Por uma implicação política e conceitual nos estudos sobre homens, masculinidades e violência de gênero

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5433/1679-0383.2017v38n2p175

Palavras-chave:

Psicologia Social, Gênero, Masculinidades.

Resumo

Este escrito propõe uma discussão política e conceitual acerca da temática dos homens autores de violência de gênero, situando-a como fruto dos estudos feministas sobre homens e masculinidades. A partir de uma retomada histórica-conceitual, procedemos uma análise terminológica a partir de Suely Almeida, Lourdes Bandeira e Heleieth Saffioti. Verificamos que estas pesquisas são orientadas por vertentes teórico-conceituais diversas, repercutindo no desenvolvimento de políticas públicas e influenciando na formação acadêmica-científica brasileira. Compreendemos essas discussões como campo de disputas políticas, e tomamos uma posição diante das vastas terminologias, uma vez que “violência de gênero” é o termo que se alinha às concepções que tentamos desenvolver ao longo de nossos estudos. Destacamos que no exercício de pesquisa sobre homens e as masculinidades, pesquisadores e pesquisadoras precisam abrir mão de compreensões patriarcais e androcêntricas. Falar de homens é falar, necessariamente, da relação com outros gêneros e da relação dos homens com seu próprio gênero.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Kevin Samuel Alves Batista, Universidade Federal do Ceará - UFC

Mestrando em Psicologia na Universidade Federal do Ceará e bolsista da CAPES

Aluísio Ferreira de Lima, Universidade Federal do Ceará - UFC

Pós-Doutorado e Doutor em Psicologia (Psicologia Social) pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUCSP). Professor Associado I do Departamento de Psicologia da Universidade Federal do Ceará/UFC. 

Downloads

Publicado

15.02.2018

Como Citar

BATISTA, K. S. A.; LIMA, A. F. de. Por uma implicação política e conceitual nos estudos sobre homens, masculinidades e violência de gênero. Semina: Ciências Sociais e Humanas, [S. l.], v. 38, n. 2, p. 175–188, 2018. DOI: 10.5433/1679-0383.2017v38n2p175. Disponível em: https://ojs.uel.br/revistas/uel/index.php/seminasoc/article/view/31570. Acesso em: 19 jun. 2024.

Edição

Seção

Artigos Seção Livre