O início precoce do suporte nutricional como fator prognóstico para pacientes com sepse grave e choque séptico

Autores

  • Maria Fernanda Sacon Universidade Estadual de Londrina
  • Lucienne Tibery Queiroz Cardoso Universidade Estadual de Londrina
  • Claudia Maria Dantas de Maio Carrilho Universidade Estadual de Londrina
  • Ivanil Aparecida Moro Kauss Universidade Estadual de Londrina
  • Lais Magalhães Carvalho Universidade Estadual de Londrina
  • Luiz Fernando Tibery Queiroz Universidade Estadual de Londrina
  • Cintia Magalhães Carvalho Grion Universidade Estadual de Londrina
  • Ana Maria Bonametti Universidade Estadual de Londrina

DOI:

https://doi.org/10.5433/1679-0367.2011v32n2p135

Palavras-chave:

Suporte nutricional, Unidades de terapia intensiva, Mortalidade, Nutrição enteral, Sepse.

Resumo

O objetivo deste estudo é analisar a evolução de pacientes críticos que tiveram diagnóstico de sepse grave e utilizaram suporte nutricional precoce durante o período que permaneceram na UTI. Foi realizado estudo observacional prospectivo dos pacientes com diagnóstico de sepse grave admitidos na UTI do Hospital Universitário no período de estudo. Foi utilizada a ficha clínica do Banco de Dados do CTI do HU-UEL para a obtenção das variáveis analisadas. Com este estudo, observou-se que o suporte
nutricional foi iniciado precocemente em metade dos pacientes com diagnóstico de sepse grave ou choque séptico no período de estudo e o início precoce do suporte nutricional resultou em redução do tempo de internação na UTI. Não foi observada diferença na ocorrência de disfunções orgânicas ou na mortalidade associadas com início precoce do suporte nutricional.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Maria Fernanda Sacon, Universidade Estadual de Londrina

Acadêmica do Curso de Medicina da Universidade Estadual de Londrina; Bolsista IC/UEL.

Lucienne Tibery Queiroz Cardoso, Universidade Estadual de Londrina

Doutora em Medicina e Ciências da Saúde, Docente da disciplina de Medicina Intensiva, Departamento de Clinica Médica, Universidade Estadual de Londrina.

Claudia Maria Dantas de Maio Carrilho, Universidade Estadual de Londrina

Docente da disciplina de Medicina Intensiva, Departamento de Clinica Médica, Universidade Estadual de Londrina.

Ivanil Aparecida Moro Kauss, Universidade Estadual de Londrina

Mestre em Ciências da Saúde, Fisioterapeuta do Hospital Universitário, Universidade Estadual de Londrina.

Lais Magalhães Carvalho, Universidade Estadual de Londrina

Especialista em Fisioterapia Intensiva, Fisioterapeuta do Hospital Universitário, Universidade Estadual de Londrina.

Luiz Fernando Tibery Queiroz, Universidade Estadual de Londrina

Especialista em Cirurgia Plástica, Médico Centro de Tratamento de Queimados do Hospital Universitário, Universidade Estadual de Londrina.

Cintia Magalhães Carvalho Grion, Universidade Estadual de Londrina

Doutora em Medicina e Ciências da Saúde. Docente da disciplina de Medicina Intensiva, Departamento de Clinica Médica, Universidade Estadual de Londrina.

Ana Maria Bonametti, Universidade Estadual de Londrina

Doutora em Infectologia. Docente da disciplina de Moléstias Infecciosas, Departamento de Clinica Médica, Universidade Estadual de Londrina.?

Downloads

Publicado

2011-12-01

Como Citar

1.
Sacon MF, Cardoso LTQ, Carrilho CMD de M, Kauss IAM, Carvalho LM, Queiroz LFT, Grion CMC, Bonametti AM. O início precoce do suporte nutricional como fator prognóstico para pacientes com sepse grave e choque séptico. Semin. Cienc. Biol. Saude [Internet]. 1º de dezembro de 2011 [citado 16º de junho de 2024];32(2):135-42. Disponível em: https://ojs.uel.br/revistas/uel/index.php/seminabio/article/view/3378

Edição

Seção

Artigos