Aconselhamento em Planejamento Reprodutivo de Mulheres em Condições de Vulnerabilidade, segundo a percepção dos profissionais da Estratégia Saúde da Família

Autores

  • Luciana Francisco Lujan Universidade Federal de São Carlos
  • Fernanda Vieira Rodovalho Callegari Universidade Federal de São Carlos/UFSCar.
  • Maristela Carbol Universidade Federal de São Carlos/UFSCar.

DOI:

https://doi.org/10.5433/1679-4842.2019v22n1p135

Palavras-chave:

Planejamento Familiar, Aconselhamento, Vulnerabilidade, Clínica Ampliada, Estratégia Saúde da Família

Resumo

O presente artigo foi delineado a partir das vivências apreendidas como assistente social do Núcleo de Apoio à Saúde da Família e membro integrante do grupo técnico do planejamento reprodutivo da Secretaria Municipal de Saúde de São Carlos/SP. Fundamenta-se nos resultados da pesquisa de campo realizada junto aos médicos e enfermeiros da Estratégia Saúde da Família deste município, objetivando analisar o aconselhamento em planejamento reprodutivo de mulheres em condições de vulnerabilidade. A partir do material coletado, das deduções realizadas e da perspectiva do referencial teórico, norteado pelos conceitos de vulnerabilidade e clínica ampliada, realizou-se a análise por categorias temáticas. Ao reconhecerem os fatores que produzem vulnerabilidade e que influenciam o processo saúde-doença, os profissionais apontaram ser imprescindível um olhar ampliado no aconselhamento em planejamento reprodutivo dessas mulheres para produzir um cuidado em saúde mais eficaz.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Luciana Francisco Lujan, Universidade Federal de São Carlos

Pós graduada em Gestão da Clínica -Centro de Ciências Biológicas e da Saúde. Universidade Federal de São Carlos.

Fernanda Vieira Rodovalho Callegari, Universidade Federal de São Carlos/UFSCar.

Professora adjunta do Departamento de Medicina/UFSCar.

Maristela Carbol, Universidade Federal de São Carlos/UFSCar.

Docente do Curso de Graduação em Medicina e Pós Graduação em Gestão da Clínica/Universidade Federal São Carlos.

Referências

AYRES, J. R. de C. M. et al. O conceito de vulnerabilidade e as práticas de saúde: novas perspectivas e desafios. In: CZERESNIA, D; FREITAS, C. M. (orgs). Promoção da saúde: conceitos, reflexões, tendências. 2ª edição, Rio de Janeiro: Fiocruz, 2011, p. 117-139.

BARBOSA, I. R; COSTA, I. C. C. A determinação social no processo de adoecimento no contexto das populações negligenciadas [Internet]. Portal DSS-Nordeste, Recife (PE), 27 mar. 2013.

Disponível em: <http://dssbr.org/site/opinioes/a-determinacao-social-no-processo-de-adoecimento-no-ntexto-das-populacoes-negligenciadas>. Acesso em: 10 nov. 2017.

BARBOSA, T. L. A. et al. Aconselhamento em doenças sexualmente transmissíveis na atenção primária: percepção e prática profissional. Acta Paulista de Enfermagem., São Paulo, v. 28, n. 6, p. 531-538, 2015.

Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/ape/v28n6/1982-0194.pdf>. Acesso em: 15 fev. 2017.

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. 1 ed. Lisboa: 2011. 280 p. (Edições 70-Brasil).

BEDRIKOW, R; CAMPOS, G. W. S. A clínica nos documentos para a Atenção Básica no Brasil. Espaço para a Saúde-Revista de Saúde Pública., Londrina, v.18, n. 12, p. 25-35, 2017.

Disponível em: <http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/e/pdf_1>. Acesso em: 27 abr. 2018.

BEZERRA, E. de J. et al. Planejamento reprodutivo na estratégia saúde da família: estudo qualitativo sobre a dinâmica do atendimento e os desafios do programa. Arq. Ciênc. Saúde UNIPAR., Umuarama, v. 22, n.2, p. 99-108, 2018.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil [recurso eletrônico]. Brasília: Senado Federal, 1988. 3.663 KB; PDF (Coordenação de Edições Técnicas, 2015).

______. Lei nº 9.263, de 12 de janeiro de 1996. Regula o § 7º do art. 226 da Constituição Federal, que trata do planejamento familiar, estabelece penalidades e dá outras providências. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília, DF, 15 jan. 1996.

Seção 1, p. 561.

Disponível em: . Acesso em: 25 fev. 2017.

______. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Área Técnica de Saúde da Mulher. Planejamento Familiar: manual para o gestor. Brasília, 2002a. 80 p.

______. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Direitos sexuais, direitos reprodutivos e métodos anticoncepcionais. Brasília, 2009. 52 p.

______. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Humanização da Atenção e Gestão do SUS. Clínica Ampliada e compartilhada. Brasília, 2009. 64 p. (Serie B. Textos Básicos de Saúde).

______. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Diretrizes do NASF: Núcleo de Apoio à Saúde da Família. Brasília, 2010. 152 p. (Caderno de Atenção Básica, n. 27).

______. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. Acolhimento nas práticas de produção de saúde. Brasília, 2010. 44 p. (Série B. Textos Básicos de Saúde).

______. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher: princípios e diretrizes. Brasília, 2011. 82 p.

______. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Atenção Básica. Brasília, 2012, 110 p. (Série E: Legislação em Saúde).

Disponível em: <http://189.28.128.100/dab/docs/publi¬cacoes/geral/pnab.pdf>. Acesso em: 15 mar. 2018.

Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br/publicacoes/saudesexual.pdf>. Acesso em: 22 nov. 2016.

______. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Teste rápido de gravidez na Atenção Básica: guia técnico. Brasília, 2014. 16 p. (Série direitos sexuais e direitos reprodutivos) (caderno nº 8). Disponível em: . Acesso em: 13 jul. 2018.

______. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão Estratégica Participativa. II Caderno de educação popular em saúde. Brasília, 2014. 224 p.

Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes.pdf>. Acesso em: 17 set. 2018

Disponível em: . Acesso em: 10 out. 2018.

______. Presidência da República. Secretaria de Políticas para as Mulheres. Relatório Anual Socioeconômico da Mulher. Brasília, março de 2015. 181 p.

Disponível em: <https://agenciapatriciagalvao.org.br/ /2015/Raseam_completo_2014. pdf>. Acesso em: 14 jun. 2017.

COSTA, A. S da; SOUZA, J. M. P. E de; CHAGAS, M. C. Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra a Mulher – Convenção de Belém do Pará. In: LOPES, A. M. D’ÁVILA; JUCÁ, R. L. C; COSTA, A. S da. (orgs). Gênero e Tráfico de Mulheres. 1ed, Florianópolis: Conceito Editorial, 2013, p. 147- 154.

CUSTÓDIO, A; SILVA, C. R. C. A intersetorialidade nas políticas sociais públicas. In: Anais XI Seminário Nacional: Demandas Sociais e Políticas Públicas na Sociedade Contemporânea, I Mostra Nacional de Trabalho Científicos. Santa Cruz do Sul, RS: UNISC, 2015. p. 1-17.

FALKENBERG, M. B. et al. Educação em saúde e educação na saúde: conceitos e implicações para a saúde coletiva. Ciênc. Saúde Coletiva., Rio de Janeiro, v. 19, n.3, p. 847-852, 2014.

Disponível em: <http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232014193.01572013>. Acesso em: 18 mar. 2018.

GEHLING, C. R. Planejamento familiar e a possibilidade de atuação na realidade através do trabalho em equipe multiprofissional. 2014. 30 f. Trabalho de conclusão de curso (Mestrado profissional) – Faculdade de Medicina em Ensino na Saúde, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2014.

HOGAN, D. J; MARANDOLA, E. As dimensões da Vulnerabilidade. Rev. Perspectiva., São Paulo, v. 20, n. 1, p. 33-43, 2006.

Disponível em: <http://produtos.seade.gov.b.pdf>. Acesso em: 21 jan. 2017.

HOLANDA, E. R. et al. Fatores associados à violência contra as mulheres na atenção primária de saúde. Rev Bras Promç Saúde., Fortaleza, v.31, n. 1, p. 1-9, 2017. Disponível em: <http://periodicos.unifor.br/RBPS/article/view/6580>. Acesso em 01 mai. 2018.

ISNTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA (IPEA). Retrato das Desigualdades de Gênero e Raça – 1995 a 2015, p. 01-05.

LOPES, A. S. et al. O acolhimento na Atenção Básica em saúde: relações de reciprocidade entre trabalhadores e usuários. Rev. Saúde Debate., Rio de Janeiro, v.39, n. 104, p.114-123, 2015.

Disponível em: . Acesso em: 26 jun. 2018.

MALTA, D. C. et al. A implantação das prioridades da Política Nacional de Promoção da Saúde, um balanço, 2006 a 2014. Ciênc. Saúde Coletiva., Rio de Janeiro, v. 19, n. 11, p. 4301-4311, 2014.

Disponível em: . Acesso em: 6 mai. 2018.

MASSIGNAM, F. M; BASTOS, J. L. D; NEDEL, F. B. Discriminação e saúde: um problema de acesso. Rev. Epidemol. Ser. Saúde., Brasília, v. 24, n. 3, p. 541-544, 2015.

