Associação entre nível de priorização na admissão da unidade de terapia intensiva e desfecho hospitalar

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5433/1679-0367.2022v43n2p243

Palavras-chave:

Classificação, Prognóstico, Alta do Paciente, Mortalidade, Unidade de Terapia Intensiva

Resumo

Objetivo: Avaliar a associação entre os níveis de priorização para admissão na unidade de terapia intensiva (UTI) e o prognóstico dos pacientes.
Material e método: Estudo longitudinal retrospectivo que incluiu adultos internados na UTI de hospital universitário ano de 2020. As variáveis, coletadas nos prontuários e banco de dados eletrônicos do hospital contemplam: identificação, data de entrada no hospital e de admissão na UTI, diagnósticos, antecedentes, data de alta, desfecho, cálculo do Simplified Acute Physiology Score 3 (SAPS 3) e nível de priorização da admissão.
Resultados: O estudo avaliou 274 pacientes. As patologias respiratórias totalizaram 41,25% das admissões, sendo COVID-19 o diagnóstico mais frequente (65 casos confirmados e 2 suspeitos). Dentre as comorbidades, destacam-se hipertensão arterial sistêmica (64,32%), diabetes mellitus (25,82%) e tabagismo (18,78%). O SAPS 3 médio foi de 59,29 pontos, representando uma probabilidade de óbito de 39,00%. A respeito dos níveis de priorizações, 174 (63,50%) pacientes foram classificados como prioridade 1 (P1); 94 (34,31%) pacientes como prioridade 2 (P2); e 6 (2,19%) pacientes como prioridade 3 (P3). Comparando os grupos P1 e P2, a probabilidade de óbito foi, respectivamente, 51,95% e 13,75%. E o número de óbitos observado foi de 90 (60,81%) no grupo P1 e 19 no grupo P2 (25,30%; p<0,001)).
Conclusão: Os pacientes classificados como P1 foram mais frequentes na amostra de estudo. A classificação de prioridades identificou os pacientes mais graves e com maior taxa de mortalidade na primeira categoria, apesar de não haver diferença na idade, comorbidade e fragilidade.

Biografia do Autor

Ana Clara Donini Nazima, Universidade Estadual de Londrina - UEL

Graduanda em Medicina na Universidade Estadual de Londrina (UEL), Londrina, Paraná

Amanda Pinheiro Zago, Universidade Estadual de Londrina - UEL

Graduanda em Medicina na Universidade Estadual de Londrina (UEL), Londrina, Paraná

Cleber Barbieri, Universidade Estadual de Londrina - UEL

Graduando em Medicina na Universidade Estadual de Londrina (UEL), Londrina, Paraná

Daniel Luis Pires Rosa, Universidade Estadual de Londrina - UEL

Doutorado em Medicina e Ciências da Saúde pela Universidade Estadual de Londrina, Londrina, Paraná, Brasil. Professora Associada da Disciplina de Medicina Intensiva da Universidade Estadual de Londrina, Londrina, Paraná

Fabio Monti Juliani, Universidade Estadual de Londrina - UEL

Graduando em Medicina na Universidade Estadual de Londrina (UEL), Londrina, Paraná

Jair de Jesus Junior, Universidade Estadual de Londrina - UEL

Graduando em Medicina na Universidade Estadual de Londrina (UEL), Londrina, Paraná

Jessé Trinck Salvador, Universidade Estadual de Londrina - UEL

Graduanda em Medicina na Universidade Estadual de Londrina (UEL), Londrina, Paraná

Julia Zanarde, Universidade Estadual de Londrina - UEL

Graduanda em Medicina na Universidade Estadual de Londrina (UEL), Londrina, Paraná

Lucienne Tibery Queiroz Cardoso, Universidade Estadual de Londrina - UEL

Doutorado em Medicina e Ciências da Saúde pela Universidade Estadual de Londrina, Londrina, Paraná, Brasil. Professora Associada da Disciplina de Medicina Intensiva da Universidade Estadual de Londrina, Londrina, Paraná

Claudia Maria Dantas de Maio Carrilho, Universidade Estadual de Londrina - UEL

Doutorado em Doenças Infecciosas e Parasitárias pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP), São Paulo, São Paulo, Brasil. Professora Adjunta da Universidade Estadual de Londrina, Londrina, Paraná

Cintia Magalhães Carvalho Grion, Universidade Estadual de Londrina - UEL

Doutorado em Medicina e Ciências da Saúde pela Universidade Estadual de Londrina, Londrina, Paraná, Brasil. Professora Associada da Disciplina de Medicina Intensiva da Universidade Estadual de Londrina, Londrina, Paraná.

Referências

Alves CJ, Franco GPP, Nakata CT, Costa GLG, Costa GLG, Genaro MS, et al. Avaliação de índices prognósticos para pacientes idosos ad¬mitidos em unidades de terapia intensiva. Rev Bras Ter Intens. 2009;21(1):1-8. doi: 10.1590/S0103-507X2009000100001.

