Prevalência e perfil de sensibilidade antimicrobiana de bactérias isoladas de pacientes internados em Unidade de Terapia Intensiva de um hospital universitário do Sertão de Pernambuco

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5433/1679-0367.2021v42n1p15

Palavras-chave:

Anti-Infecciosos, Unidade de Terapia Intensiva, bactérias.

Resumo

O objetivo desse trabalho foi determinar a prevalência e o perfil de sensibilidade das espécies bacterianas isoladas de pacientes internados na UTI de um Hospital Universitário do Sertão de Pernambuco. Foi realizado um estudo retrospectivo através da análise descritiva dos resultados do diagnóstico microbiológico laboratorial do próprio serviço, provenientes de hemoculturas, uroculturas e aspirados traqueais dos pacientes internados na UTI, durante o período de janeiro a junho de 2019. Um total de 394 amostras clínicas foram obtidas, divididas entre hemoculturas; uroculturas e aspirados traqueais, sendo que destas 144 foram positivas para espécies bacterianas. O aspirado traqueal foi o material clínico com maior percentual de culturas positivas (67,4%). A bactéria mais prevalente isolada dos indivíduos na UTI foi Acinetobacter baumannii (22,9%), seguida de Pseudomonas aeruginosa (19,2%), Staphylococcus aureus (16,7%), Klebsiella pneumoniae (15,2%) e Staphylococcus coagulase-negativa (SCN- 8,3%). A maioria das espécies isoladas apresentaram um perfil de sensibilidade reduzido aos fármacos ?-lactâmicos, especialmente ampicilina, penicilina e carbapênemicos, independente da amostra clínica. Os bacilos gram-negativos apresentaram elevada sensibilidade a colistina. As informações deste estudo permitem reconhecer a frequência das espécies bactérias mais isoladas envolvidas em IRAS na UTI e poderão nortear o tratamento das infecções e diminuir a pressão seletiva de bactérias multirresistentes, servindo como modelo assistencial na vigilância bem como no controle das IRAS.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Carine Rosa Naue, Hospital universitário da Universidade Federal do Vale do São Francisco

Doutorado em Fitopatologia e Bacteriologia pela Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE), Recife, Pernambuco, Brasil. Microbiologista do Laboratório de Análises Clínicas da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh) no Hospital Universitário da Universidade Federal do Vale do São Francisco (HU-Univasf), Petrolina, Pernambuco, Brasil.

Maria Ianne Moreira Leite, Universidade Federal do Vale do São Francisco

Graduação em Ciências Farmacêuticas pela Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf), Petrolina, Pernambuco,
Brasil

Andréa Colombo, Universidade Federal do Vale do São Francisco

Doutorado em Ciências (Microbiologia) pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil. Professora Adjunta do Curso de Ciências Farmacêuticas da Universidade Federal do Vale do São Francisco, Petrolina,
Pernambuco, Brasil.

Carine Freitas Silva, Faculdade São Francisco de Juazeiro (FASJ)

Graduanda em Fisioterapia na Faculdade São Francisco de Juazeiro (FASJ), Juazeiro, Bahia, Brasil.

Referências

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Programa Nacional de Prevenção e Controle de Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde (2016-2020). Brasília: ANVISA; 2016.

Alves NLS, Oliveira CR, Silva LAP, Gervásio SMD, Alves SR, Sgavoli GM. Hemoculturas: estudo da prevalência dos microrganismos e o perfil de sensibilidade dos antibióticos utilizados em Unidade de Terapia Intensiva. J Health Sci Institute. 2012; 30(1):44–7.

Arcanjo R, Oliveira AC. Fatores associados à colonização axilar por microrganismo resistente em pacientes na Unidade de Terapia Intensiva. Rev. Atenção à Saúde. 2017; 15(51):11-7. doi: 10.13037/ras.vol15n51.3941.

Baptista MGFM. Mecanismos de Resistência aos Antibióticos [tese]. Lisboa (PRT): Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias; 2013.

Canzi KR, Colacite J. Frequência de pneumonia associada à ventilação mecânica com base em resultados de culturas quantitativas de secreções traqueais. RBAC. 2016; 48(2):118-22.

