Diferentes montações e performances de drag queens e pessoas gênero-dissidentes: mimese de um ideal feminino ou revolução de gênero?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5433/1679-0383.2021v42n1p133

Palavras-chave:

Psicologia Social, Teoria queer, Gênero, Performance, Drag Queen

Resumo

Neste artigo, discutimos as vicissitudes das diferentes montações e performances drag e de pessoas gênero-dissidentes. Fazendo uso do termo “performance trans”, na perspectiva de Juliana Frota da Justa Coelho, pretendemos refletir sobre diferentes formatos e efeitos suscitados por performances de gênero. O objetivo é, sem intenção de constituir uma trajetória histórica supostamente única, compreender as potencialidades e os desafios destas performances e promover uma reflexão sobre os efeitos dessas manifestações em nossa sociedade e o contexto social dos lugares onde ocorreram e ocorrem. A partir da teoria queer, que se apresenta como crítica à cisheteronormatividade, voltamos a nossa atenção para a análise de performatividades não hegemônicas que tensionam tais normas. Assim, o artigo foi dividido metodologicamente em três partes: 1) discussão teórica sobre a normatividade envolvendo os usos do corpo generificado; 2) contextualização das performances drag queen; e 3) análise acerca de alguns dos múltiplos significados e formatos que foram sendo adotados nas últimas décadas para a elaboração das performances trans. Os momentos apresentados ao longo do artigo permitem assinalar, finalmente, como as diferentes performances trans oferecem elementos para uma crítica potente e transformadora do ideal feminino cisheteronormativo.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Rafaela Gomes Paes Barreto, Universidade Federal do Ceará - UFC

Mestranda em Psicologia Social na Universidade Federal do Ceará (UFC), Fortaleza, Ceará, Brasil.

Aluísio Ferreira de Lima, Universidade Federal do Ceará - UFC

Pós-doutorado pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), São Paulo, São Paulo, Brasil. Professor do Departamento de Psicologia da Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, Ceará, Brasil.

Stephanie Caroline Ferreira de Lima, Universidade Federal do Ceará - UFC

Doutoranda em Psicologia na Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, Ceará, Brasil.

Referências

ADELMAN, M. Paradoxos da identidade: a política de orientação sexual no século XX. Revista de Sociologia e Política, Curitiba, n. 14, p. 163-171, 2000. Disponível em: https://bit.ly/3mwNbx1. Acesso em: 21 abr. 2020.

AMANAJÁS, I. Drag queen: um percurso histórico pela arte dos atores transformistas. Revista Belas Artes, São Paulo, ano 6, n. 16, p. 1-23, 2014. Disponível em: https://bit.ly/3fOzI27. Acesso em: 20 abr. 2020.

ARRIOLA, E. R. Faeries, marimachas, queens, and lezzies: the construction of homosexuality before the 1969 stonewall riots. Columbia Journal of Gender & Law, Columbia, v. 5, n. 1, 1995. Doi: https://doi.org/10.7916/cjgl.v5i1.2378. Disponível em: https://bit.ly/3uxGrBJ. Acesso em: 20 abr. 2020.

BOLTON, A. Bravehearts: men in skirts. London: V&A Publications, 2003.

BUTLER, J. Corpos em aliança e a política das ruas: notas para uma teoria performativa da assembleia. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2018.

BUTLER, J. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. 10. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2016.

CANEZIN, C. C. A mulher e o casamento: da submissão à emancipação. Revista Jurídica Cesumar, Maringá, v. 4, n. 1, p. 143-156, 2004. Disponível em: https://bit.ly/3uxnoaX. Acesso em: 28 abr. 2020.

COELHO, J. F. J. Ela é o show: performances trans na capital cearense. Rio de Janeiro: Editora Multifoco, 2012.

FOUCAULT, M. Os anormais. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

GADELHA, J. J. B. Masculinos em mutação: a performance drag queen em Fortaleza. 2009. Dissertação (Mestrado em Sociologia) - Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2009.

GIL, J. Metafenomenologia da monstruosidade: o devir-monstro. In: SILVA, T. T. (Org.). Pedagogia dos monstros: os prazeres e os perigos da confusão de fronteiras. Belo Horizonte: Autêntica, 2000. p. 164-183.

