Serviço Social e saúde mental: educação permanente como estratégia de fortalecimento das/os trabalhadoras/es

Autores

  • Andressa de Souza Litter Universidade Luterana do Brasil - ULBRA https://orcid.org/0000-0002-5821-5480
  • Ângela Maria Pereira da Silva Universidade Luterana do Brasil - ULBRA

DOI:

https://doi.org/10.5433/1679-4842.2022v25n2p300

Palavras-chave:

Serviço Social, Política de Saúde Mental, Trabalho, Precarização, Educação Permanente em Saúde

Resumo

Apresentar-se-á uma reflexão a partir da experiência teórico-prática advinda dos Estágios Curriculares em Serviço Social, realizados no âmbito da política de saúde no período de 2019 a 2020. Salienta-se o projeto de intervenção voltado à execução da Educação Permanente em Saúde à equipe de trabalhadores da Rede de Atenção Psicossocial de Canoas, no Rio Grande do Sul. Entende-se a Educação Permanente em Saúde como uma estratégia metodológica para se refletir e avaliar a implantação e implementação da Política de Saúde Mental nos dias atuais, pois representa um importante meio de resistência perante os retrocessos enfrentados nos últimos anos. Os principais resultados evidenciados foram a reafirmação da dimensão política dos trabalhadores da saúde mental, a criticidade deles sobre a desassistência, subfinanciamento e invisibilidade da saúde mental que impacta uma parcela crescente da população usuária do SUS, em especial, durante a pandemia (2019-2020) da covid-19.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Andressa de Souza Litter, Universidade Luterana do Brasil - ULBRA

Bacharela em Serviço Social pela Universidade Luterana do Brasil - ULBRA

Ângela Maria Pereira da Silva, Universidade Luterana do Brasil - ULBRA

Doutora em Educação pela Ulbra Canoas. Docente do curso de Serviço Social da Universidade Luterana do Brasil.

Referências

ABREU, Marina Maciel. Serviço Social e a organização da cultura: perfis pedagógicos da prática profissional. São Paulo: Cortez Editora, 2016.

AGUIAR, Lauren Janine. Por uma sociedade sem manicômios: (im) possibilidades da Reforma Psiquiátrica no capitalismo brasileiro. 2020. Dissertação (Mestrado em Serviço Social) – Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2020. Disponível em: http://tede2.pucrs.br/tede2/bitstream/tede/9099/2/Disserta%c3%a7% c3%a3o%20-%20Laurem%20Janine%20Pereira%20de%20Aguiar.pdf. Acesso em: 24 mar. 2021.

ANTUNES, Ricardo; DRUCK, Graça. A terceirização sem limites: a precarização do trabalho como regra. O Social em Questão, Rio de Janeiro Rio, n. 34, p. 19-40, jul./dic. 2015. Disponível em: https://www.redalyc.org/pdf/5522/552256666002.pdf. Acesso em: 15 abr. 2021.

BISNETO, José Augusto. Serviço social e saúde mental: uma análise institucional da prática. 3. ed. São Paulo: Cortez Editora, 2007.

BRASIL. Emenda Constitucional nº 95. Altera o ato das Disposições Constitucionais Transitórias, para instituir o Novo Regime Fiscal, e dá outras providências. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, ed. 241, p. 2, 16 dez. 2016. Disponível em: http://www.in.gov.br/materia/-/asset_publisher/Kujrw0TZC2Mb/content/id/21295527/do1-2016-12-16-emenda-constitucional-n-95-21295459. Acesso em: 20 mar. 2021.

BRASIL. Lei nº 10.216, de 6 de abril de 2001. Dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial em saúde mental. Brasília, DF: Presidência da República, 2001. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/LEIS_2001/L10216.htm. Acesso em: 20 mar. 2021.

BRASIL. Lei nº 8080, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Brasília, DF: Presidência da República, 1990. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8080.htm. Acesso em: 23 mar. 2021.

BRASIL. Ministério da Saúde. Nota Técnica n. 11 de 2019. Assunto: Esclarecimentos sobre as mudanças na Política Nacional de Saúde Mental e nas Diretrizes da Política Nacional sobre Drogas. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2019. Disponível em: http://www.mds.gov.br/webarquivos/arquivo/cuidados_prevencao_drogas/obid/legislacao/nota_saudemental.pdf. Acesso em: 14 abr. 2021.

BRASIL. Ministério da Saúde. Nota Técnica nº 3/2020-DESF/SAPS/MS. Assunto: Núcleo Ampliado de Saúde da Família e Atenção Básica (NASF-AB) e Programa Previne Brasil. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2020. Disponível em: https://www.conasems.org.br/wp-content/uploads/2020/01/NT-NASF-AB-e-Previne-Brasil.pdf. Acesso em: 17 abr. 2021.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria n. 3588, de 21 de dezembro de 2017. Altera as Portarias de Consolidação n. 3 e n. 6, de 28 de setembro de 2017, para dispor sobre a Rede de Atenção Psicossocial, e dá outras providências. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2017. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2017/prt3588_22_12_2017.html. Acesso em: 18 maio 2021.

