De -landia a -olândia: abordagem morfossemântica das construções X-lândia no português do Brasil

Autores

  • Carlos Alexandre Gonçalves UFRJ - Professor Associado
  • Felipe Silva Vital UFRJ/Programa de Letras Vernáculas
  • Sandra Pereira Bernardo UERJ

Palavras-chave:

Morfologia, semântica, espaços mentais, mesclagem, formação de palavras

Resumo

Neste trabalho, descreve-se o estatuto mofossemântico das formações lexicais terminadas -lândia em português: suas características formais e as extensões de significado operadas ao longo do tempo. Para representar os aspectos fonológicos e morfológicos relevantes dessas formações, utilizamos o modelo de Booij (2005, 2010), denominado Morfologia Construcional. Por sua vez, as características semântico-cognitivas de X-(o)lândia são abordadas à luz da Teoria da Mesclagem Conceptual, de Fauconnier & Turner (2002), observando que domínios estão envolvidos e como se dá o processamento na mescla. Contamos com um corpus constituído de 114 palavras, extraídas, principalmente, de dicionários eletrônicos, como o Aurélio e o Houaiss. Procuramos mostrar que as novas formações diferem das mais antigas não apenas por apresentar a vogal fronteiriça -o- (cf. ‘Ceilândia’ vc. ‘cracolândia’), mas, sobretudo, porque ativam um frame que leva o produto a nomear locais de aglomeração, como ‘macacolândia’ (“local repleto de pessoas de cor negra”) e ‘macholândia’ (“lugar de reunião de heterossexuais masculinos para diversão e lazer”). No caso dos oniônimos, como ‘sushilândia’ (“restaurante de comida oriental”), a mescla é feita por completamento, enquanto, nas formações X-olândia, dá-se com elaboração. A principal diferença entre esses dois últimos usos recentes é a expressão de ponto de vista, pois X-olândia remete a formas quase sempre avaliadas negativamente pelo conceptualizador: não são lugares circunscritos, sendo percebidos, antes, como áreas com grande contingente de elementos depreciados pelo nomeador.

Biografia do Autor

Carlos Alexandre Gonçalves, UFRJ - Professor Associado

Professor da Faculdade de Letras da UFRJ desde 1994, instituição em que se doutorou em 1997 e na qual atua, desde 1998, no Programa de Pós-graduação em Letras Vernáculas. Tem pós-doutoramento, subvencionado pelo CNPq, em interface morfologia-fonologia pela UNICAMP. É pesquisador da área de Linguística, com ênfase em morfologia e fonologia do português, atuando, principalmente, nos seguintes temas: teoria da otimalidade, morfologia prosódica, morfologia não-concatenativa, interfaces da morfologia e processos de formação de palavras. É autor dos livros "Iniciação aos estudos morfológicos: flexão e Derivação em português" (Ed. Contexto, 2011), "Introdução à Morfologia Não-linear" (Ed. Publit, 2009) e "Otimalidade em foco: morfologia e fonologia do português" (Ed. Publit, 2009) e de diversos capítulos de livros e artigos científicos publicados tanto no Brasil quanto no exterior. É coordenador do NEMP (Núcleo de Estudos Morfossemânticos do Português), ao lado de Maria Lúcia Leitão de Almeida. Atualmente, é Professor Associado II da UFRJ e desenvolve três projetos de pesquisa nessa instituição. Bolsista de produtividade em pesquisa do CNPq desde 2000, vem orientando dissertações de mestrado, teses de doutorado e trabalhos de iniciação científica sobre questões referentes à morfologia e à fonologia do português.

Felipe Silva Vital, UFRJ/Programa de Letras Vernáculas

Aluno do Programa de Letras Vernáculas da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e bolsista do CNPq. Tem artigos publicados em morfologia em revistas especializadas na área e atua como professor de ensino médio em instituições privadas.

