Pesquisa de Clostridium perfringens em carnes bovinas embaladas a vácuo comercializadas no Distrito Federal e entorno

Autores

  • Igor de Oliveira Poty Universidade de Brasília
  • Joana Marchesini Palma Universidade de Brasília
  • Francisco Carlos Faria Lobato Universidade Federal de Minas Gerais
  • Ana Lourdes Arrais de Alencar Mota Universidade de Brasília
  • Angela Patricia Santana Universidade de Brasília

DOI:

https://doi.org/10.5433/1679-0367.2018v39n1p69

Palavras-chave:

Câmara de anaerobiose, Toxina CPE, Clostridiose alimentar, Toxinfecção alimentar, Agar SPS, Agar TSC

Resumo

O objetivo deste trabalho foi detectar a presença de Clostridium perfringens em 54 amostras de carne bovina embaladas a vácuo comercializadas na região do Distrito Federal, bem como detectar a presença da toxina cpe por PCR, ainda avaliar os meios de cultivo ágar SPS® e ágar TSC®, com e sem etapa de pré-enriquecimento das amostras em caldo infusão de cérebro e coração (BHI) na câmara de anaerobiose, e posterior incubação das placas de SPS® e TSC® tanto em jarra de anaerobiose, como em câmara de anaerobiose. Na análise da incubação das placas em ágar SPS® e TSC®, sem a etapa de pré-enriquecimento em caldo BHI na câmara de anaerobiose, observou-se o crescimento em apenas uma (1,85%) das 54 amostras analisadas, em ambos os meios de cultivo e formas de incubação. Com a etapa de pré-enriquecimento com caldo BHI em câmara de anaerobiose, observou-se crescimento em todas as 54 amostras (100%), em ambos os meios de cultivo e formas de incubação. Na reação em cadeia de polimerase (PCR) nenhuma das cepas oriundas das amostras analisadas apresentaram a amplificação de fragmento do gene da toxina cpe. Os resultados evidenciam a presença de C. perfringens em carnes embaladas a vácuo comercializadas no Distrito Federal e Entorno, porém não foi detectada a toxina cpe em nenhuma cepa isolada analisada. Na comparação estatística aplicando o teste qui-quadrado de McNemar, observou-se que houve diferença significativa (p<0,001) entre as análises sem e com a etapa de pré-enriquecimento em caldo BHI, verificando-se a influencia positiva do meio na recuperação de esporos, destacando desta forma a importância do enriquecimento prévio em meio BHI e a incubação em câmara de anaerobiose, na recuperação de esporos deste microrganismo.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Igor de Oliveira Poty, Universidade de Brasília

Mestrando em Saúde Animal pela Universidade de Brasília. Laboratório de Microbiologia dos Alimentos, Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária, Instituto de Ciências Central Sul, Campus Darcy Ribeiro, Universidade de Brasília.

Joana Marchesini Palma, Universidade de Brasília

Doutoranda em Saúde Animal pela Universidade de Brasília. Laboratório de Microbiologia dos Alimentos, Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária, Instituto de Ciências Central Sul, Campus Darcy Ribeiro, Universidade de Brasília.

Francisco Carlos Faria Lobato, Universidade Federal de Minas Gerais

Doutor em Ciência Animal pela Escola de Medicina Veterinária da UFMG. Professor Titular da Escola de Veterinária, Universidade Federal de Minas Gerais.

Ana Lourdes Arrais de Alencar Mota, Universidade de Brasília

Médica Veterinária responsável técnica do Laboratório de Epidemiologia Veterinária da Universidade de Brasília. Doutoranda em Saúde Animal pela Universidade de Brasília - Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária, Instituto de Ciências Central Sul, Campus Darcy Ribeiro, Universidade de Brasília

Angela Patricia Santana, Universidade de Brasília

Doutora em Ciências Biológicas (Biologia Molecular) pela Universidade de Brasília. Laboratório de Microbiologia dos Alimentos, Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária, Instituto de Ciências Central Sul, Campus Darcy Ribeiro, Universidade de Brasília.

Downloads

Publicado

2018-07-04

Como Citar

1.
Poty I de O, Palma JM, Lobato FCF, Mota ALA de A, Santana AP. Pesquisa de Clostridium perfringens em carnes bovinas embaladas a vácuo comercializadas no Distrito Federal e entorno. Semin. Cienc. Biol. Saude [Internet]. 4º de julho de 2018 [citado 12º de junho de 2024];39(1):69-76. Disponível em: https://ojs.uel.br/revistas/uel/index.php/seminabio/article/view/29286

Edição

Seção

Artigos