no currículo de cursos de Letras Português- Inglês?. Semina: Ciências Sociais e Humanas, [S. l.], v. 40, n. 2, p. 209–224, 2019. DOI: 10.5433/1679-0383.2019v40n2p209. Disponível em: https://ojs.uel.br/revistas/uel/index.php/seminasoc/article/view/35703. Acesso em: 17 abr. 2024.

Edição

Seção

Dossiê