BRASIL. Ministério da Saúde. Reforma psiquiátrica e política de saúde mental no Brasil. In: CONFERÊNCIA REGIONAL DE REFORMA DOS SERVIÇOS DE SAÚDE MENTAL: 15 anos depois de Caracas. Brasília, DF, 2005. Documento apresentado [...]. Brasília: OPAS, 2005. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/Relatorio15_anos_Caracas.pdf. Acesso em: 13 abr. 2021.

BRASIL. Portaria n. 198, de 13 de fevereiro de 2004. Institui a Política Nacional de Educação Permanente em Saúde como estratégia do Sistema Único de Saúde para a formação e o desenvolvimento de trabalhadores para o setor e dá outras providências. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2004. Disponível em https://www.normasbrasil.com.br/norma/portaria-198-2004_188196.html. Acesso em: 21 mar. 2021.

BRAVO, Maria Inês Souza; MATOS, Maurílio Castro de. Projeto ético-político do serviço social e sua relação com a reforma sanitária: elementos para o debate. In: MOTA, Ana Elizabete; BRAVO, Maria Inês Souza; UCHÔA, Roberta; NOGUEIRA, Vera Maria Ribeiro; MARSIGLIA, Regina; GOMES, Luciano; TEIXEIRA, Marlene (org.). Serviço social e saúde: formação e trabalho profissional. São Paulo: Cortez Editora, 2012. p. 197-217.

BRAVO, Maria Inês Souza; PELAEZ, Elaine Junger; LIMA, Marcela Natacha dos Santos Caxias de; SOUZA, Rodriane de Oliveira. Avanço das contrarreformas na saúde na atualidade: o SUS totalmente submetido ao mercado. In: SALVADOR, Evilásio; BEHRING, Elaine; LIMA, Rita de Lourdes de. Crise do capital e fundo público: implicações para o trabalho, os direitos e a política social. São Paulo: Cortez Editora, 2019. p. 141-164.

CECCIM, Ricardo Burg. Educação permanente em saúde: desafio ambicioso e necessário. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, Botucatu, v. 9, n. 16, p. 161-77, set. 2004/fev. 2005. Disponível em: https://www.scielosp.org/pdf/icse/2005.v9n16/161-168/pt. Acesso em: 22 maio 2021. DOI: https://doi.org/10.1590/S1414-32832005000100013

CONSELHO FEDERAL DO SERVIÇO SOCIAL - CFESS. Parâmetros para a atuação de assistentes sociais na saúde. Brasília: CFESS, 2010. Disponível em: http://www.cfess.org.br/arquivos/Parametros_para_a_Atuacao_de_Assistentes_Sociais_na_Saude.pdf. Acesso em: 30 abr. 2021.

CNS - CONSELHO NACIONAL DE SAÚDE (Brasil). Resolução n. 510, de 07 de abril de 2016. Dispõe sobre as normas aplicáveis a pesquisas em Ciências Humanas e Sociais cujos procedimentos metodológicos envolvam a utilização de dados diretamente obtidos com os participantes ou de informações identificáveis ou que possam acarretar riscos maiores do que os existentes na vida cotidiana, na forma definida nesta Resolução. Brasília, DF: CNS, 2016. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cns/2016/res0510_07_04_2016.html. Acesso em: 15 jun. 2021.

DELGADO, Pedro Gabriel. Reforma psiquiátrica: estratégias para resistir ao desmonte. In: Trabalho Educação e Saúde, Rio de Janeiro, v. 17, n. 2, 2019. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/tes/v17n2/1678-1007-tes-17-02-e0020241.pdf. Acesso em: 17 maio 2021. DOI: https://doi.org/10.1590/1981-7746-sol00212

DIAS, Míriam Thais Guterres. História e reflexão sobre as políticas de saúde mental no Brasil e no Rio Grande do Sul. Estudos e Pesquisas em Psicologia, Rio de Janeiro, v. 12, n. 3, p. 1024-1045, Sept./ Dic. 2012. Disponível em: http://www.revispsi.uerj.br/v12n3/artigos/html/v12n3a19.html. Acesso em: 27 maio 2021. DOI: https://doi.org/10.12957/epp.2012.8235

FRANCO, David Silva; FERRAZ, Deise Luiza da Silva. Uberização do trabalho e acumulação capitalista. Cadernos EBAPE.BR, Rio de Janeiro, v. 17, nov. 2019. Edição especial. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/cebape/v17nspe/1679-3951-cebape-17-spe-844.pdf. Acesso em: 30 jun. 2021. DOI: https://doi.org/10.1590/1679-395176936

GRAMSCI, Antônio. Cadernos do cárcere. Tradução de Carlos Nelson Coutinho. 4. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2014. v. 4.

