Viabilidade de urediniósporos de Puccinia kuehnii e sua germinação influenciada por extratos aquosos de folhas de cana-de-açúcar

Autores

  • Fabiana Tibolla Universidade Estadual de Londrina
  • Ciro Hideki Sumida Universidade Estadual de Londrina
  • Douglas Cassaroto Peitl Universidade Estadual de Londrina
  • Marcelo Giovanetti Canteri Universidade Estadual de Londrina
  • Ana Maria Conte Castro Universidade Estadual do Norte do Paraná

DOI:

https://doi.org/10.5433/1679-0359.2013v34n5p2239

Palavras-chave:

Ferrugem alaranjada, Urediniósporos, Compostos foliares, Saccharum officinarum.

Resumo

As ferrugens contribuem para perdas de rendimentos na cultura da cana-de-açúcar. O presente estudo teve como objetivo avaliar o período de viabilidade dos urediniósporos de Puccinia kuehnii e a influência de extratos aquosos em sua germinação in vitro. Para o primeiro bioensaio (B1) foram coletadas folhas com sintomas de ferrugem alaranjada, das cultivares de cana-de-açúcar SP89 1115 e RB72 454. Estas foram armazenadas em câmara úmida, até as datas das avaliações de germinação. Os urediniósporos foram coletados das folhas e preparou-se uma suspensão em água destilada. Uma alíquota de 0,1 mL foi transferida para placas de Petri contendo meio ágar-água (15g L-1), mantidas a 20ºC, no escuro por 24 horas. As avaliações foram feitas aos 0, 1, 2, 4, 8 e 16 dias após a coleta das folhas, com cinco repetições por avaliação. No Segundo bioensaio (B2) os urediniósporos foram coletados de folhas com sintomas de ferrugem alaranjada da cultivar SP89-1115. Foi preparada uma suspensão em água destilada e uma alíquota de 0,1 mL foi transferida para placas de Petri contendo meio ágar-água e 1 mL de extratos aquosos de folhas de cana-de-açúcar. Os tratamentos constituíram-se em dois extratos aquosos: variedade suscetível RB72 454 e resistente RB86 7515 nas diluições de 1:1; 10-1; 10-2; 10-3. Foram realizadas 4 repetições. Para ambos os bioensaios avaliou-se a germinação de 200 urediniósporos/placa. Os resultados de B1 demonstraram que para a variedade SP89 1115 a porcentagem de germinação foi significativamente inferior à variedade RB72 454, respectivamente 26,4% e 93,1% na data da coleta a campo e 24,8% e 32,4% aos 16 dias após a coleta. Em B2 a porcentagem de germinação dos urediniósporos que receberam a suspensão aquosa da variedade resistente, foi em média de 7,6 pontos percentuais menor do que os que receberam a suspensão aquosa da variedade suscetível.

Biografia do Autor

Fabiana Tibolla, Universidade Estadual de Londrina

Engª Agrª, M.e em Agronomia, Universidade Estadual de Londrina, UEL, Londrina, PR.

Ciro Hideki Sumida, Universidade Estadual de Londrina

Engº Agrº Dr. em Agronomia, UEL, Londrina, PR.

Douglas Cassaroto Peitl, Universidade Estadual de Londrina

Dsicente de Graduação em Agronomia, UEL, Londrina, PR.

Marcelo Giovanetti Canteri, Universidade Estadual de Londrina

Prof. Dr. em Fitopatologia, Deptº de Agronomia, UEL, Londrina, PR.

Ana Maria Conte Castro, Universidade Estadual do Norte do Paraná

Profª. Drª em Fertilidade do solo, Deptº de Produção Vegetal, Universidade Estadual do Norte do Paraná, UENP, Bandeirantes, PR.

Downloads

Publicado

2013-10-17

Como Citar

Tibolla, F., Sumida, C. H., Peitl, D. C., Canteri, M. G., & Castro, A. M. C. (2013). Viabilidade de urediniósporos de Puccinia kuehnii e sua germinação influenciada por extratos aquosos de folhas de cana-de-açúcar. Semina: Ciências Agrárias, 34(5), 2239–2246. https://doi.org/10.5433/1679-0359.2013v34n5p2239

Edição

Seção

Comunicações

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>