Racismo: do passado ao presente é rubro o terror

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5433/1679-4842.2023v26n1p285

Palavras-chave:

Capitalismo Dependente, Estado brasileiro, Questão Social, Racismo, Rap.

Resumo

Este estudo pretende demonstrar de que modo o contraste social tem relação com o racismo na questão social brasileira, tendo como característica a singularidade de um Estado dependente e do seu contexto histórico-social e cujo objetivo é analisar o exercício da opressão e exploração do povo “não branco” desde o período colonial até a república com transições de regimes feitas pela classe dominante. Mediante uma extensa busca teórica são encontrados evidencias que expressam os efeitos do preconceito racial na composição da sociedade brasileira. A fim de explicitar que o racismo é instrumento de dominação e submissão dos pretos, o Materialismo Histórico Dialético é usado para analisar a conjuntura da desigualdade social no Brasil, uma vez que os antigos senhores de escravos gradualmente se tornaram uma burguesia dependente na república. Dessa forma, para questionar a discriminação por raça, a questão social e a discrepância social, a música rap é utilizada como instrumento para evidenciar as contradições do capitalismo dependente, o descaso com a população preta, sendo expressão artística dos pretos periféricos e como ferramenta que possibilita a discussão da realidade objetiva.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Tamires Maia Araújo, Universidade Federal de Mato Grosso

Mestranda do PPG em Política Social (ICHS/UFMT)

Lélica Elis Pereira de Lacerda, Universidade Federal de Mato Grosso

Doutora em Serviço Social/UFSC e Profª do Departamento de Pós-Graduação em Política Social e Graduação em Serviço Social/UFMT.

Referências

BENITES, Afonso. Negro, morador de rua é o primeiro condenado por protestos de junho. El País, 2013. Disponível em: https://brasil.elpais.com/brasil/2013/12/05 /politica/1386204702_07908 2.html. Acesso em: 03 ago. 2021.

BILL JR., MV. Contraste social. Traficando Informação. Rio de Janeiro: Natasha, 1999. 05:38min. Disponível em: https://g.co/kgs/dN2F7g. Acesso em: 11 ago. 2021.

BRASIL. Lei nº 601 de 18 de setembro de 1850. Dispõe sobre as terras devolutas no Império. Sellada na Chancellaria do Imperio em 20 de Setembro de 1850. Publicada na Secretaria de Estado dos Negócios do Império em 20 de setembro de 1850. Registrada a fl. 57 do livro 1º do Actos Legislativos. Secretaria d'Estado dos Negócios do Império em 2 de outubro de 1850. Disponível em: http://www.planalto.gov.brccivil03/ leis/l0601-1850.htm. Acesso em: 24 ago. 2021.

BRASIL, Z’ África. A cor que falta na Bandeira Brasileira. Antigamente Quilombos Hoje Periferia. Rio de Janeiro: Elemental, 2002. 02:59min. Disponível em: https://www.letras.mus. br/zafrica-brasil-musicas/186762/. Acesso em: 9 ago. 2021.

COUTO, Camille; PUENTO, Beatriz. Modelo grávida morre após ser baleada em confronto no Rio: Jovem de 24 anos já chegou ao hospital sem vida. CNN Brasil, 2021. Disponível em: https://www.cnnbrasil.com.br/nacional/modelo-gravida-morre-apos-ser-baleada-em-confronto-no-rio/. Acesso em: 27 ago. 2021.

CRIOLO. Boca de Lobo. Boca de Lobo. São Paulo: Oloko Records, 2018. 03:47min. Disponível em: https://www.letras.mus.br/criolo/boca-de-lobo/. Acesso em: 03 jul. 2021.

FERNANDES, Florestan. A Revolução Burguesa no Brasil: ensaio de interpretação sociológica. 1a. ed. Curitiba: Kotter Editorial; São Paulo: Editora Contracorrente, 2020.

FONSECA, Óscar López; GORTÁZAR, Naiara Galarraga. A cocaína que viajava no avião da comitiva de Bolsonaro: El País obtém imagem exclusiva da bagagem que continha 39 quilos de droga que foi levada a Sevilha por um sargento. Presidente anuncia envio de equipe à Espanha. El País, 2019. Disponível em: https://brasil.elpais.com/brasil/2019/07/02/politica/15 62091519_351309.html. Acesso em: 04 set. 2021.

GOMES, Vinicius. Aeroporto de Cláudio e o tráfico de drogas. FORUM, 2014. Disponível em: https://revistaforum.com.br/noticias/aeroporto-de-claudio-e-o-trafico-de-drogas/#. Acesso em: 27 ago. 2021.

GORENDER, Jacob. O Brasil pós-Abolição e os negros. In: A escravidão reabilitada. 1ª. ed. São Paulo: Editora Ática, 1990. p. 189-204.

HEMP, Planet. É Isso Que Eu Tenho no Sangue.... A Invasão do Sagaz Homem fumaça. Botafogo: Sony Music Entretenimento, 2000. 03min50. Disponível em: https://www.letras.mus.br/plane t-hemp/804863/. Acesso em: 07 ago. 2021.

