APRESENTAÇÃO - Catástrofes, crises e respostas políticas e sociais

Autores

  • José Manuel Damião Soares Rodrigues Faculdade de Letras - Universidade de Lisboa

DOI:

https://doi.org/10.5433/1984-3356.2021v14n27p287

Resumo

 

Ao longo dos séculos, as sociedades humanas buscaram entender e explicar as manifestações violentas da natureza que se abatiam sobre elas sob as mais diversas formas (secas, chuvas intensas e tempestades, inundações, sismos, erupções, pragas, epidemias). Durante muito tempo, também, as explicações fornecidas estiveram integradas em cosmologias ou narrativas que correspondiam a tipos de crenças mágicas ou religiosas que, ao mesmo tempo que davam um sentido ao cosmos e procuravam aliviar a ansiedade das sociedades antigas face à sua vulnerabilidade, legitimavam uma determinada ordem política e social.

Um dos tópicos que mais se evidencia na investigação conduzida neste âmbito é o das catástrofes naturais. Não se trata de pensar a história como catástrofe, como a entendia Walter Benjamin, mas de observar as catástrofes enquanto um “facto social total” (Marcel Mauss), na medida em que a sua ocorrência e os respectivos impactos afectam múltiplas dimensões das sociedades atingidas, revelando das mesmas aspectos que, em condições de normalidade, poderiam passar despercebidos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

José Manuel Damião Soares Rodrigues, Faculdade de Letras - Universidade de Lisboa

Professor Auxiliar na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, exercendo as funções de Subdirector. Possui licenciatura em História pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa (1986) e doutoramento em História pela Universidade dos Açores (2001), onde ensinou de 1988 a 2013. Investigador integrado do Centro de História da Universidade de Lisboa (CH-UL), é o Coordenador do Grupo de Investigação Building and Connecting Empires. Foi membro do Editorial Board da Série European Expansion and Indigenous Response, da editora Brill. Tem bibliografia publicada em Portugal, Espanha, França, Alemanha, Brasil, Argentina, Colômbia e Estados Unidos da América. Com experiência nas áreas de História e de Ciências Sociais, investiga prioritariamente temas relacionados com história dos impérios, cultura política, história social das elites, circulação das elites e impérios no espaço atlântico no período moderno (c. 1500-c. 1820). Em termos de investigação, pretende estudar as dimensões políticas e sociais do governo urbano nas cidades atlânticas e a questão dos reformismos de Setecentos e inícios de Oitocentos numa perspectiva de história comparada, de forma a permitir o diálogo com outras historiografias na linha das connected histories e procurando perceber como é que os reformismos setecentistas contribuíram (ou não) para a politização das sociedades e das identidades nos espaços imperiais do Atlântico português e ibérico. Neste sentido, participa nos seguintes projectos: i) Project Research and Innovation Framework Programme, Marie Sk?odowska-Curie actions and Research and Innovation Staff Exchange (RISE), H2020-MSCA-RISE-2016, 734596/SLAFNET, SLAFNET ? Slavery in Africa: a dialogue between Europe and Africa, tendo como Investigadora Responsável a Professora Doutora Marie-Pierre Ballarin, do IRD-UMR 205 URMIS (Unité de recherches migrations et société), Université de Nice Sophia-Antipolis, sendo Investigador e task leader da tarefa "Social Memories of Forced Labour in the longue durée in the Lusophone World"; ii) Statuts, "race" et couleurs dans l'Atlantique de l'Antiquité à nos jours - STARACO, Centre de Recherche en Histoire Internationale et Atlantique (CRHIA), EA 1163, Université de Nantes, financiado pela Commission du Développement et des Activités Économiques, de l'Enseignement Supérieur, de la Recherche et de l'Innovation de la Région des Pays de la Loire, 2013-2017; iii) La gobernanza de los puertos atlánticos, siglos XIV-XXI, UNED-Casa de Velázquez, Madrid.

Referências

ALBEROLA, Armando. Los cambios climáticos. La Pequeña Edad del Hielo en España. Madrid. Ediciones Cátedra, 2014.

BARRIENDOS, Mariano. La climatologie historique: aspects méthodologiques. Sa contribution à la reconstruction climatique. In: CLÉMENT, François (dir.). Histoire et nature: pour une histoire écologique des sociétés méditerranéennes (Antiquité et Moyen-Âge). Rennes: Presses universitaires de Rennes, 2011, p. 23-29. doi.org/10.4000/books.pur.112691.

BLOM, Philipp. Nature’s Mutiny: How the Little Ice Age of the long seventeenth century transformed the West and shaped the present. New York: Liveright Publishing, 2019.

HILDESHEIMER, Françoise. La terreur et la pitié: L’Ancien régime à l’épreuve de la peste. Paris: Publisud, 1990.

LE ROY LADURIE, Emmanuel. Histoire du climat depuis l’an Mil. Paris: Flammarion, 1967.

MANDROU, Robert. Magistrats et sorciers en France au XVIIe siècle: une analyse de psychologie historique. Paris: Plon, 1968.
MASSARD-GUILBAUD, Geneviève. “Bilan historiographique de l’histoire environnementale”. 2010. Disponível em: https://ahcesr.hypotheses.org/files/2016/04/AHCESR-hist-environnementale.pdf.

OLIVEIRA, Eliézer Cardoso de. Quando as tragédias explicam: a importância heurística das catástrofes para o conhecimento histórico. História: Debates e Tendências, Passo Fundo, v. 19, n. 1, , p. 147-157, jan./abr. 2019.

SÉGUY, Isabelle et al. Vers une anthropologie des catastrophes. Paris: INED, 2009.

THE LITTLE ice age: climate and history reconsidered. The Journal of Interdisciplinary History, Cambridge, v. 44, n.3, p. 299-300, 2014.

Downloads

Publicado

13-08-2021

Como Citar

RODRIGUES, J. M. D. S. APRESENTAÇÃO - Catástrofes, crises e respostas políticas e sociais. Antíteses, [S. l.], v. 14, n. 27, p. 287–294, 2021. DOI: 10.5433/1984-3356.2021v14n27p287. Disponível em: https://ojs.uel.br/revistas/uel/index.php/antiteses/article/view/42759. Acesso em: 3 mar. 2024.