Sandra Pereira Bernardo, UERJ

Professora permanente do Programa de Linguística da Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Referências

AURÉLIO, Buarque de Holanda. Novo Dicionário Eletrônico Aurélio. Versão 5.0. 3ª ed. Atualizada. 1ª. impressão Editora Positivo. Positivo informática ltda, 2004.

BISOL, L. Mattoso Câmara Jr. e a palavra prosódica. DELTA, São Paulo, 20 (especial), 59-70, 2004.

BOOIJ, Geert. Compounding and Derivation. Evidence for Construction Morphology. In: W. Dressler et al. (eds.). Morphology and its Demarcations. Amsterdam / Philadelphia: John Benjamins Publishing Company, 2005, pp. 109-131.

BOOIJ, Geert. Construction morphology. Oxford: Oxford University Press, 2010. CANNON, G. Bound-morpheme items: new patterns of derivation. In: Blank, C. (ed.). Language and Civilization: a concerted profusion of essays and studies in honour of Otto Hietsch, 478-494. Frankfurt [etc.]: Peter Lang Publishers, 1992.

CANTERO, M. Formas combinantes: un estudio sobre los procesos morfológicos de truncamiento en español. Filología y Linguística, Madrid, XXX (2): 205-214, 2004.

DUQUE, P. H.; COSTA, M. A. Linguística Cognitiva: em busca de uma arquitetura de linguagem compatível com modelos de armazenamento e categorização de experiências. Natal, RN: EDUFRN, 2012.

FAUCONNIER, G. & TURNER, M. The way we think: conceptual blending and the mind’s hidden complexities. Basic Books, a Member of the Perseus Books Group, New York, 2002.

FERRARI, L. Introdução à Linguística Cognitiva. São Paulo: Contexto, 2011. FILLMORE, C. Frame semantics. In Linguistics in the Morning Calm. Seoul: Hanshin Publishing Co., 1982, p. 111-137.

HIGINO da SILVA, N. A diversidade tipológica na composição de palavras neoclássicas agro-X. Fórum linguistico, Florianópolis, v.14, n.1, p. 1779-1791, jan./mar, 2017.

HOUAISS, Antônio. Dicionário eletrônico Houaiss da Língua Portuguesa. Versão monosuário 3.0. Objetiva, 2009.

KASTOVSKY, Dieter. Astronaut, astrology, astrophysics: about combining forms, classical compounds and affixoids. In: McConchie, R. W. et al. (eds.). Selected Proceedings of the 2008 Symposium on New Approaches in English Historical Lexis (HEL-LEX 2). Somerville, MA: Cascadilla Proceedings Project, 2009, p. 1-13.

LAKOFF, G. Women, fire and dangerous things: what categories reveal about the mind. Chicago: University Press, 1987.

LEHRER, Adrienne. Scapes, holics and thons: the semantics of combining forms. American Speech, 73 (1), 1998, p. 3-28. MARINHO, Elyssa Soares; FERRARI, Lilian. Mesclagem conceptual em piadas curtas. Revista LinguíStica / Revista do Programa de Pós-Graduação em Linguística da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Volume 12, número 1, jan-jun de 2016, p. 147-160.

VIEIRA, M. F. O formativo -lândia no português brasileiro contemporâneo: radical ou afixo? Cadernos do NEMP, Rio de Janeiro, n. 3, v. 1, p. 41-51, 2012. WARREN, Beatrice. The importance of combining forms. In: Dressler, Wolfgang U., Hans C. Luschützky Oskar E. Pfeiffer & John R. Rennison (eds.). Contemporary morphology. Berlin/New York: Mouton de Gruyter, 1990, pp. 111–132.

Publicado

2018-03-04

Como Citar

GONÇALVES, Carlos Alexandre; VITAL, Felipe Silva; BERNARDO, Sandra Pereira. De -landia a -olândia: abordagem morfossemântica das construções X-lândia no português do Brasil. Signum: Estudos da Linguagem, [S. l.], v. 21, n. 3, p. 386–407, 2018. Disponível em: https://ojs.uel.br/revistas/uel/index.php/signum/article/view/25480. Acesso em: 15 jul. 2024.