Terapia de substituição renal: qualidade de vida dos pacientes de um hospital de ensino

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5433/1679-0367.2021v42n2p135

Palavras-chave:

Enfermagem, Qualidade de vida, Insuficiência renal

Resumo

Objetivo: avaliar a qualidade de vida dos pacientes com insuficiência renal crônica no decorrer do tratamento hemodialítico e diferenças em relação ao sexo.
Material e Método: estudo descritivo, quantitativo, desenvolvido no setor de Terapia Renal Substitutiva de um hospital escola, constituído por 78 pacientes. Critérios de inclusão: pacientes maiores de 18 anos em tratamento hemodialítico. Foram excluídos pacientes com comprometimento cognitivo. A coleta de dados ocorreu entre junho e julho de 2018, por meio de um questionário com perguntas sobre aspectos sociodemográficos e caracterização clínica dos participantes do estudo. O outro instrumento destinou-se à qualidade de vida, com a utilização do WHOQOL-bref. Os dados foram organizados no Excel® 2016 (Microsoft®). Estudo aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa envolvendo seres humanos.
Resultados: 51,3% sexo feminino e 48,7% masculino; 96,2% não possuiam vínculo empregatício. Verificada a média dos domínios do WHOQOL-bref, sendo constatado que aspectos físicos, psicológicos, relações sociais e meio ambiente obtiveram a média em torno de 3,2 a 3,6, classificando a qualidade de vida média.
Conclusão: o estudo identificou uma qualidade de vida média nos pacientes em terapia de substituição renal.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Taís Pagliuco Barbosa, Centro Universitário Padre Albino - UNIFIPA

Doutoranda em Enfermagem Fundamental da Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (EERP-USP), Ribeirão Preto, São Paulo, Brasil. Docente no Curso de Enfermagem do Centro Universitário Padre Albino (UNIFIPA), Catanduva, São Paulo, Brasil.

João César Jacon, Universidade Federal de São Carlos - UFSCar

Doutorando em Enfermagem na Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), São Carlos, São Paulo, Brasil. Docente no Curso de Enfermagem do Centro Universitário Padre Albino, Catanduva, São Paulo, Brasil.

Maria Cláudia Parro, Centro Universitário Padre Albino - UNIFIPA

Pró- reitora Acadêmica do Centro Universitário Padre Albino, Catanduva, São Paulo, Brasil.

Adriani Izabel de Souza Moraes, Universidade Federal de São Carlos - UFSCar

Mestranda em Enfermagem na Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, São Paulo.

Tatiane Veteri Coneglian, Universidade Federal de São Carlos - UFSCar

Mestranda em Enfermagem na Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, São Paulo.

Francielly Aparecida Correa Iembo, Centro Universitário Padre Albino -UNIFIPA

Graduação em Enfermagem pelo Centro Universitário Padre Albino, Catanduva, São Paulo

Referências

Barcellos RC, Matos JP, Kang HC, Rosa ML, Lugon JR. Comparison of serum creatinine levels in different color/race categories in a Brazilian population. Cad Saude Publica. 2015;31(7):1565-9.

Contente SR, Cavalcante LIC, Silva SSC, Heumann S. Rotina e qualidade de vida de usuários em terapia renal substitutiva. Rev. SPAGESP. 2018;19(2).

Ene-Iordache B, Perico N, Bikbov B, Carminati S, Remuzzi A, Perna A, et al. Chronic kidney disease and cardiovascular risk in six regions of the world (ISN-KDDC): a cross-sectional study. Lancet Glob Health. 2016;4(5):e307-19.

Fleck MPA, Louzada F, Xavier M, Chachamovich E, Vieira G, Santos L, Pinzon V. Aplicação da versão em português do instrumento abreviado de avaliação da qualidade de vida “WHOQOL-bref” Rev. Saúde Pública. 2000;34(2):178-83.

Franceschini N, Gouskova NA, Reiner AP, Bostom A, Howard BV, Pettinger M, et al. Adiposity patterns and the risk for ESRD in postmenopausal women. Clin J Am Soc Nephrol. 2015;10(2):241-50.

