Sensibilidade de conídios de Beauveria bassiana a fatores abióticos após sucessivos cultivos in vitro

Autores

  • Janaina Zorzetti Universidade Estadual de Londrina
  • Patricia Helena Santoto Instituto Agronômico do Paraná
  • Kelly Christiane Constanski Universidade Estadual de Londrina
  • Pedro Manuel Oliveira Janeiro Neves Universidade Estadual de Londrina

DOI:

https://doi.org/10.5433/1679-0359.2014v35n4p1773

Palavras-chave:

Controle biológico, Fungos entomopatogênicos, Tolerância à radiação UV, Tolerância à temperatura.

Resumo

O objetivo deste trabalho foi avaliar o efeito de sucessivos cultivos in vitro de isolados de Beauveria bassiana, em diferentes condições nutricionais, sobre a tolerância ao calor e à radiação UV e a sensibilidade ao fungicida azoxistrobina. O fungo foi inicialmente inoculado em adultos de Alphitobius diaperinus (Coleoptera: Tenebrionidae), e após o seu desenvolvimento, os conídios foram multiplicados nos meios BDA (batata, dextrose, ágar) e MPE (meio para a produção de esporos de Beauveria spp.), originando os conídios de primeiro cultivo 1°(A), os quais foram sucessivamente multiplicados nos respectivos meios até o 20° cultivo. Os conídios retirados do 20º cultivo foram reinoculados no inseto, e após a esporulação, foram novamente multiplicados nos meios de origem, produzindo os conídios de 1°(B). Foram selecionados para os ensaios, os conídios de 1º(A), 10º, 20º e 1º(B) cultivos dos isolados CG 152 e Unioeste 40. Os cultivos sucessivos e as condições nutricionais do meio interferiram na fisiologia do fungo, e os isolados mostraram comportamentos diferentes entre si. Os cultivos em meio BDA proporcionaram maior termotolerância ao Unioeste 40 em todos os cultivos, e ao CG 152 apenas após as inoculações no hospedeiro. B. bassiana foi suscetível à radiação UV, e essa característica foi influenciada pelos cultivos nos diferentes meios. Ambos isolados foram mais tolerantes a radiação UV quando cultivados em MPE, enquanto apenas para o Unioeste 40 essa tolerância aumentou após a inoculação no hospedeiro. A sensibilidade de B. bassiana ao fungicida azoxistrobina foi afetada após os sucessivos cultivos em ambos os meios. Os conídios originados em MPE foram mais resistentes ao fungicida, e a inoculação no hospedeiro também aumentou essa tolerância. Esses resultados mostram que é possível aprimorar a eficiência de fungos no controle de pragas, através da seleção de um isolado virulento, manipulação de suas condições nutricionais durante o cultivo e da inoculação no hospedeiro.

Biografia do Autor

Janaina Zorzetti, Universidade Estadual de Londrina

Discente do Curso de Doutorado em Agronomia, Universidade Estadual de Londrina, UEL, Londrina, PR.

Patricia Helena Santoto, Instituto Agronômico do Paraná

Pesquisadora Drª do Instituto Agronômico do Paraná, IAPAR, Londrina, PR.

Kelly Christiane Constanski, Universidade Estadual de Londrina

Discente do Curso de Doutorado em Agronomia, Universidade Estadual de Londrina, UEL, Londrina, PR.

Pedro Manuel Oliveira Janeiro Neves, Universidade Estadual de Londrina

Prof. Dr. do Programa de Pós-Graduação em Agronomia, Fitossanidade, Deptº de Agronomia, UEL, Londrina, PR.

Downloads

Publicado

2014-08-27

Como Citar

Zorzetti, J., Santoto, P. H., Constanski, K. C., & Neves, P. M. O. J. (2014). Sensibilidade de conídios de Beauveria bassiana a fatores abióticos após sucessivos cultivos in vitro. Semina: Ciências Agrárias, 35(4), 1773–1784. https://doi.org/10.5433/1679-0359.2014v35n4p1773

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 3 > >>