Ácido indolbutírico na propagação vegetativa de cajaraneira (Spondias sp.)

Autores

  • Mauro da Silva Tosta Universidade Federal Rural do Semi-Árido
  • Clériston Venâncio Franklin de Oliveira Universidade Federal Rural do Semi-Árido
  • Rômulo Magno Oliveira de Freitas Universidade Federal Rural do Semi-Árido
  • Vânia Christina Nascimento Porto Universidade Federal Rural do Semi-Árido
  • Narjara Walessa Nogueira Universidade Federal Rural do Semi-Árido
  • Priscilla de Aquino Freire Tosta Universidade Federal Rural do Semi-Árido

DOI:

https://doi.org/10.5433/1679-0359.2012v33n6Supl1p2727

Palavras-chave:

Estaquia, Regulador de crescimento, AIB.

Resumo

O objetivo do presente trabalho foi avaliar a propagação vegetativa de estacas semi-herbáceas de cajarana (Spondias sp.) tratadas com ácido indolbutírico em diferentes concentrações. Foram utilizadas estacas de 20 cm, submetidas à aplicação de seis concentrações de ácido indolbutírico – AIB (0, 500, 1000, 3000, 6000 e 9000 ppm). O delineamento experimental foi em blocos casualizados, com quatro repetições e 12 estacas por unidade experimental, sendo avaliado aos 60 dias após o plantio. Foi avaliado o número de brotos, o comprimento do broto, o número de folhas, o número de folíolos, o comprimento do sistema radicular, a porcentagem de estacas enraizadas, o número de raízes por estaca, a massa seca da folha, a massa seca da brotação, a massa seca do sistema radicular e a relação entre a massa seca das brotações e a massa seca do sistema radicular. O aumento da concentração de AIB promoveu resposta polinomial quadrática para as variáveis analisadas; exceto para a relação entre a massa seca das brotações e a massa seca do sistema radicular, o qual foi observado um efeito decrescente ao aumento das dosagens. Para a produção de mudas de cajaraneira vigorosas por estaquia pode ser utilizada, em media, uma concentração de 5232 ppm de ácido indolbutírico, misturadas em talco farmacêutico em pó.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Mauro da Silva Tosta, Universidade Federal Rural do Semi-Árido

Doutorando do Programa de Pós-Graduação em Agronomia/Fitotecnia da Universidade Federal Rural do Semi-Árido, UFERSA, C. P. 137, 59625-900, Mossoró, RN.

Clériston Venâncio Franklin de Oliveira, Universidade Federal Rural do Semi-Árido

Engº Agrº, UFERSA.

Rômulo Magno Oliveira de Freitas, Universidade Federal Rural do Semi-Árido

Doutorando do Programa de Pós-Graduação em Agronomia/Fitotecnia da Universidade Federal Rural do Semi-Árido, UFERSA, C. P. 137, 59625-900, Mossoró, RN.

Vânia Christina Nascimento Porto, Universidade Federal Rural do Semi-Árido

Profª Adjunta da UFERSA, Drª em Agronomia/Fitotecnia.

Narjara Walessa Nogueira, Universidade Federal Rural do Semi-Árido

Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Agronomia/Fitotecnia da Universidade Federal Rural do Semi-Árido, UFERSA, C. P. 137, 59625-900, Mossoró, RN.

Priscilla de Aquino Freire Tosta, Universidade Federal Rural do Semi-Árido

Discente em Agronomia da UFERSA.

Downloads

Publicado

2012-12-20

Como Citar

Tosta, M. da S., Oliveira, C. V. F. de, Freitas, R. M. O. de, Porto, V. C. N., Nogueira, N. W., & Tosta, P. de A. F. (2012). Ácido indolbutírico na propagação vegetativa de cajaraneira (Spondias sp.). Semina: Ciências Agrárias, 33(6Supl1), 2727–2740. https://doi.org/10.5433/1679-0359.2012v33n6Supl1p2727

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)