Clinical and Laboratory Standards Institute. Performance standards for antimicrobial susceptibility testing. Document M100–S19. Wayne (PA); 2009

Cunha MN, Linardi VR. Incidence of bacteremia in a tertiary hospital in eastern Minas Gerais. Rev Med Minas Gerais. 2013; 23(2):146-50. doi:10.5935/2238- 3182.20130024.

Damasceno DD, Terra FS, Dutra PO, Libânio SIC. Perfil da incidência bacteriana e resistência antimicrobiana em uma instituição hospitalar. Rev Min Enferm. 2008; 12(1):104-9. doi: S1415- 27622008000100015.

Ferreira NLV, Nolasco ML, Espíndula BM. Principais infecções hospitalares que se desenvolvem nas Unidades de Terapia Intensiva (UTI) e quais os procedimentos básicos para evitar sua proliferação. Revista Eletrônica de enfermagem [internet]. 2010; 1(1):1-13. Disponível em: http://www.ceen.com.br/revistaeletronica

Freire ILS, Araujo RO, Vasconcelos QLD, Menezes LCC, Costa IKF, Torres GV. Perfil microbiológico de sensibilidade bacteriana das hemoculturas de unidade de terapia intensiva pediátrica. Rev Enferm UFSM. 2013; 3(3):429-39. doi: 10.5902/217976928980.

French GL, Shannon KP, Simmons N. Hospital outbreak of Klebsiella pneumoniae resistant to broad-spectrum cephalosporins and b-lactam-b-lactamase inhibitor combinations by hiperproduction of SHV-5 b-lactamase. J. clin. Microbiol. 1996; 34: 358-63.

Giunta APN, Lacerda RA. Inspeção dos Programas de Controle de Infecção Hospitalar dos serviços de saúde pela Vigilância Sanitária: diagnostico de situação. Rev Esc Enferm USP. 2006; 40(1):64-70. doi:10.1590/S0080-62342006000100009.

Gomes AC, Carvalho PO, Lima ETA, Gomes ET, Valença MP, Cavalcanti ATA. Caracterização das infecções relacionadas à assistência à saúde em unidade de terapia intensiva. Rev. Enf UFPE on line [internet]. 2014; 8(6):1577-85. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistaenfermagem/article/viewFile/9848/10059

Leopoldo VC, Andrade D, Hass VJ. Ocorrência de bactérias multiresistentes em um centro de terapia intensiva de hospital brasileiro de emergências. Rev Bras Ter Intensiva. 2006; 18(1): 4-12. doi: 10.1590/S0103-507X2006000100006

Magalhães LS, Abreu ES, Pussente CG, Oliveira CGA. Incidência e perfil de sensibilidade e resistência das estirpes bacterianas isoladas das hemoculturas de um hospital oncológico. Rev. Cient Faminas. 2014; 10(2):39-53.

Miller AC, Polgreen LA, Polgreen PM. Optimal Screening Strategies for Healthcare Associated Infections in a Multi-Institutional Setting. PLoS Comput Biol. 2014;10(1). doi: 10.1371/journal.pcbi.1003407

Munera JMV, Villamil GR, Quiceno JNL. Acinetobacter baumannii: importancia clínica, mecanismos de resistencia y diagnóstico. CES Medicina. 2014; 28(2):233-46.

Naue CR, Ribeiro T, Ribeiro R, Batista K, Aquino S. Ocorrência e perfil bacteriano de culturas coletadas em pacientes internados na unidade de terapia intensiva em um hospital terciário. HU Rev. 2019; 45(2): 122-33. doi:10.34019/1982-8047.2019.v45.25933.

Ochoa SA, Lopez-Montiel F, Escalona G, Cruz-Córdova A, Dávila LB, López-Martínez B, et al. Pathogenic characteristics of Pseudomonas aeruginosa strains resistant to carbapenems associated with biofilm formation. Bol Med del Hospital Infantil de Mexico. 2013; 70(2):138-50.

