Anemia infecciosa equina em cavalos carroceiros de áreas urbanas do sul do Brasil

Autores

  • João Henrique Perotta Universidade Federal do Paraná
  • Eliana Monteforte Cassaro Villalobos Universidade Estadual de Londrina
  • Maria do Carmo Custódio de Souza Hunold Lara Instituto Biológico
  • Elenice Maria Sequetin Cunha Instituto Biológico
  • Ivan Deconto Universidade Federal do Paraná
  • Peterson Triches Dornbusch Universidade Federal do Paraná
  • Thállitha Samih Wischral Jayme Vieira Universidade Estadual de Londrina
  • José Edivaldo Bonacim Centro de Controle de Zoonoses
  • Rafael Felipe da Costa Vieira Universidade Federal do Paraná
  • Alexander Welker Biondo Universidade Federal do Paraná
  • Ivan Roque Barros Filho Universidade Federal do Paraná

DOI:

https://doi.org/10.5433/1679-0359.2015v36n6Supl2p4357

Palavras-chave:

AIE, Carroceiros, Cavalos, Eqüídeos, IDGA.

Resumo

A anemia infecciosa equina (AIE) é uma doença infecciosa causada por um Lentivírus, acometendo equídeos em todo o mundo. Esta doença não possui tratamento e a eutanásia dos animais infectados é obrigatória pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) como base para o controle da doença. Os cavalos carroceiros são utilizados diariamente pelos seus proprietários na coleta de materiais recicláveis nas cidades. Considerando a importância socioeconômica deste grupo de cavalos, o objetivo deste estudo foi determinar a taxa de infecção pelo vírus da AIE em cavalos carroceiros de áreas urbanas de Curitiba e região metropolitana. A detecção de anticorpos anti-AIE foi realizada pelo teste de imunodifusão em ágar gel (IDGA). Apenas 1 de um total de 97 (1,03%) cavalos foi positivo para AIE. Programas de vigilância ativa são cruciais para o monitoramento, prevenção e controle de doenças infecciosas, particularmente em cavalos carroceiros que podem atuar como disseminadores de patógenos.

Biografia do Autor

João Henrique Perotta, Universidade Federal do Paraná

Prof. Dr., Deptº de Medicina Veterinária, Universidade Federal do Paraná, UFPR, Curitiba, PR, Brasil. 

 

 

Eliana Monteforte Cassaro Villalobos, Universidade Estadual de Londrina

Formada em Medicina Veterinária pela PUC-PR em 2008, atualmente é médica veterinária residente na area de Toxicologia Veterinária do Departamento de Medicina Veterinária Preventiva na Universidade Estadual de Londrina

Maria do Carmo Custódio de Souza Hunold Lara, Instituto Biológico

Pesquisadora, Laboratório de Raiva e Encefalites Virais, Instituto Biológico, São Paulo, Brasil. 

Elenice Maria Sequetin Cunha, Instituto Biológico

Pesquisadora, Laboratório de Raiva e Encefalites Virais, Instituto Biológico, São Paulo, Brasil. 

Ivan Deconto, Universidade Federal do Paraná

Prof. Dr., Deptº de Medicina Veterinária, Universidade Federal do Paraná, UFPR, Curitiba, PR, Brasil.

Peterson Triches Dornbusch, Universidade Federal do Paraná

Prof. Dr., Deptº de Medicina Veterinária, Universidade Federal do Paraná, UFPR, Curitiba, PR, Brasil.

 

Thállitha Samih Wischral Jayme Vieira, Universidade Estadual de Londrina

Discente do Curso de Doutorado do Programa de Pós-Graduação em Ciência Animal, Universidade Estadual de Londrina, UEL, Londrina, PR, Brasil. 

José Edivaldo Bonacim, Centro de Controle de Zoonoses

Médico Veterinário, Centro de Controle de Zoonoses, São José dos Pinhais, PR, Brasil. 

Rafael Felipe da Costa Vieira, Universidade Federal do Paraná

Prof. Dr., Deptº de Medicina Veterinária, Universidade Federal do Paraná, UFPR, Curitiba, PR, Brasil.

Alexander Welker Biondo, Universidade Federal do Paraná

Prof. Dr., Deptº de Medicina Veterinária, Universidade Federal do Paraná, UFPR, Curitiba, PR, Brasil.

Ivan Roque Barros Filho, Universidade Federal do Paraná

Prof. Dr., Deptº de Medicina Veterinária, Universidade Federal do Paraná, UFPR, Curitiba, PR, Brasil.

Downloads

Publicado

2015-12-16

Como Citar

Perotta, J. H., Villalobos, E. M. C., Lara, M. do C. C. de S. H., Cunha, E. M. S., Deconto, I., Dornbusch, P. T., … Barros Filho, I. R. (2015). Anemia infecciosa equina em cavalos carroceiros de áreas urbanas do sul do Brasil. Semina: Ciências Agrárias, 36(6Supl2), 4357–4360. https://doi.org/10.5433/1679-0359.2015v36n6Supl2p4357

Edição

Seção

Comunicações

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 3 > >>