Do lixão ao aterro: uma história socioambiental de Guarapuava/PR (1971-2011)

Autores

  • Vladson Paterneze Cunha Universidade Estadual de Londrina - UEL

DOI:

https://doi.org/10.5433/1984-3356.2014v7n14p547

Palavras-chave:

História, Políticas públicas, Lixo, Guarapuava

Resumo

Partindo do pressuposto de que é possível historicizar o lixo e as relações sociais das quais resulta, demonstrando assim suas inter-relações com outros temas sociais, ambientais, políticos e econômicos nas sociedades capitalistas, procuramos compreender como foram formadas as políticas públicas ambientais relativas aos resíduos sólidos urbanos na cidade de Guarapuava, interior do estado do Paraná, entre os anos de 1971 e 2011. Utilizamos como fonte histórica os planos de gerenciamento de resíduos, leis, debates legislativos em atas, relatórios da administração municipal e jornais locais demonstrando de que forma o lixo se tornou um problema social, político e ambiental exigindo por parte dos representantes do Estado soluções adequadas. Empregando um referencial teórico-metodológico baseado no materialismo histórico, demonstramos que o problema do lixo se agrava na sociedade capitalista devido ao aumento da produção e do consumo que desconsidera os efeitos negativos de tais práticas para a natureza e para a sociedade. Assim, as soluções para os problemas relacionados ao lixo no meio urbano são vistas hegemonicamente por um aspecto técnico-econômico, segundo o qual todos os problemas são passíveis de serem resolvidos, bastando no caso do lixo, melhorar os sistemas de reciclagem ou implantar um aterro sanitário, opção esta adotada em Guarapuava.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Vladson Paterneze Cunha, Universidade Estadual de Londrina - UEL

Especialista em História Social pela Universidade Estadual de Londrina. Mestre em História Social pela Universidade Estadual de Londrina.

Downloads

Publicado

19-12-2014

Como Citar

CUNHA, V. P. Do lixão ao aterro: uma história socioambiental de Guarapuava/PR (1971-2011). Antíteses, [S. l.], v. 7, n. 14, p. 547–548, 2014. DOI: 10.5433/1984-3356.2014v7n14p547. Disponível em: https://ojs.uel.br/revistas/uel/index.php/antiteses/article/view/20590. Acesso em: 18 maio. 2024.