Determinação da adaptabilidade e estabilidade de cultivares de soja em diferentes locais e épocas de semeadura no estado do Paraná usando os métodos AMMI e Eberhart e Russel

Autores

  • Daniel Augusto Silveira Universidade Estadual de Londrina
  • Luiz Fernando Pricinotto Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento
  • Maicon Nardino Universidade Federal de Santa Maria
  • Carlos André Bahry Universidade Tecnológica Federal do Paraná
  • Cássio Egídio Cavenaghi Prete Universidade Estadual de Londrina
  • Luan Cruz Universidade Estadual de Londrina

DOI:

https://doi.org/10.5433/1679-0359.2016v37n6p3973

Palavras-chave:

Modelos biométricos, Previsibilidade, Rendimento de grãos, Diferentes ambientes.

Resumo

O objetivo do trabalho foi estudar a adaptabilidade e a estabilidade fenotípica de dez genótipos de soja em doze ambientes no Paraná com o uso dos modelos AMMI (Additive Main Effects and Multiplicative Interaction Analysis) e Eberhart e Russel. Os ensaios foram conduzidos em blocos completos casualizados com três repetições na safra 2010/2011 em quatro locais no Estado do Paraná (Assaí, São Pedro do Ivaí, Cornélio Procópio e Marilândia do Sul) e em três épocas de semeadura (15/10/10 - 20/10/10; 29/10/10 -03/11/10; 15/11/10 - 20/11/10). As cultivares testadas, todas com a tecnologia RR, foram: SYN 1049; SYN 1152; SYN 1059; SYN 3358; SYN 1163; SYN 1157; V-MAX; FT Campo Mourão; BMX Potência; e, SYN 9070. O caráter analisado foi rendimento de grãos. Os dados foram submetidos à análise de variância. Posteriormente realizou-se a análise de adaptabilidade e estabilidade. Os modelos AMMI e Eberhart e Russel foram parcialmente concordantes apenas para parâmetro de estabilidade. A análise AMMI foi capaz de capturar 66% da variação associada aos resíduos não aditivos, os quais 43,18% estavam retidos no primeiro componente principal de interação e 23,58% no segundo componente os quais são suficientes para explicar a interação G×E. Os genótipos SYN 1059, SYN 1163 e V-MAX destacam-se pela produtividade consideravelmente superior e ampla adaptação produtiva. A cultivar SYN 1163, na análise AMMI, mostra-se promissora entre as demais cultivares lançadas comercialmente pelo alto desempenho de rendimento de grãos, adaptação e previsibilidade de resposta.

Biografia do Autor

Daniel Augusto Silveira, Universidade Estadual de Londrina

Doutorando na área de Fitotecnia pela Universidade Estadual de Londrina (UEL/PR).

Luiz Fernando Pricinotto, Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento

Engº Agrº, Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento/Departamento de Desenvolvimento Agropecuário, SEAB/DEAGRO, Cianorte, PR, Brasil.

Maicon Nardino, Universidade Federal de Santa Maria

Prof., Universidade Federal de Santa Maria, UFSM, Frederico Westphalen, RS, Brasil.

Carlos André Bahry, Universidade Tecnológica Federal do Paraná

Prof., Universidade Tecnológica Federal do Paraná, UTFPR, Dois Vizinhos, PR, Brasil.

Cássio Egídio Cavenaghi Prete, Universidade Estadual de Londrina

Prof. Dr., Universidade Estadual de Londrina, UEL, Londrina, PR, Brasil.

Luan Cruz, Universidade Estadual de Londrina

Discente de Mestrado em Agronomia, UEL, Londrina, PR, Brasil.

Downloads

Publicado

2016-12-14

Como Citar

Silveira, D. A., Pricinotto, L. F., Nardino, M., Bahry, C. A., Cavenaghi Prete, C. E., & Cruz, L. (2016). Determinação da adaptabilidade e estabilidade de cultivares de soja em diferentes locais e épocas de semeadura no estado do Paraná usando os métodos AMMI e Eberhart e Russel. Semina: Ciências Agrárias, 37(6), 3973–3982. https://doi.org/10.5433/1679-0359.2016v37n6p3973

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)