Comorbidades e procedimentos assistenciais correlatos ao desenvolvimento de retinopatia da prematuridade

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5433/1679-0367.2021v42n2p115

Palavras-chave:

Enfermagem Neonatal, Recém-nascido prematuro, Retinopatia da prematuridade, Terapia intensiva neonatal

Resumo

Objetivo: descrever as principais comorbidades e os procedimentos assistenciais correlatos ao desenvolvimento de Retinopatia da Prematuridade em Recém-Nascidos Prematuros hospitalizados em Unidade de Terapia Intensiva Neonatal. 
Material e Método: estudo observacional quantitativo, com coleta de dados documental, obtida de 181 prontuários hospitalares de recém-nascidos prematuros, referente ao período de janeiro de 2014 a junho de 2016, em município de médio porte no Paraná. A análise estatística foi descritiva e inferencial. O estudo foi aprovado por comitê de ética em pesquisa.
Resultados: Prevaleceu o diagnóstico doenças respiratórias (41,99%; p-valor < 0,109), seguido da comorbidade sepse (63,54%; p-valor < 0,357). Necessitaram de transfusão de sangue 80 bebês (44,20%; p-valor < 0,001), e 152 (83,98%; p-valor < 0,001) fizeram uso de oxigenioterapia. A retinopatia da prematuridade prevaleceu nos prematuros moderados (44%), sendo o grau 3 o mais grave encontrado. 
Conclusão: doenças respiratórias, sepse e procedimentos como a transfusão de sangue, a oxigenioterapia e a cateterização intravenosa influenciaram na presença do agravo, com maior incidência em prematuros moderados.

Biografia do Autor

Joziana Pastro, Centro Universitário Fundação Assis Gurgacz - FAG

Mestrado em Biociências e Saúde pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná. Professora do Curso de Enfermagem do Centro Universitário Fundação Assis Gurgacz, Cascavel, Paraná, Brasil

Cláudia Silveira Viera, Universidade Estadual do Oeste Paraná - UNIOESTE

Doutorado em Enfermagem e Saúde Pública pela Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto. Docente na Universidade Estadual do Oeste  Paraná (UNIOESTE)

Maria Magda Ferreira Gomes Balieiro, Universidade Federal de São Paulo -UNIFESP

Doutorado em Enfermagem pela Universidade Federal de São Paulo.. Professora Associada do Departamento de Enfermagem Pediátrica da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)

Beatriz Rosana Gonçalves de Oliveira Toso, Universidade Estadual do Oeste Paraná - UNIOESTE

Doutorado em Ciências pelo programa de Enfermagem em Saúde Pública da Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo. Professora Adjunta do Curso de Enfermagem da Universidade Estadual do Oeste do Paraná.

Referências

Allen G, Laventhal MD. Should long-term consequences of NICU care be discussed in terms of prognostic uncertainty or possible harm. AMA J Ethics. 2017;19(8):743-52.

Arnts IJJ, Bullens LM, Groenewoud JMM, Liem KD. Comparison of complication rates between umbilical and peripherally inserted central venous catheters in newborns. J Obstet Gynecol Neonatal Nurs [Internet]. 2014 [cited 2017 Nov 06];43(2):205-15. Available from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/24502854

Bassab WO, Miazaki ES, Andrade DF. Introdução a análise de agrupamento. São Paulo: Associação Brasileira de Estatística; 1990.

Carmona OLB, Gonzalez YT, Garcia MS, Armas MM, Martinez RR, Polanco SL, et al. Comportamiento de la retinopatía de la prematuridad en la provincia La Habana. Cuban J Ophthalmol [Internet]. 2013 [citado 2017 nov 30];26(2):1-8. Disponível em: http://scielo.sld.cu/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0864-21762013000200012.

Corrêa Junior MD, Patricio EC, Felix LR. Intervenções obstétricas no parto pré-termo: revisão da literatura e atualização terapêutica. Rev Méd Minas Gerais [Internet]. 2013 [citado 2017 nov 15];23(3):323-29. Disponível em: http://pesquisa.bvsalud.org/bvsecuador/resource/pt/lil-702904

Damian A, Waterkemper R, Paludo CA. Perfil de neonatos internados em unidade de tratamento intensiva neonatal: estudo transversal. Arq Ciênc Saúde [Internet]. 2016 [citado 2017 nov 15];23(2):100-5. Disponível em: www.cienciasdasaude.famerp.br/index.php/racs/issue/download/14/Vol.%20Completo.