HARAWAY, D. Manifesto ciborgue: Ciência, tecnologia e feminismo-socialista no final do século XX. In: HARAWAY, D.; KUNZRU, H.; TADEU, T. (Org.). Antropologia do Ciborgue: as vertigens do pós-humano. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2009. p. 33-118.

LAGE, G.; SOUSA, S. K.; MACHADO, F. V. K. A relevância dos club kids para o meio drag a partir do conceito de semiosfera lotmaniano. In: CONGRESSO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO NA REGIÃO SUDESTE, 23., Belo Horizonte, 2018. Anais [...]. Belo Horizonte: Intercom, 2018.

PHILLIPS, C. P. Os novos club kids de Londres. 2011. Monografia (Bacharelado em Ciências Sociais) – Instituto de Ciências Sociais, Universidade de Brasília, Brasília, 2011. Disponível em: https://bit.ly/2Oq47bU. Acesso em: 12 de set. 2018.

PINTO, M. I. M. B. Cultura de massas e representações femininas na paulicéia dos anos 20. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 19, n. 38, p. 139-163, 1999. Doi: https://doi.org/10.1590/S0102-01881999000200007. Disponível em: https://bit.ly/3wypVn6 Acesso em: 12 set. 2018.

PRECIADO, P. B. Manifesto contrassexual: práticas subversivas de identidade sexual. 2. ed. São Paulo: N-1 edições, 2017.

PRECIADO, P. B. Multidões queer: notas para uma política dos “anormais”. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 19, n. 1, p. 11-20, 2011. Doi: https://doi.org/10.1590/S0104-026X2011000100002. Disponível em: https://bit.ly/3dD2iB7 . Acesso em: 28 abr. 2020.

SCHICHARIN, L. Do drag ao pós-drag: a performance travesti frente à etnicidade e à classe. Revista Brasileira de Estudos da Presença, Porto Alegre, v. 7, n. 2, p. 225-248, maio/ago. 2017. Doi: https://doi.org/10.1590/2237-266066351. Disponível em: https://bit.ly/3cX8nJz. Acesso em 29 abr. 2020.

SANTOS, M. A. Notas sobre a abjeção: por uma estética da diferença. In: CONGRESSO INTERNACIONAL DE ESTUDOS SOBRE A DIVERSIDADE SEXUAL E DE GÊNERO DA ABEH, 6., 2012, Salvador. Anais [...]. Salvador: ABEH; UFBA, 2012.

SILVA, A. S. Luta, resistência e cidadania: uma análise psicopolítica dos Movimentos e Paradas do Orgulho LGBT. Curitiba: Juruá, 2008.

SPARGO, T. Foucault e a teoria queer: seguido de Ágape e êxtase: orientações pós-seculares. Belo Horizonte: Autêntica, 2017.

TAYLOR, V.; RUPP, L. J. Chicks with Dicks, Men in Dresses: what it means to be a drag queen. Journal of Homosexuality, Santa Barbara, v. 46, p. 113-133, 2008. Doi: http://dx.doi.org/10.1300/J082v46n03_07. Disponível em: https://bit.ly/3fTeFMd. Acesso em: 15 abr. 2020.

VENCATO, A. P. Fervendo com as drags: corporalidades e performances de drag queens em territórios gays da Ilha de Santa Catarina. 2002. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2002.

WOLF, N. O Mito da beleza: como as imagens de beleza são usadas contra as mulheres. Rio de Janeiro: Rocco, 1992.

Downloads

Publicado

28.05.2021

Como Citar

BARRETO, R. G. P.; LIMA, A. F. de; LIMA, S. C. F. de. Diferentes montações e performances de drag queens e pessoas gênero-dissidentes: mimese de um ideal feminino ou revolução de gênero?. Semina: Ciências Sociais e Humanas, [S. l.], v. 42, n. 1, p. 133–146, 2021. DOI: 10.5433/1679-0383.2021v42n1p133. Disponível em: https://ojs.uel.br/revistas/uel/index.php/seminasoc/article/view/40038. Acesso em: 19 jun. 2024.

Edição

Seção

Artigos Seção Livre