Tédio e inautenticidade nos dias atuais: uma análise psicanalítica e social

Autores

  • Aline Vilarinho Montezi Universidade de São Paul

DOI:

https://doi.org/10.5433/1679-0383.2017v38n2p203

Palavras-chave:

Tédio, Sociedade Contemporânea, Psicanálise, Patologias do vazio

Resumo

O presente trabalho tem como objetivo discutir a questão do tédio, levando em consideração que a sociedade contemporânea, marcada pela exploração desumana do trabalho, supressão da subjetividade e autenticidade, vazio, falta de referências e fragilidade dos vínculos tem produzido aquilo que denominamos como “patologias do vazio”. Para tal, foi utilizada uma vinheta clínica na qual foi narrado um caso em que o tédio, dentre outras manifestações, se apresentava constantemente e, logo após, foram tecidas considerações à luz da teoria histórico-cultural e da Psicanálise. Concluiu-se que o tédio adquire caráter ambivalente tanto por se constituir enquanto uma defesa que, ao se manifestar, comunica o movimento da busca de si mesmo, como por denunciar o sofrimento das pessoas por viverem em um cotidiano empobrecido, mecanizado, preenchido por tarefas a cumprir e estímulos. Debruçar-se sobre o tema é imprescindível, não só do ponto de vista social, mas também para a clínica que, muitas vezes enfrenta os limites de sofrimentos tão complexos demandando uma postura flexível do terapeuta.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Aline Vilarinho Montezi, Universidade de São Paul

Doutora em Psicologia Clínica pela Universidade de São Paulo.

Downloads

Publicado

15.02.2018

Como Citar

MONTEZI, A. V. Tédio e inautenticidade nos dias atuais: uma análise psicanalítica e social. Semina: Ciências Sociais e Humanas, [S. l.], v. 38, n. 2, p. 203–214, 2018. DOI: 10.5433/1679-0383.2017v38n2p203. Disponível em: https://ojs.uel.br/revistas/uel/index.php/seminasoc/article/view/32168. Acesso em: 25 maio. 2024.

Edição

Seção

Artigos Seção Livre