Dani C, Coviello, C, Panin, F, Frosini, S, Costa, S, Purcaro, V, et al. Incidence and risk factors of retinopathy of prematurity in an Italian cohort of preterm infants. Ital J Pediatr;2021;47(1):64. doi: 10.1186/s13052-021-01011-w

Gonçalves E, Nasser LS, Martelli DR, Alkmim IR, Mourão TV, Caldeira AP, et al. Incidência e fatores de risco para retinopatia da prematuridade em um serviço de referência brasileiro. Med J 2014;132(2):85-91.

Jaberi E, Roksana M. A study on preterm births during 2013–2015, Shiraz, Iran. J Obstet Gynaecol [Internet]. 2017 [cited 2018 Jan 02];20:1-5. Available from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/28631494

Leal MC, Esteves-Pereira AP, Nakamura-Pereira M, Torres JÁ, Theme-Filha M, Domingues RMSM, et al. Prevalence and risk factors related to preterm birth in Brazil. Reprod Health. 2016;13(3):163-74.

Mota M, Coutinho I, Pedrosa C, Ramalho M, Pires G, Teixeira S, et al. Relação entre a progressão ponderal dos prematuros nas primeiras semanas de vida e o desenvolvimento de retinopatia da prematuridade grave. Oftalmologia [Internet]. 2017 [citado 2018 jul 12];41(3). Disponível em: http://revistas.rcaap.pt/index.php/oftalmologia/article/view/10253/10321

Nakanami CR, Zin A, Belfort R Jr. Oftalmopediatria. São Paulo: Roca; 2010.

Oliveira LL, Gonçalves AC, Costa JSD, Bonilha ALL. Maternal and neonatal factors related to prematurity. Rev Esc Enferm USP. 2016;50(3):382-89. doi: 10.1590/S0080-623420160000400002

Quaresma ME, Almeida AC, Méio MDB, Lopes JMA, Peixoto MVM. Factors associated with hospitalization during neonatal period. J Pediatric. 2018;94(4):390-8. doi: 10.1016/j.jped.2017.07.011

Ramos-Uribe R. Factores de riesgo asociados a la retinopatía de la prematuridad. Rev méd panacea. 2019;8(3):108-15. doi: 10.35563/rmp.v8 i3.194

Reyes ZS, Al-mulaabed SW, Bataclan F, Montemayor C, Ganesh A, Al-zuhaibi S, et al. Retinopathy of prematurity: Revisiting incidence and risk factors from Oman compared to other countries. Oman J Ophthalmol [Internet]. 2017 [cited 2018 Jan 5];10(1):26-32. Available from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5338048/?report=printable.

Santos CN, Bahia NGC, Miranda FP. Retinopatia da Prematuridade: o conhecimento de enfermeiros neonatais. Rev Enferm Contemp. 2015;4(1):23-32.

Silva SMR, Motta GCP, Nunes CR, Schardosim JM, Cunha ML. Sepse neonatal tardia em recém-nascidos pré-termo com peso ao nascer inferior a 1.500g. Rev Gaucha Enferm [Internet]. 2015 [citado 2017 dez 3];36(4): 84-9. Disponível em: http://www.seer.ufrgs.br/RevistaGauchadeEnfermagem/article/view/50892.

Stahl A, Gopel W. Screening and treatment in retinopathy of prematurity. Deutsches Arztrblatt Irternational. [Internet]. 2015 [cited 2018 Jan 5];112(43):730-35. Available from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4647313/pdf/Dtsch_Arztebl_Int-112-0730.pdf

Theiss MB, Grumann A Jr, Rodrigues MRW. Perfil epidemiológico dos recém-nascidos prematuros com retinopatia da prematuridade no Hospital Regional de São José Dr. Homero de Miranda Gomes. Rev Bras Oftalmol [Internet]. 2016 [citado 2017 dez 6];75(2):109-14. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbof/v75n2/0034-7280-rbof-75-02-0109.pdf

World Health Organization. Born too soon: the global action report on preterm birth. [Internet]. Geneva: WHO; 2012 [cited 2017 Dez 20]. Available from: https://www.who.int/reproductivehealth/publications/maternal_perinatal_health/9789241503433/en/

Downloads

Publicado

2021-09-28

Como Citar

1.
Pastro J, Viera CS, Balieiro MMFG, Toso BRG de O. Comorbidades e procedimentos assistenciais correlatos ao desenvolvimento de retinopatia da prematuridade. Semin. Cienc. Biol. Saude [Internet]. 28º de setembro de 2021 [citado 25º de junho de 2024];42(2):115-26. Disponível em: https://ojs.uel.br/revistas/uel/index.php/seminabio/article/view/40401

Edição

Seção

Artigos