Jogos digitais e outras metanarrativas históricas na elaboração do conhecimento histórico por adolescentes

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5433/1984-3356.2010v3n6p925

Palavras-chave:

Ensino de história, Jogos digitais, Formação histórica

Resumo

No presente, muitas crianças, jovens e adultos –de diferentes camadas sociais– têm acesso a jogos digitais em sua casa ou em casa de amigos, na escola ou em LAN houses. Além disso, muitos desses jogos fazem uso de elementos históricos como cenário sobre o qual se desenvolvem as estratégias de jogabilidade como, por exemplo, o jogo Age of Empires. Como metanarrativas históricas eles divulgam e ao mesmo tempo contribuem para a fixação de sentidos sobre temas relacionados ao conhecimento histórico. O presente trabalho tem como objetivo problematizar a formação histórica dos adolescentes, a partir de jogos digitais, principalmente o Age of Empires. Essa problematização será feita a partir do estudo feito com um grupo de adolescentes, entre 12 e 14 anos, alunos das 6ª, 7ª e 8ª séries da Escola Básica Municipal Luiz Cândido da Luz, em Florianópolis/SC.Interessa, aqui, pensar qual formação histórica é produzida pelos adolescentes que consomem jogos digitais? Quais passados são acessados por eles? E, principalmente, quais significados são produzidos sobre a história nesse processo?

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Cristiani Bereta da Silva, Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC

Doutora em História pela Universidade Federal de Santa Catarina. Professora da Universidade do Estado de Santa Catarina.

Referências

ARRUDA, Eucidio Pimenta; SIMAN, Lana Mara de Castro. Jogos digitais, juventude e as operações da cognição histórica. In: FONSECA, Selva Guimarães (org.). Ensinar e aprender história: formação, saberes e práticas educativas. Campinas: Alínea, 2009ª. p. 231-252.

ARRUDA, Eucidio Pimenta; SIMAN, Lana Mara de Castro. Jogos digitais podem ensinar História? In: FONSECA, Selva Guimarães (org.). Ensino Fundamental: conteúdos, metodologias e práticas. Campinas: Alínea, 2009b. p. 267-291.

BARCA, Isabel. A educação histórica numa sociedade aberta. Currículo sem Fronteiras, v. 7, n. 1, p. 5-9, jan./jun. 2007.

BARCA, Isabel. Investigação em educação histórica: fundamentos, percursos e perspectivas. In: OLIVEIRA, Margarida Dias de; CAINELLI, Marlene Rosa; OLIVEIRA, Almir Felix Batista de. (org.). Ensino de história: múltiplos ensinos em múltiplos espaços. Natal: EDFURN, 2008. p. 23-32.

BERGMANN, Klaus. A História na reflexão didática: dossiê história em quadro-negro: escola, ensino e aprendizagem. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 9, n. 19, p. 29-42, set. 1989/fev. 1990.

CAIMI, Flávia Heloisa. Desafios e possibilidades formativas no ensino e pesquisa da didática da história. In: DALBEN, Ângela; DINIZ, Júlio; LEAL, Leiva; SANTOS, Lucíola (org.). Convergências e tensões no campo da formação e do trabalho docente. Belo Horizonte: Autêntica, 2010. p.500-517. (Coleção Didática e Prática de Ensino).

CARDOSO, Oldimar. Para uma definição de didática da história. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 28, n. 55, p. 53-170, 2008.

CERRI, Luis Fernando. Os conceitos de consciência histórica e os desafios da didática da história. Revista de História Regional, Ponta Grossa, v. 2, n. 6, p. 93-112, 2001.

COMENIUS, Jan Amos. Didática magna. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

LE GOF, Jacques. História e memória. Tradução de Bernardo Leitão. 5. Ed. Campinas: Editora da Unicamp, 2003.

LEE, Peter. Em direção a um conceito de literacia histórica: Dossiê: Educação Histórica. Educar em Revista, Curitiba, n. esp., p.131-150, 2006.

MONIOT, Henri. Didática da história. In: BURGUIÈRE, André (org.). Dicionário das ciências históricas. Rio de Janeiro: Imago, 1993. p. 225-228.

PAGÈS, Joan; FERNÁNDEZ, Antoni M. Santisteban. Cambios y continuidades: aprender la temporalidad histórica. In: FONSECA, Selva Guimarães (org.). Ensino fundamental: conteúdos, metodologias e práticas. Campinas: Alínea, 2009. p. 197-240.

RÜSEN, Jörn. Didática da história: passado, presente e perspectivas a partir do caso alemão. Práxis Educativa, Ponta Grossa, v. 1, n. 2, p. 7-16, jul./dez. 2006.

RÜSEN, Jörn. Razão histórica. Teoria da história: os fundamentos da ciência histórica. Brasília: UNB, 2001.

SCHMIDT, Maria Auxiliadora; GARCIA, Tânia Maria Braga. Pesquisas em educação histórica: algumas experiências. Educar em Revista, Curitiba, n. esp., p. 11-31, 2006.

SILVA, Cristiani Bereta da; MAFRA Jr., Antonio Celso. Os jogos para computador e o ensino de história. Diálogos possíveis. Revista em Tempo de Histórias, Brasília, n. 12, p. 201-214, jan./jun 2008. Disponível em: http://www.unb.br/ih/novo_portal/portal_his/revista/edicao_atual.htm. Acesso: 15 jan. 2009.

SIMAN, Lana Mara de Castro. A temporalidade histórica como categoria central do pensamento histórico: desafios para o ensino e a aprendizagem. In: DE ROSSI, Vera L. S.; ZAMBONI, Ernesta (org.). Quanto tempo o tempo tem! 2. ed. Campinas: Alínea, 2005. p. 109-143.

Downloads

Publicado

04-02-2011

Como Citar

SILVA, C. B. da. Jogos digitais e outras metanarrativas históricas na elaboração do conhecimento histórico por adolescentes. Antíteses, [S. l.], v. 3, n. 6, p. 925–946, 2011. DOI: 10.5433/1984-3356.2010v3n6p925. Disponível em: https://ojs.uel.br/revistas/uel/index.php/antiteses/article/view/4581. Acesso em: 14 jun. 2024.