O suicídio da presidente: a arte da mentira e a criação do consenso na grande imprensa brasileira

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5433/1984-3356.2017v10n19p332

Palavras-chave:

Imprensa e história, História imediata, Consenso

Resumo

O objetivo deste texto é problematizar algumas questões sobre as dificuldades encontradas pelos historiadores no uso da imprensa como fonte. Mais especificamente, as concepções de verdade e mentira na mídia. Essas noções criam imensas dificuldades para a leitura do texto midiático, já que as mentiras possuem um lugar social e político. Há uma busca sistemática de consenso, de convencimento, mas as mesmas também são acompanhadas de manipulação. Por isso fica mais difícil separar os dois campos. Realidade e fantasia se misturam, e com isso elementos pessoais acabam se sobrepondo a posições políticas.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Carla Luciana Souza da Silva, Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Doutora em História pela Universidade Federal Fluminense. Pós Doutora pela Universidade Nova de Lisboa. Docente da Universidade Estadual do Oeste do Paraná.

Referências

ADORNO, Theodor W.; HORKHEIMER, Max. Dialética do Esclarecimento. Rio de Janeiro: Zahar, 2006.

ARBEX JR, José. Showrnalismo: a notícia como espetáculo. São Paulo: Casa Amarela, 2001.

AVELAR, Daniel. Jovem não sabe distinguir notícia falsa, mostra estudo nos EUA. Folha de São Paulo, 24 nov. 2016. Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/mundo/2016/11/ 1835017-jovem-nao-sabe-distinguir-noticia-falsa-mostra-estudo-nos-eua.shtml?cmpid= facefolha. Acesso em: 20 jan. 2017.

BENJAMIN, Walter. O capitalismo como religião. São Paulo: Boitempo, 2013.

BIANCHI, Alvaro; ALIAGA, Luciana. Força e consenso como fundamentos do Estado. Pareto e Gramsci. Revista Brasileira de Ciência Política, Brasília, n. 5, p. 17-36, 2011.

BUCCI, Eugenio. Pós-verdade, pós-política, pós-imprensa. O Estado de São de Paulo, 10 nov. 2016. Disponível em: http://opiniao.estadao.com.br/noticias/geral,pos-verdade-pos-politica-pos-imprensa,10000087368. Acesso em: 19 abr. 2017.

CAREY, John. Os intelectuais e as massas. São Paulo: Ars Poetica, 1993.

CHOMSKY, Noam. Consentimento sem consentimento: a teoria e a prática da democracia. Estudos Avançados, São Paulo, v. 11, n. 29, p. 259-276, 1997.

DESIDERIO, Mariana. Sete boatos da política brasileira que podem ter enganado você. Revista Exame, 13 set. 2016. Disponível em: http://exame.abril.com.br/brasil/7-boatos-da-politicabrasileira-que-podem-ter-enganado-voce/. Acesso em: 19 abr. 2017

GRAMSCI, Antonio. Americanismo e fordismo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001. (Cadernos do Cárcere. v. 4).

GURGEL, Claudio. A Gerência do pensamento: gestão contemporânea e consciência neoliberal. São Paulo, Cortez, 2003.

LE BOM, Gustave. Psicologia das Multidões. São Paulo: Wmf Martins Fontes, 2008.

ORTIZ, Renato. (Org.). Pierre Bourdieu. São Paulo: Ática, 1994.

PADRÓS, Enrique. Os desafios na produção do conhecimento histórico sob a perspectiva do Tempo Presente. Anos 90. V.11, n.19/20, p. 190-223, jan./dez., 2004.

PROPAGANDA Vencedora - Folha de São Paulo-1987. Publicidade No Ato blog, 18 jun. 2007. Disponível em: http://publicidadenoato.blogspot.com.br/2007/06/propaganda -vencedora-folha-de-so-paulo.html/. Acesso em: 12 set. 2016.

QUESSADA, Dominique. O poder da publicidade na sociedade consumida pelas marcas. Como a globalização impõe produtos, sonhos e ilusões. São Paulo: Futura, 2003.

SAFATLE, Vladimir. Cinismo e falência da crítica. São Paulo: Boitempo, 2008.

SERRANO, Pascual. Desinformación. Como los médios ocultan el mundo. Barcelona: Península, 2009.

SILVA, Carla. Imprensa liberal, imprensa partidária: uma aproximação historiográfica. In: SILVA, Carla; RAUTEMBERG, Edina (Org.). Historia & Imprensa: estudos de hegemonia. Porto Alegre: FCM, 2014.

SILVA, Carla. VEJA: o indispensável partido neoliberal. Cascavel: Edunioeste, 2009.

WAISELFISZ, Julio Jacobo. Mapa da Violência 2015: Homicídio de mulheres no Brasil. Entidade das Nações Unidas para a Igualdade de Gênero e o empoderamento das mulheres – ONU Mulheres. Brasília, 2015.

WELLE, Deutsche. Qual o verdadeiro peso das notícias falsas? Carta Capital, 21 nov. 2016.

Disponível em: http://www.cartacapital.com.br/sociedade/qual-o-verdadeiro-peso-dasnoticias-falsas/. Acesso em: 12 abr. 2017.

ZUCKERBERG: ‘Facebook não prejudicou debate durante eleição’. Para o executivo-chefe da rede social, o argumento reflete uma falta de empatia pelos eleitores que favoreceram o republicano Trump. 2016. Disponível em: http://veja.abril.com.br/mundo/zuckerbergfacebook-nao-prejudicou-debate-durante-eleicao/. Acesso em: 12 abr. 2017.

ZYLBERKAN, Mariana. Chega ao fim ‘Avenida Brasil’ – o perfeito fenômeno pop. Veja, 19 out. 2002. Disponível em: http://veja.abril.com.br/entretenimento/chega-ao-fim-avenida-brasilo-perfeito-fenomeno-pop/. Acesso em: 22 nov. 2016.

Downloads

Publicado

28-07-2017

Como Citar

SILVA, C. L. S. da. O suicídio da presidente: a arte da mentira e a criação do consenso na grande imprensa brasileira. Antíteses, [S. l.], v. 10, n. 19, p. 332–350, 2017. DOI: 10.5433/1984-3356.2017v10n19p332. Disponível em: https://ojs.uel.br/revistas/uel/index.php/antiteses/article/view/27857. Acesso em: 19 maio. 2024.