Produção Escrita: olhares sobre práticas de mediação dialógica para reelaboração textual

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5433/2237-4876.2020v23n3p79

Palavras-chave:

Produção textual, Mediação dialógica, Reelaboração Textual

Resumo

Neste artigo, tivemos por objetivo analisar intervenções de um professor em formação no PIBID/Letras/Português na prática de escrita de um aluno, que foram pautadas numa perspectiva textual discursiva e aplicadas através do processo de mediação dialógica, no desenvolvimento de um trabalho direcionado à participação nas Olimpíadas de Língua Portuguesa (2016). Para isso, fundamentamo-nos em estudos discursivos de base bakhtiniana, apresentando o conceito de interlocução interessada e partindo de pressupostos da pesquisa-ação de abordagem qualitativa. Concretizamos a construção dos dados com a coleta das produções textuais desse discente, em mais de uma fase de elaboração, e das intervenções do docente nas marginálias do texto. Os resultados indicam que a mediação dialógica, feita através de bilhetes nas marginálias e do trabalho com a contrapalavra, possibilitou um processo de escrita mais implicada. Tal processo proporcionou, ao sujeito autor, a reelaboração textual mais ativa, resultando em ações de reformulação de ideias, de inserção de posicionamentos e de organização textual e discursiva. A investigação mostrou principalmente que a mediação, feita pelo outro, conduziu o aluno autor à percepção da necessidade de reformular seu dito de modo que pudesse dar novos encadeamentos discursivos e sentidos ao texto produzido.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Rita de Cássia Souto Maior, Faculdade de Letras/Universidade Federal de Alagoas

Professora de Graduação e Pós-graduação na Faculdade de Letras (Fale) da Universidade Federal de Alagoas (UFAL). Doutora e mestre em Linguística pelo Programa de Pós-Graduação em Linguística e Literatura (PPGLL/Ufal), foi licenciada em Letras/Português na mesma Universidade. Pós-doutora no Programa de Pós-graduação em Linguística (PPGL/UFC) pela Universidade Federal do Ceará. Atualmente é diretora da Fale/Ufal, membro titular do Colegiado do PPGLL/Ufal, Coordenadora do GT Ensino e Aprendizagem na Perspectiva da Linguística Aplicada (EAPLA) da Associação Nacional de Pós-graduação em Letras e Linguística (ANPOLL) e secretária da Associação Brasileira de Linguística (ABRALIN). Foi coordenadora do Programa Institucional de bolsa de Iniciação à docência em Letras/Português (PIBID/Português/Letras) de 2015 a 2018 e Coordenadora do Idioma Sem Fronteiras de Língua Portuguesa como Língua Estrangeira ou Adicional de 2016 a 2018. De 2016 a 2018, compôs e coordenou as atividades do Núcleo Docente Estruturante (NDE) da FALE dos cursos de Espanhol, Francês, Inglês e Português e compôs o NDE do curso Ead Espanhol da Faculdade de Letras/Ufal. Foi coordenadora de Graduação Presencial da Faculdade de Letras/UFAL de 2014 a 2018, vice-coordenadora de Extensão de 2009 a 2010 e coordenadora de Extensão da Faculdade de Letras de 2010 à 2014. Integra a Comissão Editorial das Revistas Leitura (PPGLL) e Saberes Docentes em Ação (SEMED/AL) e é membro do Conselho Editorial da Revista Práticas de Linguagem (UFJF). Participante e vice-líder do Grupo de Estudos Discurso, ensino e aprendizagem de línguas e literatura (GEDEALL/UFAL) e participante do Grupo de Estudos e Pesquisas em Linguística Aplicada (GEPLA/UFC), desenvolve pesquisas sob a perspectiva da Linguística Aplicada, articulando reflexões sobre o ensino e aprendizagem de Línguas (materna, estrangeira e Libras) e os estudos discursivos, com os seguintes temas: Estudos da subjetividade (identidade, ethos, self etc.), Produção Textual/discursiva em LM, LE e Libras e Formação Docente.

Wilton Petrus dos Santos, PPGE/UFAL

Mestre em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE) da Universidade Federal de Alagoas (UFAL), com ênfase de pesquisa em educação, linguística aplicada e estudos da perspectiva dialógica do discurso. Especialista em metodologia do ensino de língua portuguesa, literatura e artes. Graduado em Letras / Português pela UFAL. Formado em magistério pela Escola Estadual Dr. Carlos Gomes de Barros em União dos Palmares. Foi representante discente no colegiado da Faculdade de Letras (FALE) da UFAL nos anos de 2017 a 2018. Foi bolsista do Programa de Bolsas de Iniciação à Docência (PIBID) na FALE / UFAL nos anos de 2015 a 2018. É membro do Grupo de Pesquisa em Didática da Leitura, da Literatura e da Escrita (GELLITE).

