Análise dos efeitos da epigalocatequina-3-galato (EGCG) de Camellia sinensis (chá verde) em modelo de hepatotoxicidade química experimental induzida pela Dietilnitrosamina (DEN)

Autores

  • Vânia Darc Castro Centro Universitário Filadélfia - UNIFIL
  • Karina de Almeida Gualtieri Centro Universitário Filadélfia - UNIFIL, Londrina, Paraná, Brasil
  • Alexandre Yukio Saito Universidade Estadual de Londrina
  • Roberto Iemitsu Tatakihara Universidade Estadual de Londrina, Londrina, PR
  • Julie Massayo Maeda Oda Universidade Estadual de Londrina.
  • Luiz Antonio Custodio Universidade Estadual de Londrina
  • Pedro Sebastião Raimundo Dionizio Filho Universidade Estadual de Londrina.
  • Jair Tonon Universidade Estadual de Londrina.
  • Thiago Cezar Fujita entro Universitário Filadélfia - UNIFIL, Londrina, Paraná.
  • Leandra Fiori Lopes Universidade Estadual de Londrina
  • Marla Karine Amarante Universidade Estadual de Londrina

DOI:

https://doi.org/10.5433/1679-0367.2013v34n2p215

Palavras-chave:

Hepatotoxicidade, Dietilnitrosamina (DEN), Epigalocatequina-3-galato (EGCG), Lactato desidrogenase (LDH).

Resumo

A Dietilnitrosamina (DEN), uma substância reconhecidamente hepatotóxica e carcinogênica, foi utilizada na indução da necrose hepática centrolobular em ratos isogênicos Lewis divididos em 5 grupos de 5 animais. O objetivo deste estudo foi avaliar o efeito quimiopreventivo da epigalocatequina-3-galato (EGCG), de Camellia sinensis (chá verde) no tratamento da hepatotoxicidade celular induzida pela DEN. Foi mensurada a concentração sérica da alanina aminotransferase (ALT) e aspartato aminotransferase (AST) dos diferentes grupos experimentais. No ensaio bioquímico para AST e ALT, houve diferença significativa entre os valores médios do grupo controle (163±70,32) comparado ao grupo DEN (1631±1039,44), sugerindo que a DEN influencia na função hepática. Entretanto, não houve diferença significativa entre o grupo DEN e o tratado com epigalocatequina. A lactato desidrogenase (LDH) é considerada um marcador bioquímico comum para avaliação da progressão tumoral, e em relação ao LDH, as amostras não apresentaram diferenças significativas entre o grupo DEN (1385,5±43,13) e DEN + EGCG 150mg ou DEN + EGCG 200mg (1537,5±1010,45). Neste trabalho foi demonstrado que a epigalocatequina nas concentrações de 150 e 200 mg/Kg não induziram alterações hepáticas e também não foi possível verificar nenhuma quimioproteção pela EGCG em animais inicialmente tratados com DEN durante 24 horas. Sendo assim, novos experimentos com diferentes concentrações de EGCG são necessários para comprovar seu possível efeito quimioprotetor.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Vânia Darc Castro, Centro Universitário Filadélfia - UNIFIL

Técnica do Laboratório de Estudos e Aplicações de Polimorfismos de DNA - LEAP DNA e Nutricionista graduada pelo Centro Universitário Filadélfia – UNIFIL

Karina de Almeida Gualtieri, Centro Universitário Filadélfia - UNIFIL, Londrina, Paraná, Brasil

Docente de Patologia, Centro Universitário Filadélfia - UNIFIL, Londrina, Paraná, Brasil. CEP: 86020-000 – Londrina – Paraná, Brasil. 

Alexandre Yukio Saito, Universidade Estadual de Londrina

Docente do Depto. Ciências Patológicas, Laboratório de Patologia, Universidade Estadual de Londrina, Campus Universitário.

Roberto Iemitsu Tatakihara, Universidade Estadual de Londrina, Londrina, PR

Técnico do Hospital Universitário, Universidade Estadual de Londrina, Londrina, PR, Brasil.

Julie Massayo Maeda Oda, Universidade Estadual de Londrina.

Doutora em Patologia Experimental, Laboratório de Estudos e Aplicações de Polimorfismos de DNA - LEAP DNA. Universidade Estadual de Londrina.

Luiz Antonio Custodio, Universidade Estadual de Londrina

Docente de Parasitologia Clínica, Laboratório de Parasitologia Clínica, Universidade Estadual de Londrina,

Pedro Sebastião Raimundo Dionizio Filho, Universidade Estadual de Londrina.

Técnico do Depto. Ciências Patológicas, Laboratório de Patologia, Universidade Estadual de Londrina.

Jair Tonon, Universidade Estadual de Londrina.

Docente do Depto. Ciências Patológicas, Laboratório de Patologia, Universidade Estadual de Londrina.

Thiago Cezar Fujita, entro Universitário Filadélfia - UNIFIL, Londrina, Paraná.

Docente de Patologia, Centro Universitário Filadélfia - UNIFIL, Londrina, Paraná, Brasil.

Leandra Fiori Lopes, Universidade Estadual de Londrina

Mestre em Patologia Experimental, Laboratório de Estudos e Aplicações de Polimorfismos de DNA - LEAP DNA. 

Marla Karine Amarante, Universidade Estadual de Londrina

Docente do Depto. Análises Clínicas e Toxicológicas, Laboratório de Hematologia, Universidade Estadual de Londrina.

Downloads

Publicado

2013-12-19

Como Citar

1.
Castro VD, Gualtieri K de A, Saito AY, Tatakihara RI, Oda JMM, Custodio LA, Dionizio Filho PSR, Tonon J, Fujita TC, Lopes LF, Amarante MK. Análise dos efeitos da epigalocatequina-3-galato (EGCG) de Camellia sinensis (chá verde) em modelo de hepatotoxicidade química experimental induzida pela Dietilnitrosamina (DEN). Semin. Cienc. Biol. Saude [Internet]. 19º de dezembro de 2013 [citado 12º de junho de 2024];34(2):215-28. Disponível em: https://ojs.uel.br/revistas/uel/index.php/seminabio/article/view/5483

Edição

Seção

Artigos