Políticas públicas e as pesquisas sobre o uso do tempo no enfrentamento das desigualdades de gênero

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5433/1679-4842.2019v22n1p117

Palavras-chave:

uso do tempo, pesquisas sobre o uso do tempo, desigualdades de gênero.

Resumo

As pesquisas sobre o uso do tempo buscam informações sobre as diversas atividades que os indivíduos realizam ao longo de um determinado período, geralmente um dia — 24 horas. Com isso, ilustram um retrato do cotidiano das pessoas, abrangendo todas as atividades humanas realizadas. Configuram-se como uma das maneiras de avaliar como o recurso tempo é utilizado de maneira distinta entre homens e mulheres, entre os grupos etários, entre pessoas de variados grupos raciais e de diferentes classes sociais. Este artigo, apoiado em revisão bibliográfica, tem como objetivo central apresentar um breve histórico sobre as pesquisas de uso do tempo no cenário mundial e na América Latina evidenciando as poucas pesquisas quantitativas sobre o uso do tempo realizadas no Brasil e as lacunas que tal processo produz na proposição de políticas públicas direcionadas a equacionar as desigualdades de gênero no país.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Tassiane Antunes Moreira, Universidade Federal de Santa Catarina

Assistente Social, Mestre em Serviço Social pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Brasil.

Liliane Moser, Universidade Federal de Santa Catarina

Assistente Social, Doutora em Serviço Social pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP), Professora do Programa de Pós-graduação em Serviço Social e do Departamento de Serviço Social da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Brasil.

Referências

ARAYA, M. J. Un acercamiento a las encuestas sobre el uso del tiempo con orientación de género. Santiago de Chile: Cepal — Unidad Mujer y Desarrollo, 2003

ÁVILA, M. B. Vida cotidiana e o uso do tempo pelas mulheres. VIII Congresso Luso-afro-brasileiro de Ciências Sociais, Coimbra, p.1–12, set. 2004.

BANDEIRA, L. M; PRETURLAN, R. B. As pesquisas sobre o uso do tempo e a igualdade de gênero no Brasil. In: FONTOURA, Natália; ARAÚJO, Clara. Uso do Tempo e Gênero. Rio de Janeiro: UERJ, 2016. p. 43–57.

BARAJAS, M. de la P. Avanços na América Latina na medição e valoração do trabalho não remunerado realizado pelas mulheres. In: FONTOURA, Natália; ARAÚJO, Clara. Uso do Tempo e Gênero. Rio de Janeiro: UERJ, 2016. Cap. 1. p.21–42.

CAVALCANTI, L. G. de A.; PAULO, M. A.; HANY, F. E. S. A pesquisa piloto de uso do tempo do IBGE 2009/2010. In: Seminário Internacional Fazendo Gênero 9: Diásporas, Diversidades, Deslocamentos. 2010. Florianópolis: UFSC, 2010. p. 1–10.

CEDAW. Comité para la Eliminación de la Discriminación contra la Mujer. Recomendação Geral no 16, décimo período de sessões. 1991. Disponível em: <http://www.un.org/womenwatch/daw/cedaw/recommendations/recomm-sp.htm>. Acesso em: 7 dez. 2017.

DEDECCA, C. S. Tempo, Trabalho e Gênero. In: COSTA, Ana Alice et al. Reconfiguração das relações de gênero no trabalho. São Paulo: CUT, 2004. Cap. 2. p. 21–52. Disponível em: <http://library.fes.de/pdf-files/bueros/brasilien/05632.pdf>. Acesso em: 10 set. 2017.

ELIAS, N. Sobre o tempo. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998.

FONTOURA, N; ARAÚJO, C. Uso do Tempo e Gênero. Rio de Janeiro: UERJ, 2016. 265p.

FONTOURA, N. et al. Pesquisas de uso do tempo no Brasil: contribuições para a formulação de políticas de conciliação entre trabalho, família e vida pessoal. Revista Econômica, Rio de Janeiro, v. 12, n. 1, p.11–46, jun. 2010.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa Piloto de Uso do Tempo 2009. Primeiros Resultados. In: 12° Fórum do Sistema Integrado de Pesquisas Domiciliares, 12, 2012. Rio de Janeiro: IBGE, 2012. p. 1–60.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Website. 2018. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/. Acesso em: 25 mar. 2019.

LUNA, E. G. L; MÁRQUEZ, V. S. Clasificación de actividades de uso del tiempo para América Latina y el Caribe, CAUTAL. In: Reunión Internacional Estadísticas sobre Uso del Tiempo y Políticas Públicas, 8, Distrito Federal, México, 10 jun. 2010. (Propuesta para discusión).

MAST-KIRSCHNING, U.; LEHMANN, A.; ALBUQUERQUE, C. 1979: Convenção da ONU contra discriminação de mulheres. Revisão: Augusto Valente. Disponível em: <http://www.dw.com/pt-br/1979-convenção-da-onu-contra-discriminação-de-mulheres/a-5033580>. Acesso em: 18 dez. 2017.

ONU. Organização das Nações Unidas. Declaração e plataforma de ação de Pequim. 1995. Disponível em: <http://www.un.org/womenwatch/daw/beijing/pdf/BDPfA%20S.pdf>. Acesso em: 7 dez. 2017.

Downloads

Publicado

22-11-2019

Como Citar

MOREIRA, T. A.; MOSER, L. Políticas públicas e as pesquisas sobre o uso do tempo no enfrentamento das desigualdades de gênero. Serviço Social em Revista, [S. l.], v. 22, n. 1, p. 117–134, 2019. DOI: 10.5433/1679-4842.2019v22n1p117. Disponível em: https://ojs.uel.br/revistas/uel/index.php/ssrevista/article/view/36803. Acesso em: 12 jun. 2024.

Edição

Seção

Artigos