Barfod C, Lauritzen MMP, Danker JK, Sölétormos G, Forberg JL, Berlac PA, et al. Abnormal vital signs are strong predictors for intensive care unit admission and in-hospital mortality in adults triaged in the emergency department - a prospective cohort study. Scand J Trauma Resusc Emerg Med. 2012;20:28. doi: 10.1186/1757-7241-20-28.

Caldeira VMH, Silva Júnior JM, Oliveira AMRR, Rezende S, Araújo LAG, Santana MRO, et al. Critérios para admissão de pa¬cientes na unidade de terapia intensiva e mortalidade. Rev Assoc Med Bras. 2010;56(5):528-34. doi: 10.1590/S0104-42302010000500012.

Charlson ME, Pompei P, Ales KL, MacKenzie CR. A new method of classifying prognostic comorbidity in longitudinal studies: development and validation. J Chronic Dis. 1987;40(5):373-83. doi: 10.1016/0021-9681(87)90171-8.

Cohen RI, Eichorn A, Silver A. Admission decisions to a medical intensive care unit are based on functional status rather than severity of illness. A single center experi¬ence. Minerva Anestesiol [Internet]. 2012 [cited 2022 oct 10]; 78(11):1226-33. Available from: https://www.minervamedica.it/en/journals/minerva-anestesiologica/article.php?cod=R02Y2012N11A1226

Conselho Federal de Medicina (BR). Resolução CFM nº 2.156/2016, de 28 de outubro de 2016. Estabelece os critérios de admissão e alta em unidade de terapia intensiva [Internet]. Brasília; 2016 [citado 2022 out 10]. Disponível em: https://sistemas.cfm.org.br/normas/visualizar/resolucoes/BR/2016/2156

Jung B, Rimmele T, Le Goff C, Chanques G, Corne P, Jonquet O, et al. Severe metabolic or mixed acidemia on intensive care unit admis¬sion: incidence, prognosis and administration of buffer therapy. A prospective, multiple-center study. Crit Care. 2011;15(5):R238. doi: 10.1186/cc10487.

LaMantia MA, Stewart PW, Platts-Mills TF, Biese KJ, Forbach C, Zamora E, et al. Pre-dictive value of initial triage vital signs for critically ill older adults. West J Emerg Med. 2013;14(5):453-60. doi: 10.5811/westjem.2013. 5.13411.

Metnitz PGH, Moreno RP, Almeida E, Jordan B, Bauer P, Campos RA, et al. SAPS 3-From evaluation of the patient to evaluation of the intensive care unit. Part 1: Objectives, methods and cohort description. Intensive Care Med. 2005;31(10):1336-44. doi: 10.1007/s00134-005-2762-6.

Ministério da Saúde - MS (BR). Projeto Ava-liação do Desempenho do Sistema de Saúde. (PROADESS). Monitoramento da assistência hospitalar no Brasil - 2009-2017. Boletim Informativo do PROADESS, nº 4, fev./2019 [Internet]. 2019 [citado 2022 out 28]. Disponí-vel em: https://www.proadess.icict.fiocruz.br/Boletim_4_PROADESS_Monitoramento da assistencia hospitalar_errata_1403.pdf

Moreno RP, Metnitz PGH, Almeida E, Jordan B, Bauer P, Campos RA, et al. SAPS 3 - From evaluation of the patient to evaluation of the intensive care unit. Part 2: Development of a prognostic model for hospital mortality at ICU admission. Intensive Care Med. 2005;31(10): 345-55. doi: 10.1007/s00134-005-2763-5.

Nates JL, Nunnally M, Kleinpell R, Blosser S, Goldner J, Birriel B, et al. ICU admission, discharge, and triage guidelines: a framework to enhance clinical operations, development of institutional policies, and further research. Crit Care Med. 2016; 44(8):1553-602. doi: 10.1097/CCM.0000000000001856.

Nordberg M, Lethvall S, Castrén M. The validity of the triage system ADAPT. Scand J Trauma Resusc Emerg Med. 2010;18(Suppl 1):S36. doi: 10.1186/1757-7241-18-S1-P36.

Sprung CL, Danis M, Iapichino G, Artigas A, Kesecioglu J, Moreno R, et al. Triage of intensive care patients: Identifying agreement and controversy. Intensive Care Med. 2013; 39(11):1916-24. doi: 10.1007/s00134-013-3033-6.

Vermillion SA, Hsu FC, Dorrell RD, Shen P, Clark CJ. Modified frailty index predicts postoperative outcomes in older gastrointestinal cancer patients. J Surg Oncol. 2017;115(8): 997-1003. doi: 10.1002/jso.24617.

Downloads

Publicado

2022-11-11

Como Citar

1.
Nazima ACD, Zago AP, Barbieri C, Rosa DLP, Juliani FM, de Jesus Junior J, et al. Associação entre nível de priorização na admissão da unidade de terapia intensiva e desfecho hospitalar. Semin. Cienc. Biol. Saude [Internet]. 11º de novembro de 2022 [citado 19º de julho de 2024];43(2):243-50. Disponível em: https://ojs.uel.br/revistas/uel/index.php/seminabio/article/view/45570

Edição

Seção

Artigos