Wilton Petrus dos Santos, PPGE/UFAL

Mestre em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE) da Universidade Federal de Alagoas (UFAL), com ênfase de pesquisa em educação, linguística aplicada e estudos da perspectiva dialógica do discurso. Especialista em metodologia do ensino de língua portuguesa, literatura e artes. Graduado em Letras / Português pela UFAL. Formado em magistério pela Escola Estadual Dr. Carlos Gomes de Barros em União dos Palmares. Foi representante discente no colegiado da Faculdade de Letras (FALE) da UFAL nos anos de 2017 a 2018. Foi bolsista do Programa de Bolsas de Iniciação à Docência (PIBID) na FALE / UFAL nos anos de 2015 a 2018. É membro do Grupo de Pesquisa em Didática da Leitura, da Literatura e da Escrita (GELLITE).

Adriana Cavalcanti, PPGE/CEDU/UFAL

Pós-Doutora em Ciências da Educação pela Universidade do Porto - Portugal, sob supervisão da Professora Catedrática Carlinda Leite (UP); Doutora em Educação na linha Educação e Linguagem (UFAL); Mestra em Educação na linha Educação e Linguagem (UFAL); Especialista em Avaliação Educacional de Língua Portuguesa (UFPE), Especialista em Conteúdos Programáticos de Língua Portuguesa (UPE); Licenciada em Pedagogia (UPE) e Licenciada em Letras pela Autarquia de Ensino Superior de Arcoverde (AESA). Professora Adjunta do Centro de Educação da Universidade Federal de Alagoas, atuando nos cursos de graduação e de pós-graduação. Professora dos quadros permanentes dos Programas de Pós-Graduação em Educação (PPGE) e de Ensino de Ciências e Matemática (PPGECIM). Avaliadora ad doc de Cursos Superiores (BASIs/INEP/MEC). Líder do Grupo de Estudo e Pesquisa em Didáticas de Leitura, da Literatura e da Escrita (GELLITE). Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Educação e Linguagem, atuando principalmente nos seguintes temas: Alfabetização e Letramento; Leitura e escrita; Saberes e Metodologia da Língua Portuguesa; Formação de Professores Alfabetizadores.

Adriana Cavalcanti, PPGE/CEDU/UFAL

Pós-Doutora em Ciências da Educação pela Universidade do Porto - Portugal, sob supervisão da Professora Catedrática Carlinda Leite (UP); Doutora em Educação na linha Educação e Linguagem (UFAL); Mestra em Educação na linha Educação e Linguagem (UFAL); Especialista em Avaliação Educacional de Língua Portuguesa (UFPE), Especialista em Conteúdos Programáticos de Língua Portuguesa (UPE); Licenciada em Pedagogia (UPE) e Licenciada em Letras pela Autarquia de Ensino Superior de Arcoverde (AESA). Professora Adjunta do Centro de Educação da Universidade Federal de Alagoas, atuando nos cursos de graduação e de pós-graduação. Professora dos quadros permanentes dos Programas de Pós-Graduação em Educação (PPGE) e de Ensino de Ciências e Matemática (PPGECIM). Avaliadora ad doc de Cursos Superiores (BASIs/INEP/MEC). Líder do Grupo de Estudo e Pesquisa em Didáticas de Leitura, da Literatura e da Escrita (GELLITE). Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Educação e Linguagem, atuando principalmente nos seguintes temas: Alfabetização e Letramento; Leitura e escrita; Saberes e Metodologia da Língua Portuguesa; Formação de Professores Alfabetizadores.

Referências

AMORIM, M. O pesquisador e seu outro Bakhtin nas Ciências Humanas. São Paulo: Musa, 2004.

AMORIM, M. Cronotopo e exotopia. In: BRAIT, B. (org.). Bakhtin: outros conceitos-chave. São Paulo: Contexto, 2010.

BAGNO, M. Objeto língua. São Paulo: Parábola, 2019.

BAKHTIN, M. Problemas da poética de Dostoiévski. 5. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010.

BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. 6. ed. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2011.

BAKHTIN, M. O freudismo: Um esboço crítico. 2. ed. São Paulo: Perspectiva, 2017.

BAKHTIN, M. O homem ao espelho. Apontamentos dos anos 1940. São Carlos: Pedro & João, 2019.

BAUER, M. W.; GASKEL, G. Pesquisa qualitativa com texto imagem e som: um manual prático. Rio de Janeiro: Vozes, 2002.

