Concentração de cortisol sérico em bovinos de diferentes grupos genéticos terminados em confinamento

Autores

  • Aracele Pinheiro Pales Universidade Estadual Goiás
  • João Teodoro Padua Universidade Federal de Goiás
  • Klayto José Gonçalves Santos Universidade Estadual de Goiás
  • Karyne Oliveira Coelho Universidade Estadual de Goiás
  • Cláudia Peixoto Bueno Universidade Estadual de Goiás
  • Rafael Alves da Costa Ferro Universidade Estadual de Goiás
  • Diogo Alves da Costa Ferro Universidade Estadual de Goiás
  • Raiany Soares de Paula Universidade Estadual de Goiás

DOI:

https://doi.org/10.5433/1679-0359.2016v37n4Supl1p2601

Palavras-chave:

Força de cisalhamento, Maciez da carne, Novilhos de corte.

Resumo

Objetivou-se através deste trabalho comparar o nível sérico de cortisol em quatro grupos genéticos de bovinos terminados em confinamento. Foram avaliados 32 bovinos machos não castrados de quatro grupos genéticos, sendo estes: Nelore, Aberdeen Angus x Nelore, Caracu x Nelore e Guzerá x Nelore. As amostras de sangue foram coletadas nos dias das pesagens, a cada 28 dias e durante o abate, na sangria, para posterior dosagem do cortisol plasmático. Para a concentração de cortisol sérico, não foram encontradas diferenças significativas entre os grupos, na primeira, segunda e quarta coleta, porém na terceira coleta e na coleta do dia do abate, respectivamente o grupo Nelore (3,15?g/dL; 2,98?g/ dL), foi semelhante ao grupo Caracu x Nelore (2,02?g/dL; 2,07?g/dL) e ao grupo Guzerá x Nelore (2,33?g/dL; 2,40?g/dL) se diferindo significativamente do grupo Aberdeen Angus x Nelore (1,21?g/dL; 1,61?g/dL). Avaliando a média geral das coletas, o grupo Nelore (2,85?g/dL ± 0,87) é superior ao grupo Aberdeen Angus x Nelore (1,61?g/dL ± 0,87), porém se assemelhando aos grupos e Caracu x Nelore (2,06?g/dL ± 1,31) e Guzerá x Nelore (2,48?g/dL ± 1,16). Foi constatado ainda que animais que apresentaram valores baixos de cortisol, ganharam mais peso demonstrado pela correlação entre GMD e a média das coletas de cortisol (-0,54 e p < 0,05). Para força de cisalhamento não houve diferença entre os grupos, demonstrando ainda correlação entre força de cisalhamento e média de coleta de cortisol (0,15 e p > 0,05 ns) que não interferiu na maciez da carne destes grupos estudados.

Biografia do Autor

Aracele Pinheiro Pales, Universidade Estadual Goiás

Profa, Universidade Estadual de Goiás, UEG, São Luís de Montes Belos, GO, Brasil.

João Teodoro Padua, Universidade Federal de Goiás

Prof., UFG, Goiânia, GO, Brasil.

Klayto José Gonçalves Santos, Universidade Estadual de Goiás

Prof., Universidade Estadual de Goiás, UEG, São Luís de Montes Belos, GO, Brasil.

Karyne Oliveira Coelho, Universidade Estadual de Goiás

Profa, Universidade Estadual de Goiás, UEG, São Luís de Montes Belos, GO, Brasil.

Cláudia Peixoto Bueno, Universidade Estadual de Goiás

Profa, UEG, Campus São Luís de Montes Belos, GO, Brasil.

Rafael Alves da Costa Ferro, Universidade Estadual de Goiás

Prof., Universidade Estadual de Goiás, UEG, Câmpus São Luís de Montes Belos, GO, Brasil. Bolsista PROBIP/UEG.

Diogo Alves da Costa Ferro, Universidade Estadual de Goiás

Prof., UEG, Campus São Luís de Montes Belos, GO, Brasil.

Raiany Soares de Paula, Universidade Estadual de Goiás

Discente de Mestrado em Desenvolvimento Rural Sustentável., UEG, Campus São Luís de Montes Belos, GO, Brasil.

Downloads

Publicado

2016-09-02

Como Citar

Pales, A. P., Padua, J. T., Santos, K. J. G., Coelho, K. O., Bueno, C. P., Ferro, R. A. da C., … Paula, R. S. de. (2016). Concentração de cortisol sérico em bovinos de diferentes grupos genéticos terminados em confinamento. Semina: Ciências Agrárias, 37(4Supl1), 2601–2608. https://doi.org/10.5433/1679-0359.2016v37n4Supl1p2601

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>