Fukushima RLM, Costa JLR, Orland FS. Atividade física e a qualidade de vida de pacientes com doença renal crônica em hemodiálise. Fisioter Pesqui. 2018;25(3):338-44.

Gomes NDB, Valdevino SC, Leal NPR, Pimenta CJL, Teófilo TJS, Silva CRR, et al. Qualidade de vida de pacientes com insuficiência renal crônica submetidos à hemodiálise. Rev Enferm Atual. 2018;86(24).

Gonçalves FA, Dalosso IF, Borba JMC, Bucaneve J, Valerio NMP, Okamoto CT, et al. Qualidade de vida de pacientes renais crônicos em hemodiálise ou diálise peritoneal: estudo comparativo em um serviço de referência de Curitiba - PR. J. Bras. Nefrol. 2015;37(4):467-74.

Guedes KD, Guedes HM. Qualidade de vida do paciente portador de insuficiência renal crônica. Ciênc Saúde. 2012;5(1):48-53.

Jesus NM, Souza GF, Mendes-Rodrigues C, Almeida OP Neto, Rodrigues DDM, Cunha CM. Quality of life of individuals with chronic kidney disease on dialysis. J. Bras. Nefrol. [Internet]. 2019 [cited 2019 July 2];41(3). Available from: https://www.scielo.br/j/jbn/a/47L5fY58yBs93xF66wJvDYc/?lang=pt.

Marinho AWGB, Penha AP, Silva MT, Galvão TF. Prevalence of chronic renal disease among Brazilian adults: a systematic review. Cad. Saúde Colet. 2017;25(3):379-88.

Oliveira APB, Schmidt DB, Amatneeks TM, Santos JC, Cavallet LHR, Brigitte RM. Qualidade de vida de pacientes em hemodiálise e sua relação com mortalidade, hospitalizações e má adesão ao tratamento. J Bras Nefrol. 2016;38(4):411-20.

Oliveira APB, Schmidt DB, Amatneeks TM, Santos JC, Cavallet LHR, Michel RB. Quality of life in hemodialysis patients and the relationship with mortality, hospitalizations and poor treatment adherence. J. Bras. Nefrol. 2016 Dec;38(4):411-20.

Oliveira JF, Marinho CLA, Silva RS, Lira GG. Quality of life of patients on peritoneal dialysis and its impact on the social dimension. Esc. Anna Nery. 2019;23(1):e20180265.

Pereira ERS, Pereira AC, Andrade GB, Naghettini AV, Pinto FK, Batista SR, et al. Prevalence of chronic renal disease in adults attended by the family health strategy. J Bras Neurol. 2016;38(1):22-30.

Pinho NA, Silva GV, Pierin AMG. Prevalência e fatores associados à doença renal crônica em pacientes internados em um hospital universitário na cidade de São Paulo, SP, Brasil. J Bras Neurol. 2015;37(1):91-7.
Sesso RC, Lopes AA, Thomé FS, Lugon JR, Martins CT. Inquérito Brasileiro de diálise crônica 2014. J Bras Nefrol. 2016;38(1):54-61.

Souza EAS Jr, Trombini DSV, Mendonça ARA, Atzingen ACV. Religião no tratamento da doença renal crônica: comparação entre médicos e pacientes. Rev. Bioét. 2015;23(3):615-22.

Teixeira MGFD, Macedo LOS. Alterações vivenciadas na doença renal crônica: impacto na percepção da autoimagem e sexualidade. Rev Saúde e Desenv. 2016;9(5):166-77

The WHOQOL Group. The development of the World Health Organization quality of life assessment instrument (the WHOQOL). In: Orley J, Kuyken W. Quality of life assessment: international perspectives. Heidelberg: Springer Verlag; 1994. p. 41-60.

Downloads

Publicado

2021-09-28

Como Citar

1.
Barbosa TP, Jacon JC, Parro MC, Moraes AI de S, Coneglian TV, Iembo FAC. Terapia de substituição renal: qualidade de vida dos pacientes de um hospital de ensino. Semin. Cienc. Biol. Saude [Internet]. 28º de setembro de 2021 [citado 12º de junho de 2024];42(2):135-44. Disponível em: https://ojs.uel.br/revistas/uel/index.php/seminabio/article/view/40244

Edição

Seção

Artigos