BAZARIM, M. A construção da interação entre professora e alunos em contexto escolar. In: SIGNORINI, I. (org.). Gêneros catalisadores: letramento e formação do professor. São Paulo: Parábola, 2006. p. 19-39.

CERTEAU, M. de. A cultura no plural. 7. ed. Campinas: São Paulo, 2011.

FERRAÇO, C. E. Práticas-políticas curriculares cotidianas como possibilidades de resistência aos clichês e à Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Linhas Críticas, Brasília, v. 23, n. 52, p. 524-537, 2017. Disponível em: https://bit.ly/2SmEc6R. Acesso em: 23 abr. 2019.

FIGUEIREDO, F. J. Q. de. Vygotsky: a interação no ensino/aprendizagem de línguas. São Paulo: Parábola, 2019.

GIOVANI, F. O cotejo como marca de um estilo. In: GRUPO DE ESTUDOS DOS GÊNEROS DO DISCURSO. Palavras e contrapalavras: entendendo o cotejo como proposta metodológica. São Carlos: Pedro & João, 2017. p. 17-24. (Caderno de Estudos IX para iniciantes).

GERALDI, J. W. Leitura: uma oferta de contrapalavras. Educar, Curitiba, n. 20, p. 77-85, 2002.

GERALDI, J. W. A aula como acontecimento. São Paulo: Pedro & João, 2015.

HOFFMAN, J. Avaliação mediadora: uma prática em construção da pré-escola à universidade. Porto Alegre: Mediação, 2014.

KOCH, I.; ELIAS, V. Ler e escrever: estratégias de produção textual. São Paulo: Contexto, 2009.

KOCH, I.; ELIAS, V. Escrever e argumentar. São Paulo: Contexto, 2016.

MACHADO, I. A. Os gêneros e o corpo do acabamento estético. In: BRAIT, B. (org). Bakhtin: dialogismo e construção do sentido. Campinas: Editora da Unicamp, 2005. p. 131-148.

MAGALHÃES JR, C. P. O conceito de exotopia em Bakhtin: uma análise de O filho eterno, de Cristovão Tezza. 2010. Dissertação (Mestrado em Letras) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2010.

MENEGASSI, R. J. Da revisão à reescrita: operações e níveis lingüísticos na construção do texto. 1998. Tese (Doutorado em Letras) – Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Assis, 1998.

MIOTELLO, V. O cotejo se dá na unidade da resposta. In: GRUPO DE ESTUDOS DOS GÊNEROS DO DISCURSO. Palavras e contrapalavras: entendendo o cotejo como proposta metodológica. São Carlos: Pedro & João, 2017. p. 95-97. (Caderno de Estudos IX para iniciantes).

MOTERANI, N. G.; MENEGASSI, R. J. Aspectos linguístico-discursivos na revisão textual-interativa. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, n. 52, v. 2, p. 217-237, 2013.

PETRILLI, S. Em outro lugar e de outro modo: filosofia da linguagem, crítica literária e teoria da tradução em, em torno e a partir de Bakhtin. São Carlos: Pedro & João, 2013.

RUIZ, E. D. Como corrigir redações na escola. São Paulo: Contexto, 2010.

SARAMAGO, J. O conto da ilha desconhecida. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

SOUTO MAIOR, R. de C. Os saberes docentes e as constituições de Ethos de licenciandas/os no Programa de Iniciação à Docência/Letras-Português: análise das implicações dos discursos envolventes e a necessária inscrição de uma ética do discurso. In: FIGUEIREDO, F. J. Q. de; SIMÕES, D. (org.). Contribuições da linguística aplicada para a educação básica. Campinas: Pontes, 2018. p. 133-185.

SOUTO MAIOR, R.; LIMA, L. R. S. M. S. A leitura literária em sala de aula e a construção do Self dos alunos: a ação leitora da ação na vida. Antares: Letras e Humanidades, v. 1, p. 127-146, 2018.

Publicado

2021-06-29

Como Citar

SOUTO MAIOR, R. de C.; DOS SANTOS, W. P.; DOS SANTOS, W. P.; CAVALCANTI, A.; CAVALCANTI, A. Produção Escrita: olhares sobre práticas de mediação dialógica para reelaboração textual. Signum: Estudos da Linguagem, [S. l.], v. 23, n. 3, p. 79–97, 2021. DOI: 10.5433/2237-4876.2020v23n3p79. Disponível em: https://ojs.uel.br/revistas/uel/index.php/signum/article/view/40148. Acesso em: 25 maio. 2024.