Subjetividade e formação do leitor: o problema da ausência da leitura literária em livros didáticos do ciclo 1 do ensino fundamental

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5433/1678-2054.2016v31p18

Palavras-chave:

Leitura, Subjetividade, Literatura, Livro didático

Resumo

A formação do leitor exige processos de subjetivação. A leitura significativa apenas se efetiva quando é permitido ao leitor atuar por meio da subjetividade. A presença dos textos literários desde o Ciclo I do Ensino Fundamental é essencial, na medida em que se trata de campo privilegiado para o deslocamento subjetivo pela apropriação dos letramentos de prestígio. Entretanto, boa parte da ação escolar desse segmento parece desconsiderar a vinculação entre subjetividade e leitura e, consequentemente, a relevância da leitura literária na escola. Tal concepção conduz à aplicação de atividades de compreensão de textos que não comprometem a criança com a leitura em seu potencial formativo. Submetem os sujeitos à condição de leitores “funcionais”, imobilizando-os em posições discursivas construídas historicamente. Essas constatações resultam de pesquisa focada nas propostas de leitura veiculadas pelos livros didáticos de língua portuguesa do ciclo 1 do Ensino Fundamental. Este artigo alerta para a necessidade de rever os fundamentos das abordagens concernentes à formação do leitor, sobretudo no momento inaugural de sua jornada.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Sheila Oliveira Lima, Universidade Estadual de Londrina

Mestre em Teoria Literária e Literatura Comparada e doutora em Linguagem e Educação pela Universidade de São Paulo. Professora no Departamento de Letras Vernáculas e Clássicas da Universidade Estadual de Londrina.

Referências

BRASIL. Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica. Guia de livros didáticos: PNLD 2013: letramento e alfabetização e língua portuguesa. Brasília: 2012.


CANDIDO, Antonio. Vários escritos. São Paulo: Duas Cidades, 1995.

COLOMER, Teresa. Andar entre livros: a leitura literária na escola. Tradução de Laura Sandroni. São Paulo: Global, 2007.

ELIAS, José. Um jeito bom de brincar. São Paulo: FTD, 2002.

FINK, Bruce. O sujeito lacaniano: entre a linguagem e o gozo. Tradução de Maria de Lourdes Sette Câmara. Rio de Janeiro: Zahar, 1998.

FREUD, Sigmund. Além do princípio do prazer. Tradução de Christiano Monteiro Oiticica. Rio de Janeiro: Imago, 2003.

GERALDI, João Wanderley. A aula como acontecimento. A aula como acontecimento. São Carlos: Pedro e João Editores, 2015, p. 81-101.

INDURSKY, Freda. Estudos da linguagem: a leitura sob diferentes olhares teóricos. In: L. V. Founi, (org). Letramento, escrita e leitura. Campinas: Mercado de Letras, 2010, p. 163-178.

JOUVE, Vincent. A leitura. Tradução de Brigitte Hervot. São Paulo: Unesp, 2002.

KATO, Mary. O aprendizado da leitura. São Paulo: Martins Fontes, 1995.

KLEIMAN, Angela. Oficina de leitura: teoria e prática. Campinas: Pontes, 2008.

SMITH, Frank. Leitura significativa. Tradução de Beatriz Affonso Neves. Porto Alegre: Artes Médicas, 1999.

SOLÉ, Isabel. Estratégias de leitura. Porto Alegre: Artmed, 1998.

Downloads

Publicado

28-12-2016

Como Citar

LIMA, S. O. Subjetividade e formação do leitor: o problema da ausência da leitura literária em livros didáticos do ciclo 1 do ensino fundamental. Terra Roxa e Outras Terras: Revista de Estudos Literários, [S. l.], v. 31, p. 18–30, 2016. DOI: 10.5433/1678-2054.2016v31p18. Disponível em: https://ojs.uel.br/revistas/uel/index.php/terraroxa/article/view/27154. Acesso em: 28 maio. 2024.