Oliveira AC, Wanessa TC, Thabata CL, Glaucia HM. Infecções hospitalares e resistência microbiana e imunidade de cuidados intensivos de um hospital universitário. Braz J Nurs. 2006; 5(2). doi: https://doi.org/10.5935/1676-4285.2006311.

Oliveira ACC, Silva ACO. Prevalência de infecção do trato urinário relacionada ao cateter vesical de demora em pacientes de UTI. Rev. Pesq. em Saúde. 2010; 11(1):27-31.

Oliveira ALD, Soares MM, Santos TCD, Santos A. Mecanismos de resistência bacteriana a antibióticos na infecção urinária. Rev. Uningá. 2014; 20(3):65-71.

Paula JD Junior, Gonçalves JC, Tinoco ALA, Coelho RO, Peron GR. Identificação e perfil de sensibilidade de bactérias em garrotes de uso hospitalar. Rev Ciênc Farm Básica Apl. 2013; 34(2):269-73.

Paula VG, Quintanilha LV, Silva FAC, Rocha HF, Santos FL. Enterobactérias produtoras de carbapenemase: prevenção da disseminação de superbactérias em UTI’s. Universitas: Ciênc. Saúde. 2016; 14(2):175-85. doi: 10.5102/ucs.v14i2.3847.

Pimentel NMS. Infeções em Cateteres de Hemodialisados [tese]. Porto (PRT): Universidade Fernando Pessoa; 2014.

Reis HPLC, Vieira JB, Magalhães DP, Sartori DP, Fonseca DB, Viana JM, et al. Avaliação da resistência microbiana em hospitais privados de Fortaleza – Ceará. Rev Bras Farm. 2013; 94(1):83-7.

Rocha LF, Leme NA, Brasileiro ME. A Atuação da Comissão de Controle de Infecção em Serviços de Saúde na Unidade de Terapia Intensiva: O que fazer?. Rev. Eletr. Enf. Centro de Estudos de Enfermagem e Nutrição [internet]. 2010; 1(1):1-16. Disponível em: http://www.ceen.com.br/revistaeletrônica

Silbert S, Rosa DD, Matte U, Goldim JR, Barcellos SH, Procianoy R. Staphylococcus sp coagulase negativa em hemoculturas de pacientes com menos de sessenta dias de idade: infecção versus contaminação? J Pediatria. 1997; 73(3):161-5.

Silveira SA, Araújo MC, Fonseca FM, Okura MH, Oliveira ACS. Prevalência e suscetibilidade bacteriana em infecções do trato urinário de pacientes atendidos no Hospital Universitário de Uberaba. RBAC. 2010; 42(3):157-60.

Soares LA, Nishi CYM, Wagner HL. Isolamento das bactérias causadoras de infecções urinárias e seu perfil de resistência aos antimicrobianos. Rev. Bras Med Fam e Com. 2006; 2(6).

Sousa MA, Medeiros NM, Carneiro JR, Cardoso AM. Hemoculturas positivas de pacientes da unidade de terapia intensiva de um hospital escola de Goiânia – GO. Rev. Est Vida e Saúde. 2014; 41(3):627-35. doi: 10.18224/est.v41i3.3612

Tavares, W. Antibióticos e Quimioterápicos Para o Clínico. São Paulo: Atheneu; 2006.

World Health Organization. Guidelines on Hand Hygiene in Health Care. Geneva: World Health Organizations; 2009.

World Health Organization. The Burden of Health Care-Associated Infection Worldwide: A Summary. Geneva: World Health Organizations; 2010.

Downloads

Publicado

2021-02-02

Como Citar

1.
Naue CR, Leite MIM, Colombo A, Silva CF. Prevalência e perfil de sensibilidade antimicrobiana de bactérias isoladas de pacientes internados em Unidade de Terapia Intensiva de um hospital universitário do Sertão de Pernambuco. Semin. Cienc. Biol. Saude [Internet]. 2º de fevereiro de 2021 [citado 19º de junho de 2024];42(1):15-28. Disponível em: https://ojs.uel.br/revistas/uel/index.php/seminabio/article/view/39807

Edição

Seção

Artigos