O pitoresco mare tenebrarum de O cirurgião do mar, de Gabriele d’Annunzio

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5433/1678-2054.2021v41p22

Palavras-chave:

Gabriele D’Annunzio, Hipotipose, Écfrase, Horror.

Resumo

Apesar das contribuições de Gabriele D’Annunzio (1863-1938) para o movimento decadentista, o autor atuou, durante toda a década de 1980, como um grande contista com fortes inspirações seja no verismo italiano, seja no naturalismo francês. Tais inspirações, principalmente aquelas ligadas à produção de Guy de Maupassant (1850-1893) fizeram com que D’Annunzio desenvolvesse o que chamaremos de pré-decadentismo: narrativas acerca de uma parcela da população vilipendiada e esquecida pela sociedade. Buscando dar veracidade às suas histórias, o escritor adota, além da técnica zoliana de observação direta, uma estética muito particular que esbarra na definição de horror, posto que temas como o grotesco, o mortuário e o doentio são abordados frequentemente para ilustrar o sofrimento de seus personagens. O resultado disso é que, mesmo antes de adotar uma estética decadentista baseada em écfrases – descrições de obras de arte – e hipotiposes – descrições picturais sem alusão a um quadro específico –, o autor utilizou tais recursos para enriquecer seus contos naturalistas; um horror de cores e texturas tão intensas que evolui para o pitoresco. O presente artigo objetiva analisar a estética do horror (Lovecraft 1987; Todorov 1975) sob um viés pictural (Louvel 2012) na obra O cirurgião do mar (1886).

Biografia do Autor

Fabiano Dalla Bona, Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ;Universidade de São Paulo - USP

Doutor em Letras Neolatinas (Literatura Italiana) pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Professor de Língua e Literatura Italiana no Departamento de Letras Neolatinas da Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ

Julia Ferreira Lobão Diniz, Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ

Mestre em Letras Neolatinas pelo PPG em Letras Neolatinas da mestrado em Letras (Literatura Italiana) pela Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ

Referências

BACHELARD, G. L’eau et les rêves. Paris: Le Livre de Poche, 2015.

BURKE, Edmund. Uma investigação filosófica sobre a origem de nossas ideias do sublime. Trad. Enid Abreu Dobranzky. Campinas: UNICAMP, 2013.

CIRCEO, Ermanno. Caratteri e limiti del verismo dannunziano. Atti del I Convegno internazionale di studi dannunziani – D’Annunzio giovane e il verismo. Pescara, 1976. 177-182.

D’ANNUNZIO. Novelas da Pescara. Trad. Eugênio Vinci de Moraes. São Paulo: Berlendis & Vertecchia, 2007.

D’ANNUNZIO. Tutte le novelle. Milano: Arnoldo Mondadori, 2006.

ECO, Umberto. Storia della bruttezza. Roma: Bompiani, 2007.

FONTANIER, Pierre. Les Figures du discours. Paris: Flammarion, 1968.

GIBELLINI, Pietro. Per un diagramma del verismo dannunziano. Atti del I Convegno internazionale di studi dannunziani – D’Annunzio giovane e il verismo. Pescara, 1976. 25-41.

KANT, Immanuel. Crítica da faculdade de julgar. Trad. Fernando Costa Mattos. Rio de Janeiro: Vozes, 2016.

LOUVEL, Liliane. Nuanças do pictural. Thaïs Flores Nogueira Duniz, org. Intermidialidade e Estudos interartes: desafios da arte contemporânea. Trad. Márcia Arbex. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2012. 47-69.

LOVECRAFT, Howard Phillips. O horror sobrenatural na literature. Rio de Janeiro: Exilado dos livros, 1987.

MAUPASSANT, Guy de. 125 contos de Guy de Maupassant. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

TODOROV, Tzvetan. Introdução à literatura fantástica. Trad. Silvia Delpy. São Paulo: Perspectiva, 1975.

YACOBI, Tamar. Pictorial Models and Narrative Ekphrasis. Poetics Today, Durham, v. 16, n. 4, p. 599-649, 1995.

Downloads

Publicado

24-02-2022

Como Citar

DALLA BONA, Fabiano; DINIZ, Julia Ferreira Lobão. O pitoresco mare tenebrarum de O cirurgião do mar, de Gabriele d’Annunzio. Terra Roxa e Outras Terras: Revista de Estudos Literários, [S. l.], v. 41, p. 22–31, 2022. DOI: 10.5433/1678-2054.2021v41p22. Disponível em: https://ojs.uel.br/revistas/uel/index.php/terraroxa/article/view/43637. Acesso em: 20 jun. 2024.