MENEZES, P. R. M. et al. Enfrentamento da violência contra a mulher: articulação intersetorial e atenção integral. Rev. Saúde Soc., São Paulo, v.23, n.3, p.778-786, 2014. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.1590/S0104-12902014000300004>. Acesso em: 22 abr. 2018.

MINAYO, M. C. de S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 10 ed. São Paulo: Hucitec, 2014. 406 p.

OLIVEIRA, R. N. G, FONSECA, R. M. G. S. A violência como objeto de pesquisa e intervenção no campo da saúde: uma análise a partir da produção do Grupo de Pesquisa Gênero, Saúde e Enfermagem. Rev Esc Enferm USP., São Paulo, v. 48, (esp 2), p.32-39, 2014.

PAIVA, C. C. N. et al. Educação em saúde segundo os preceitos do movimento feminista: estratégias inovadoras para promoção da saúde sexual e reprodutiva. Rev. Esc Anna Nery., Rio de Janeiro, v. 19, n. 4, 2015.

Disponível em: <http://www.scielo.br/readcube/.5935/1414-8145.20150092&pid>. Acesso em 19 abr. 2018.

PATRIOTA, L. M; MIRANDA. D. S. M. Aconselhamento em DST/AIDS a gestantes na atenção básica: um estudo nas UBSFs de Campina Grande/PB. In DAVI, J; MARTINHO, C. PATRITOTA, L. M., (orgs.). Seguridade Social e Saúde: tendências e desafios [online]. 2 ed. Campina Grande: EDUEPB, 2011, p. 201-218. ISBN 978-85-7879-193-3. Available from SciELO Books.

Disponível em: <http://books.scielo.org/id/zw25x >. Acesso em: 17 jan. 2018.

PEREIRA, R. C. A; RIVERA, F. J. U; ARTIMANN, E. O trabalho multiprofissional na Estratégia Saúde da Família: estudo sobre modalidades de equipes. Interface., Botucatu, v.17, n.45, p.327-340, 2013.

Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/icse/v17n45/aop0613.pdf>. Acesso em: 15 out. 2018.

Disponível em: <http://www.sites.epsjv.fiocruz.br/dicionario/html>. Acesso em jun. 2018.

RODRIGUES, V. P. et al. Práticas de trabalhadora(e)s de saúde na atenção às mulheres em situação de violência de gênero. Rev.Texto Contexto Enferm., Florianópolis, v. 23, n. 3, p. 735-743, 2014.

Disponível em: . Acesso em: 26 mai. 2017.

SALVADOR, E. S; YANNOULAS, S. C. Orçamento e financiamento de políticas públicas: questões de gênero e raça. Revista feminismos., Salvador, v. 1, n. 2, p. 01-27, 2013. Disponível em: . Acesso em: 21 mar. 2018.

SILVA, K. C. S. A assistência ao planejamento reprodutivo na Estratégia de Saúde da Família no município do Rio de Janeiro. 2011. p 115. Dissertação (Mestrado em Saúde da Criança e da Mulher) – Programa de Pós-Graduação em Saúde da Criança e da Mulher, Fundação Oswaldo Cruz/Instituto Fernandes Figueira, Rio de Janeiro, 2011.

SILVEIRA, E. C; SILVA, S. F. M. Chefia feminina: uma análise sobre a estrutura das famílias monoparentais femininas e a feminização da pobreza. In: IV Seminário CETROS Neodesenvolvimentismo, Trabalho e Questão Social, 2013, Fortaleza. Anais. Fortaleza: UECE, p.122-137. 2013.

Disponível em: <http://www.uece.breventosanais.pdf> Acesso em: 12 ago. 2018.

SOUSA, L. P; GUEDES, D. R. A desigual divisão sexual do trabalho: um olhar sobre a última década. Rev. Estudos Avançados., São Paulo, v. 30, n. 87, p. 123-139, 2016. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40142016000200123>. Acesso em: 20 jun. 2018

Downloads

Publicado

22-11-2019

Como Citar

LUJAN, L. F.; CALLEGARI, F. V. R.; CARBOL, M. Aconselhamento em Planejamento Reprodutivo de Mulheres em Condições de Vulnerabilidade, segundo a percepção dos profissionais da Estratégia Saúde da Família. Serviço Social em Revista, [S. l.], v. 22, n. 1, p. 135–156, 2019. DOI: 10.5433/1679-4842.2019v22n1p135. Disponível em: https://ojs.uel.br/revistas/uel/index.php/ssrevista/article/view/36431. Acesso em: 12 jun. 2024.

Edição

Seção

Artigos