HIRDES, Alice; SCARPARO, Helena Beatriz Kochenborger. O labirinto e o minotauro: saúde mental na atenção primária à saúde. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 20, n. 2, p. 383-393, 2015. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/csc/v20n2/1413-8123-csc-20-02-0383.pdf. Acesso em: 21 mar. 2021. DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232015202.12642013

IAMAMOTO, Marilda Villela. O serviço social na contemporaneidade: trabalho e formação profissional. 20. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

IAMAMOTO, Marilda Villela. Serviço social em tempo de capital fetiche: capital financeiro: trabalho e questão social. 9. ed. São Paulo: Cortez, 2015.

LOPES, Maria Suzete Muller. Fundamentação crítica do processo de trabalho. In: SCHEUNEMANN, Arno Vorpagel; LOPES, Maria Suzete Müller; COSTA, Ruthe Corrêa da; SANGHI Simone da Fonseca. Processo de Trabalho no Serviço Social. Canoas: Ed. Ulbra, 2010.

MARX, Karl. O capital: crítica da economia política. São Paulo: Abril Cultural, 1983. Livro I, t. 1, v. 1.

MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. Manifesto do partido comunista. São Paulo: Cortez Editora, 1998. DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-40141998000300002

MOREIRA, Carlos Felipe Nunes. O Trabalho com grupos em serviço social: a dinâmica de grupo como estratégia para reflexão crítica. 5. ed. São Paulo: Cortez Editora, 2019.

NETTO, José Paulo. 1947. Introdução ao estudo do método de Marx. São Paulo: Expressão Popular, 2011a.

NETTO, José Paulo. Cinco notas a propósito da questão social. In: NETTO, José Paulo. Capitalismo monopolista e serviço social. 8. ed. São Paulo: Cortez Editora, 2011b. p. 19-34.

NETTO, José Paulo; BRAZ, Marcelo. Economia política: uma introdução crítica. São Paulo: Cortez Editora, 2006. (Biblioteca Básica do Serviço Social, n. 1).

OLIVEIRA, Tiago Bernardon. O Golpe de 2016: breve ensaio de história imediata sobre democracia e autoritarismo. Historiæ, Rio Grande, v. 7, n. 2, p. 191-231, 2016.

ORLANDO, Cláudia Renata de Paula; ABREU, Daisy Maria Xavier de; SILVA, Kênia Lara; CAMPOS, Katia Ferreira Costa. Apoio institucional: potencialidades e desafios. Revista Eletrônica Gestão & Saúde, Brasília, DF, v. 6, n. 1, p. 633-49, 2015. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/rgs/article/download/2586/2308/. Acesso em: 23 mar. 2021.

PRATES, Jane Cruz. A questão dos instrumentais técnico-operativos numa perspectiva dialética crítica de Inspiração Marxiana. Revista Virtual Textos & Contextos, Porto Alegre, v. 2, n. 1, p. 1-8, dez. 2006. Disponível em: https://revistaseletronicas.pucrs.br/index.php/fass/article/view/948. Acesso em: 3 jul. 2021.

SAMPAIO, Juliana; SANTOS, Gilney Costa; AGOSTINI, Márcia; SALVADOR, Anarita de Souza. Limites e potencialidades das rodas de conversa no cuidado em saúde: uma experiência com jovens no sertão pernambucano. Revista Interface Comunicação Saúde e Educação. 18 Supl 2: p. 1299-1312, 2014. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/icse/v18s2/1807-5762-icse-18-s2-1299.pdf. Acesso em: 30 jun. 2021. DOI: https://doi.org/10.1590/1807-57622013.0264

SILVA, Ângela Maria Pereira. Instrumentalidade e instrumentos técnicos do serviço social. Curitiba, PR: Editora Intersaberes, 2017.

TONET, Ivo. Interdisciplinaridade, formação humana e emancipação humana. Serviço Social e Sociedade, São Paulo, n. 116, p. 725-742, out./dez. 2013. Disponível em: https://www.scielo.br/j/sssoc/a/GXvFhStx9X44bbqzhJWQNfs/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 18 jun. 2021. DOI: https://doi.org/10.1590/S0101-66282013000400008

VASCONCELOS, Ana Maria. A/o assistente social na luta de classes: projeto profissional e mediações teórico-práticas. São Paulo: Cortez Editora, 2015.

YAZBEK, Maria Carmelita; RAICHELIS, Raquel; SANT’ANA, Raquel. Questão social, trabalho e crise em tempos de pandemia. Serviço Social e Sociedade, São Paulo, n. 138, p. 207-213, maio/ago. 2020. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/sssoc/n138/0101-6628-sssoc-138-0207.pdf. Acesso em: 24 jun. 2021. DOI: https://doi.org/10.1590/0101-6628.209

Downloads

Publicado

31-12-2022

Como Citar

LITTER, A. de S.; SILVA, Ângela M. P. da. Serviço Social e saúde mental: educação permanente como estratégia de fortalecimento das/os trabalhadoras/es. Serviço Social em Revista, [S. l.], v. 25, n. 2, p. 300–320, 2022. DOI: 10.5433/1679-4842.2022v25n2p300. Disponível em: https://ojs.uel.br/revistas/uel/index.php/ssrevista/article/view/44488. Acesso em: 23 abr. 2024.

Edição

Seção

Artigos