Professores pesquisadores e o desafio de trabalhar com a História difícil: uma experiência de estágio supervisionado

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5433/1984-3356.2018v11n22p613

Palavras-chave:

Pesquisa – Formação de professores – História Difícil – Epistemologia - Estudantes.

Resumo

Há evidências de que os Cursos superiores de História ainda mantém uma dicotomia entre os estudantes do Bacharelado, formados para ser os historiadores, pesquisadores, e os estudantes da Licenciatura, voltados ao aprendizado de metodologias e recursos para repassar o conhecimento desenvolvido pela Academia na Educação Básica. Ao promover uma formação inicial, ressignificando a função dos professores de História com historiadores, sobretudo com a identificação da pesquisa, os futuros professores de História reconhecem na sua ciência de referência as condições de produção de conhecimento e do desenvolvimento de aulas mais significativas, sobretudo quando os conteúdos dizem respeito à Burdening History, ou História Difícil.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Adriane de Quadros Sobanski, Universidade Federal do Paraná

Doutora em Educação pela Universidade Federal do Paraná. Professora da Secretaria de Estado da Educação do Paraná–SEED. Pesquisadora associada ao Laboratório de Pesquisa em Educação Histórica–Lapeduh da Universidade Federal do Paraná.

Camila Quadros, Universidade Federal do Paraná

Graduada em História pela Universidade Federal do Paraná.

Referências

ARROYO, Miguel González. Revendo os vínculos entre trabalho e educação: elementos materiais da formação humana. In: SILVA, Tomaz Tadeu da (org.) Trabalho, educação e prática social. Porto Alegre: Artes Médicas, 1991. p. 163-216.

CAINELLI, Marlene. A relação entre conteúdo e metodologia no ensino de História: apontamentos para repensar a formação de professores, bacharéis ou profissionais de História. Saeculum: Revista de História, João Pessoa, n. 6-7, p. 71-83, jan./dez. 2001.

CAINELLI, Marlene; SCHMIDT, Maria Auxiliadora. Introdução: percursos das pesquisas em educação histórica: Brasil e Portugal. In: CAINELLI, Marlene; SCHMIDT, Maria Auxiliadora. Educação histórica: teoria e pesquisa. Ijuí: Unijuí, 2011. p. 9-17.

COOPER, Hilary. Aprendendo e ensinando sobre o passado a crianças de três a oito anos. Educar em Revista, Curitiba, n. esp., p. 171-190, 2006.

DIAS, José Carlos; CAVALCANTI FILHO, José Paulo; KEHL, Maria Rita; PINHEIRO, Paulo Sérgio; DALLARI, Pedro Bohomoletz de Abreu;
CUNHA, Rosa Maria Cardoso da. Mortos e desaparecidos políticos. Relatório da Comissão Nacional da Verdade. Brasília: CNV, 2014. v. 3.

LISTON, Daniel Patrick; ZEICHNER, Kenneth M. Formación del profesorado y condiciones de la escolarización. Madrid: Morata, 1997.

NÓVOA, António. Os professores e o “novo” espaço público da educação. In: TARDIF, Maurice; LESSARD, Claude (org.). O ofício do professor: história, perspectivas e desafios internacionais. São Paulo: Vozes, 2002. p. 217-233.

RÜSEN, Jörn. Razão histórica. Teoria da História: os fundamentos da ciência histórica. Brasília: Editora UnB, 2001.

SCHMIDT, Maria Auxiliadora. Aprendizagem da “burdening history”: desafios para a educação histórica. Mneme, Caicó, v. 16, n. 36, jan./jul. 2015. p. 10-26.

SCHMIDT, Maria Auxiliadora. Formação do professor de História no Brasil: embates e dilaceramentos em tempos de desassossego. Revista Educação (UFSM), Santa Maria, v. 40, n. 3, p. 517-528, set./dez. 2015.

SOBANSKI, Adriane de Quadros. Como os professores e jovens estudantes do Brasil e de Portugal se relacionam com a ideia de África. 2008. 147 f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2008.

SOBANSKI, Adriane de Quadros. Formação de professores de História: educação histórica, pesquisa e produção de conhecimento. 2017. 260 f. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2017.

VON BORRIES, Bodo. Jovens e consciência histórica. Curitiba: W.A. Editores, 2016

Downloads

Publicado

30-01-2019

Como Citar

SOBANSKI, A. de Q.; QUADROS, C. Professores pesquisadores e o desafio de trabalhar com a História difícil: uma experiência de estágio supervisionado. Antíteses, [S. l.], v. 11, n. 22, p. 613–634, 2019. DOI: 10.5433/1984-3356.2018v11n22p613. Disponível em: https://ojs.uel.br/revistas/uel/index.php/antiteses/article/view/34870. Acesso em: 18 abr. 2024.