HOORNAERT, Eduardo. A Igreja Católica no Brasil Colonial. In: BETHELL, Leslie (Org.). História Da América Latina: América Latina Colonial, Vol. 1. 2a. ed. 4a. reimpr. – São Paulo: Edusp; Brasília: FUNAG, 2018. Cap. 13, p. 553-568.

IANNI, Octavio. A questão social. In: Revista USP. Setembro/Outubro/Novembro. São Paulo: USP, 1989. DOI: https://doi.org/10.11606/issn.2316-9036.v0i3p145-154

IANNI, Octavio. O ciclo da revolução burguesa. 1ª. ed. Petrópolis: Vozes, 1985.

LÊNIN, Vladimir Ilitch. O Estado e a Revolução. [S.l.: s.n.], [191-?]. Tradução de J. Ferreira.

LACERDA, Lélica Elis Pereira; BARROS, Viviani Sousa. O Agro é morte: Acumulação primitiva e expansão do capitalismo em Mato Grosso. [Recurso eletrônico] In: FREITAS, Leana Oliveira et al. (Orgs.). Miradas acerca da América Latina: capitalismo dependente, crise estrutura e lutas sociais. Rio de Janeiro: Telha, 2020. p. 262-281.

LUKÁCS, Georg. A arte como autoconsciência do desenvolvimento da humanidade. In: Introdução a uma estética marxista: Sobre a Particularidade como Categoria da Estética. 1a. ed. São Paulo: Instituto Lukács, 2018. p. 257-270.

MACHADO, Jean Carlos et al. A incidência de tuberculose nos presídios brasileiros: revisão sistemática. Rev. Aten. Saúde. São Caetano do Sul, v. 14, n. 47, p. 84-88, jan./mar., 2016. Disponível em: https://www.seer.uscs.edu.br/index. php/revistaciencias_saude/article/view/3256/pdf. Acesso em: 04 ago. 2021. DOI: https://doi.org/10.13037/ras.vol14n47.3256

MARX, Karl. O 18 de Brumário de Luís Bonaparte. 1a. ed. São Paulo: Boitempo, 2011. [Tradução notas Nélio Schneider; prólogo Herbert Marcuse]. Versão digital.

MARX, Karl. A Assim Chamada Acumulação Primitiva. In: O capital: crítica da Economia Política. Livro 1. São Paulo: Boitempo, 2013, p. 959-1014.

MATTOS, Marcelo Badaró. A classe trabalhadora: de Marx ao nosso tempo. São Paulo: Boitempo, 2019, p. 43-92.

MOURA, Clóvis. A sociologia do negro brasileiro. São Paulo: Editora Ática, 1988.

NASCIMENTO, Abdias. O genocídio do negro brasileiro: processo de um racismo mascarado. 3ª. ed. São Paulo: Perspectiva, 2016.

PRADO JR., Caio. Formação do Brasil Contemporâneo. 1a. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: LANDER, Edgardo (Org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. CLACSO, Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales: Buenos Aires, 2005. Disponível em: https://ufrb.edu.br/educacaodocampocfp/images/Edgardo-Lander-org-AColonialidade-do-Saber-eurocentrismo-e-ciC3AAncias-sociaisperspectivas-latinoamericana s-LIVRO.pdf. Acesso em: 7 nov. 2021. p. 107-130. 2021. passim.

RAFAEL, Josiley Carrijo. Trabalho, Questão Social e Opressões: contribuições ao debate sobre violência de classe, raça e gênero no Brasil. In: Revista Gênero. V.20, n.2. p. 110-131. 1. sem. 2020. Niterói: UFF, 2020. Disponível em: https://periodicos.uff.br/ revistagenero/article/view/44571/25625. Acesso em: 26 jun. 2023. DOI: https://doi.org/10.22409/rg.v20i2.44571

SANTOS, Raquel Amorim dos; SILVA, Rosângela Maria de Nazaré Barbosa e. Racismo científico no Brasil: um retrato racial do Brasil pós-escravatura. Educar em Revista, Curitiba, Brasil, v. 34, n. 68, p. 253-268, mar./abr. 2018. Disponível em: https://www.scielo.br/j/er/a/cmGLrrNJzVfsKXbPxdnLRxn/abstract/?lang=pt#. Acesso em 17 jun. 2022. DOI: https://doi.org/10.1590/0104-4060.53577

YUMI, Caroline. Quem foi Marielle Franco? Conheça a sua história. Politize, 2020. Disponível em: https://www.politize.com.br/quem-foi-marielle-franco/. Acesso em: 27 ago. 2021.

Downloads

Publicado

31-07-2023

Como Citar

ARAÚJO, T. M.; LACERDA, L. E. P. de. Racismo: do passado ao presente é rubro o terror . Serviço Social em Revista, [S. l.], v. 26, n. 1, p. 285–304, 2023. DOI: 10.5433/1679-4842.2023v26n1p285. Disponível em: https://ojs.uel.br/revistas/uel/index.php/ssrevista/article/view/46462. Acesso em: 25 maio. 2024.