Estudos semióticos: análise perceptiva e a terceiridade peirceana na obra “Jogos Infantis” de Pieter Bruegel

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5433/2236-2207.2013v4n1p249

Palavras-chave:

Leitura de Imagem, Pieter Bruegel, Semiótica

Resumo

Este trabalho propõe uma leitura semiótica da obra “Jogos Infantis” (1560) do artista Pieter Bruegel (1525-1569). A teoria de análise adotada corresponde à Semiótica Americana. A revisão de literatura sobre leitura de imagem, com base nos estudos da teoria Gestalt e nos Fundamentos da Linguagem e do Alfabetismo Visual, demonstram os aspectos estético-expressivos da imagem em estudo. Busca-se analisar a imagem da obra como processo de significação ou semiose.

 

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Marinilse Netto, Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC

Doutorado em Engenharia e Gestão do Conhecimento pela Universidade Federal de Santa Catarina.

Richard Perassi, Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC

Doutorado em Comunicação e Semiótica pela Universidade Federal de Santa Catarina.

Francisco Antônio Pereira Fialho, Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC

Doutorado em Engenharia de Produção pela  Universidade Federal de Santa Catarina.

Referências

ARGAN, Giulio Carlo. Clássico Anticlássico - O Renascimento de Brunelleschi e Bruegel. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

BAUMANN, Thereza de B. Da Iconografia, Da loucura, Da história. Revista de História Regional. Universidade Estadual de Ponta Grossa. Revista de História Regional, Departamento de História da UEPG, v.2, n.1,1997, p.69-113.
BURKE, Peter. Testemunha ocular. História e Imagem. Bauru, SP: EDUSP, 2004.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. O que é a filosofia? Trad. de Bento Prado Jr., Alberto Alonso Muñoz. Rio de Janeiro: Ed. 34, 2000.

DOMINGOS, Adenil Alfeu. O processo de semiose no não verbal. Departamento de Comunicação Social – Universidade Estadual de São Paulo (UNESP). Bauru, SP. Estudos Lingüísticos, XXXV, p. 201-208, 2006.

FIALHO, Francisco Antonio Pereira. Psicologia das atividades mentais: Introdução às ciências da cognição. Florianópolis: Insular, 2011.

FIALHO, Francisco Antonio Pereira; MACEDO, Marcelo; SANTOS, Neri dos; MITIDIERI, Tibério da Costa. Gestão do conhecimento e aprendizagem: as estratégias competitivas da sociedade pós- industrial. Florianópolis: Visual Books, 2006.

FRANCO JR., Hilário. A Idade Média; nascimento do Ocidente. 2ª ed. rev. e ampl. São Paulo: Brasiliense, 2001.

GHIZZI, Eloisa Bortolotto. Leitura como descoberta e criação de mundos. São Paulo: PUC, 2003.

GHIZZI, Eloisa Bortolotto.; MACHADO, Amanda Pires; SOUSA, Richard Perassi Luiz de. Ícones, índices e símbolos em um trecho de O nome da rosa. Semeiosis: Semiótica e transdisciplinaridade em revista. [suporte eletrônico] Disponível: http://www.semeiosis.com.br/o-nome-da-rosa/. Acesso em 11/11/2011.

GUIMARÃES, Andressa Fabiana. As relações interartes em José Saramago e Ernesto Sábato. Encontro Regional da ABRALIC 2007 - Literaturas, Artes, Saberes. 23 a 25 de julho de 2007. (FFLCH/USP). São Paulo, p.1-16.

HAGEN, Rainer; HAGEN, Rose Marie. Pieter Bruegel, o Velho. Cerca de 1525-1569-Camponeses, loucos e demônios. Benedikt Taschen, 1995.

HAUSER, Arnold. História Social da Literatura e da Arte. São Paulo: Mestre Jou, 1982.

HUGON, Pde Edouard. Os princípios da Filosofia de São Tomás de Aquino: as vinte e quatro teses fundamentais. Trad. Odila Moura. Porto Alegre: EDIPUCRS, 1998.

JOLY, Martine. Introdução à análise da imagem.11. ed. Campinas, SP: Papirus, 2007. Disponível: http://books.google.com.br/books. Acesso em 02/12/2011.

LASTRES, Helena ; ALBAGLI, Sarita. Informação e globalização na era do conhecimento. Rio de Janeiro: Campus, 1999.

MERLEAU-PONTY, Maurice. Fenomenologia da percepção. Trad. C. Moura. São Paulo: Martins Fontes, 1994.

NÖTH, Winfried. Panorama da semiótica: de Platão a Peirce. São Paulo: Annablume, 1995.

PANOFSKY, Erwin. A perspectiva como forma simbólica, Lisboa, Ed. 70, 1999.

PEIRCE, Charles Sander. Semiótica. Trad. José T. C. Neto. 3. ed. São Paulo: Perspectiva, 2000.

PERASSI, Richard Souza. Roteiro didático da arte na produção do conhecimento. Campo Grande - MS: EDUFMS, 2005.

PERASSI, Richard Souza. Semiótica. Florianópolis: UFSC, 2008.

PERASSI, Richard Souza. Teoria da forma. Florianópolis: UFSC, 2008.

PINTO, André Moreira. A Importância das contribuições de PIAGET E POLANYI em Gestão do conhecimento e aproximações na perspectiva organizacional. In: SEMINÁRIO CATARINENSE DE GESTÃO DO CONHECIMENTO E DA TECNOLOGIA, 2001.

Florianópolis. Anais ... PIZZO, Esnider. Brueghel. Coleção de Arte. Trad. Lauro Machado Coelho. São Paulo: Ed. Globo, 1997.

SANTAELLA, Lucia. A assinatura das coisas. Rio de Janeiro: Imago,1992.

SANTAELLA, Lucia. A teoria geral dos signos: semiose e autogeração. São Paulo: Ática,1995.

SANTAELLA, Lucia. Matrizes da linguagem e pensamento: sonora, visual e verbal. Iluminuras/FAPESP. São Paulo, 2001.

SANTAELLA, Lucia. O que é semiótica. Coleção Primeiros Passos (103). São Paulo: Brasiliense, 1983.

SARDELICH, Maria Emilia. Leitura de Imagens e cultura visual; desenredando conceitos para a prática educativa. Educar. Curitiba. n.27 Editora UFPR, 2006. p.203-219.

SOUZA, José Fernando Rodrigues de. A loucura na renascença: análise comparativa das obras de Erasmo e Bruegel, na perspectiva de Foucault. Perspectivas, Campo dos Goytacazes-RJ, v.4, n.7, jan/jul 2005.p.19-29

TEIXEIRA, Julio Monteiro; MATOS, Luana Marinho; PERASSI, Richard Souza. Análise semiótica da imagem de uma cadeira. Estudos Semióticos. [On-line], v. 7, n. 2, São Paulo, novembro de 2011, p. 102–109. Disponível: http://www.fflch.usp.br/dl/semiotica. Acesso em 27/01/2013.

TRINDADE, Antonio. Um olhar sobre a perspectiva linear em Portugal, nas pinturas de cavalete, tectos e abóbadas: 1470-1816. Tese (Doutorado em Belas Artes) - Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa, 2008, p. 118-122.

Downloads

Publicado

2013-11-06

Como Citar

Netto, M., Perassi, R., & Fialho, F. A. P. (2013). Estudos semióticos: análise perceptiva e a terceiridade peirceana na obra “Jogos Infantis” de Pieter Bruegel. Projetica, 4(1), 249–266. https://doi.org/10.5433/2236-2207.2013v4n1p249

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

<< < 1 2