Vozes femininas e étnicas: a narrativa enquanto expressão da vida

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5433/1678-2054.2009v17p29

Palavras-chave:

Benzimento, Memória, Religiosidade, Voz feminina

Resumo

A memória de duas mulheres afro-descendentes, uma pertencente ao século XIX, conto A Escrava, de Maria Firmina dos Reis, e outra ao século XXI, depoente que integra nossa pesquisa de Mestrado, é ponto angular deste trabalho. Aproximar essas vozes, permeadas pelos saberes da cultura africana, que mesmo separadas no tempo e no espaço, revelam o que é ser mulher negra numa sociedade excludente, constituiu nosso objeto de estudo.

Biografia do Autor

Maria Aparecida de Barros, Universidade Estadual de Londrina

Mestranda em Letras pela Universidade Estadual de Londrina.

Referências

BENJAMIN, Walter. 1994. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. 7ª ed. São Paulo: Brasiliense.

BOSI, Ecléa. 2004. Memória e Sociedade: Lembranças de velhos. 12ª ed. São Paulo: Companhia das Letras.

DUARTE, Eduardo de Assis. 2007. “Literatura Afro-brasileira: um conceito em construção.” N. Barbosa Afolabi & E. RIBEIRO, orgs. A Mente afro-brasileira. Treton-EUA/Asmara-Eritréia: África Word Press. Disponível em http://www.letras.ufmg.br/literafro/frame.htm, acesso em 15/6/2009.

DUARTE, Eduardo de Assis. Maria Firmina dos Reis e os primórdios da ficção Afro-brasileira. Disponível no sitio: http://www.letras.ufmg.br/literafro/frame.htm, acesso em 18/6/2009.

FERNANDES, Frederico Augusto Garcia. 2002. Entre histórias e tererés: o ouvir da literatura pantaneira. São Paulo: UNESP.

GOMES, Heloísa Toller. “Visíveis e Invisíveis Grades”: Vozes de Mulheres na Escrita Afro-descendente Contemporânea. Disponível em http://www.letras.ufmg.br/literafro/artigoheloisa.pdf, acesso em 16/8/2009.

HALBWACHS, Maurice. 1990. A memória coletiva. 2ª ed. Trad. Laurent Leon Schaffter. São Paulo: Vértice.

IANNI, Octavio. 1988. “Literatura e consciência.” Revista do Instituto de Estudos Brasileiros da USP. Edição Comemorativa do Centenário da Abolição da Escravatura, n. 28. São Paulo: USP.

LOBO, Luiza. 2007. Crítica sem juízo. Rio de Janeiro: Garamand.

LOBO, Luiza. 1993. “Auto-retrato de uma pioneira abolicionista.” Crítica sem juízo. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1993.

NASCIMENTO, Gizêlda Melo do. 2006. Feitio de viver: memórias de descendentes de escravos. Londrina: Eduel.

ONG, Walter. 1998. Oralidade e cultura escrita: a tecnologização da palavra. Campinas, SP: Papirus.

REIS, Maria Firmina dos. Dados biográficos. Disponível em http://www.letras.ufmg.br/literafro/frame.htm, acesso em 18/6/2009.

REIS, Maria Firmina dos. 2004. Úrsula; A escrava. Florianópolis: Editora Mulheres; Belo Horizonte: PUC Minas.

SOUZA, Florentina. 2007. “Memória e performance nas culturas afro-brasileiras.” Representação performáticas brasileiras: teorias, práticas e suas interfaces. ALEXANDRE, Marcos Antônio (org). Belo Horizonte: Mazza Edições.

Downloads

Publicado

30-12-2009

Como Citar

BARROS, Maria Aparecida de. Vozes femininas e étnicas: a narrativa enquanto expressão da vida. Terra Roxa e Outras Terras: Revista de Estudos Literários, [S. l.], v. 17, n. 2, p. 29–39, 2009. DOI: 10.5433/1678-2054.2009v17p29. Disponível em: https://ojs.uel.br/revistas/uel/index.php/terraroxa/article/view/25002. Acesso em: 15 jul. 2024.