Escrever e inscrever a maternidade por meio dos blogs

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5433/2236-6407.2019v10n3suplp85

Palavras-chave:

maternidade, mulheres, bebês, blogs, psicanálise

Resumo

Tornar-se mãe exige a elaboração de uma posição subjetiva diante do filho. As formas de enfrentamento da maternidade são singulares e revelam transformações diferentes em cada época. Nessa perspectiva, o objetivo desse trabalho é discutir algumas expressões atuais da maternidade que são reveladas em blogs. O estudo enfatiza o recurso da escrita de mulheres nesses espaços, onde elas discutem suas dificuldades com os cuidados com os bebês, a sobrecarga que esse novo lugar de mãe impõe quando vem associado a papeis profissionais, e a solidão no enfrentamento das novas tarefas. O material examinado foi retirado de alguns blogs onde as trocas revelavam novos sentidos sobre o processo de construção da maternidade. A análise foi feita com /o aporte da psicanálise winnicottiana. Tal procedimento revelou que o endereçamento à diferentes parceiras, facilitava o processo de elaboração de muitas dificuldades enfrentadas pelas mulheres com seus bebês e famílias.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Maria Consuêlo Passos, Universidade Católica de Pernambuco

Doutorado em Psicologia (Psicologia Social) pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo  Professora do Dpto. de Psicologia da Universidade Católica de Pernambuco.

Isabela Lemos Arteiro, Universidade Federal da Paraíba

Doutora em Psicologia Clínica pela Universidade Católica de Pernambuco. Professora Adjunta na Universidade Federal da Paraíba.

Referências

Ariès, P. (1978). História social da criança e da família. Rio de Janeiro: LTC.

Belo, F. R. R., Guimarães, M. R., & Fidelis, K. A. B. (2015). Pode um pai ser cuidadoso? Crítica à teoria da paternidade em Winnicott. Psicologia em Estudo, 20(2), 153-164. DOI: 10.4025/psicolestud. V 2012.24274

Benhaïm, M. (2007). Amor e ódio: a ambivalência do amor materno. Rio de Janeiro: Cia de Freud.

Braga, A. (2008). Personas materno-eletrônicas: feminilidade e interação no blog Mothern. Porto Alegre: Editora Sulina.

Ferreira, M.C., & Aiello-Vaisberg. T.M.J. (2006). O pai ‘suficientemente bom’: algumas considerações sobre o cuidado na psicanálise winnicottiana. Mudanças – Psicologia da Saúde, 14(2), 136-142.

Iaconelli, V. (2015). Mal-estar na maternidade: do infanticídio à função materna. São Paulo: Annablume.

Lipovetsky, G. (2000). A terceira mulher: permanência e revolução do feminino. (Trad. Maria Lucia Machado). São Paulo: Companhia das Letras.

Lisauskas, R. (2017a). Ser mãe é padecer na internet. Recuperado de http://emais.estadao.com.br/blogs/ser-mãe/
Lisauskas, R. (2017b). Mãe sem manual. Caxias do Sul: Belas Letras.

Lobo, L. (2007). Segredos Públicos: os blogs de mulheres no Brasil. Rio de Janeiro: Rocco.

Postman, N. (1999). O Desaparecimento da Infância. Rio de Janeiro: Graphia.

Winnicott, D.W. (2014). E o pai? In D. W. Winnicott, A criança e o seu mundo (pp. 127-133) (6ª. Ed, Trad. À. Cabral). Rio de Janeiro: LTC. (original publicado em 1949).

Winnicott, D.W (2012). Os bebês e suas mães (p.16) (4ª. Ed. Trad. Jefferson Luiz Camargo). São Paulo: Martins Fontes. (original publicado em 1988.)

Winnicott, D.W. (1989). A contribuição da mãe para a sociedade. In D. W. Winnicott, Tudo começa em casa (pp.97-100). (Trad. Paulo Sandler). São Paulo: Martins Fontes. (Original publicado em 1957).

Downloads

Publicado

2020-01-11

Como Citar

Passos, M. C., & Lemos Arteiro, I. (2020). Escrever e inscrever a maternidade por meio dos blogs. Estudos Interdisciplinares Em Psicologia, 10(3supl), 85–100. https://doi.org/10.5433/2236-6407.2019v10n3suplp85

Edição

Seção

Artigos Originais