Perspectivas geográficas da inserção dos recursos hídricos no plano diretor municipal de Descalvado – SP

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5433/got.2024.v10.49415

Palavras-chave:

paisagem, sistemas ambientais, unidades de paisagem

Resumo

A sociedade tem exibido um padrão de desenvolvimento e crescimento das cidades que destaca a arrogância do ser humano e sua crença de superioridade em relação à natureza. Esta lógica perversa é espacializada na paisagem e na organização territorial, adotando os recursos naturais como produto particular, criando um cenário de contradições nos Sistemas Ambientais. Estas contradições que emergem da relação conflituosa entre o desejo do ser humano e o discurso da sustentabilidade, precisam de uma articulação holista de análise. Contraditórias a este contexto, as cidades brasileiras têm mostrado um padrão de crescimento que negligência o fator ambiental. Neste contexto, o presente trabalho objetivou identificar e avaliar as áreas de nascentes do município de Descalvado – SP e realizar uma análise geográfica da inserção destas no Plano Diretor da cidade. Foram criadas zonas de ocupação como unidades de paisagem para a atualização do plano. Foram estabelecidas as Zonas de Proteção Permanente (ZPP), Zonas de Proteção Ambiental (ZPA) e a Zona de Expansão Urbana (ZEUR) como indicações frente às características do uso e ocupação da terra.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Caio Adorno, USP - SP

Mestre em Geografia pelo Programa de Pós-graduação em Geografia pela Universidade Federal de Alfenas. Geógrafo bacharel, formado pela Universidade Federal de Alfenas (Unifal, MG). Com ênfase em geociências e experiência em análise geoambiental. Membro e pesquisador do grupo GAEDA (Grupo de Pesquisa em Análise Espacial e Dinâmica Ambiental). Atualmente é aluno da Licenciatura em Geografia do Centro Universitário Internacional Uninter, em que participa e atua como pesquisador do grupo de Geociências Aplicadas aos Estudos dos Sistemas Fluviais Urbanos, com abordagem em planos diretores municipais e avaliação de metodologia de análises. É aluno de Doutorado do Programa de Pós Graduação em Geografia Física da Universidade de São Paulo (FFLCH-USP), no qual atua na área de análise sistêmica da paisagem e sua inserção nos planos diretores municipais, é discente da Linha de Pesquisa 04 - Paisagem e Planejamento Ambiental, em que atua no projeto "Recursos Naturais e Planejamento Territorial"

Renata Adriana Garbossa Silva, Uninter

Possui bacharelado e licenciatura em Geografia pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná (2000); Mestrado em Geologia pela Universidade Federal do Paraná (2003); Doutorado pela Universidade Federal do Paraná no Programa de pós Graduação em Geografia na linha de Pesquisa: Produção do Espaço e da Cultura (2019). Licenciatura em Pedagogia pelo Centro Universitário Internacional Uninter; (2020). Pós Graduação CIDADES 4.0: PLANEJAMENTO URBANO E TECNOLOGIAS, 2020/2021 pelo Centro Universitário Internacional Uninter. Graduanda em Engenharia Ambiental pelo Centro Universitário Internacional - UNINTER. Pós Graduação em Gestão Socioambiental e Saúde Pública (em andamento). Possui experiência no Ensino Fundamental (anos finais) e Ensino Médio, Professora do Ensino Superior desde 2003. Atualmente é professora do Centro Universitário Internacional UNINTER e coordenadora dos cursos da Área de Geociências. Atuou em órgãos públicos municipais e estaduais,sobretudo, nas áreas de planejamento urbano e na interface de projetos do governo federal junto as prefeituras municipais do Estado do Paraná.Tem experiência na área de Geociências, atuando principalmente nos seguintes temas: desenvolvimento local e regional, geografia humana, geografia urbana. Faz parte do Grupo de Pesquisa do Observatório do Espaço Público - OEP da UFPR. Coordenadora do grupo de Pesquisa "Atlas Nacional da Educação Superior - modalidade EAD: Perfil dos Discentes de Geociências", no Centro Universitário Internacional - Uninter. É Coordenadora Titular do Comitê Mulheres Regional - Curitiba. Faz parte do Conselho Avaliador da Revista Técnico-Científica do Crea-PR.

Franciele Marilies Estevam, Universidade Federal do Paraná

Mestranda em Geografia na linha de pesquisa Paisagem e Análise Ambiental, graduada em Geografia - Licenciatura e Bacharelado pela UFPR (2016). Bacharelado em Turismo pela Universidade Positivo (2009). Possui especialização em Gestão de Projetos pela Universidade Positivo (2017), e Especialização em Formação Docente para EAD pelo Centro Universitário Internacional, UNINTER. Tem experiência na área de Geociências, com ênfase em Geografia Física e pedologia. Possui experiência na área de cartografia voltada à análise ambiental e geoprocessamento. É docente dos cursos da Área de Geociências do Centro Universitário Internacional - UNINTER, no qual integra o Grupo de Pesquisa Atlas Nacional da Educação Superior Geociências.

Otacilio Lopes de Souza da Paz, Uninter

Doutor, mestre, bacharel e licenciado em Geografia pela UFPR. Professor do Centro Universitário Internacional UNINTER na área de Geociências - Biogeografia, Geomorfologia e Geoprocessamento. Desenvolve Estágio Pós-Doutoral no PPGeo/UFPR, atuando na equipe de Comunicação e Divulgação Científica (CDC) e na equipe de Geoprocessamento no Laboratório de Geoprocessamento e Estudos Ambientais (LAGEAMB/UFPR). Pesquisador no Programa de Recuperação da Biodiversidade Marinha (REBIMAR), desenvolvido pela MarBrasil com patrocínio da Petrobras. Tem pesquisas nas áreas de Geomorfologia, Biogeografia, Geoprocessamento e Análise Ambiental e Ensino de Geografia. 

Referências

AMORIM, Raul Reis. Um novo olhar na geografia para os conceitos e aplicações de geossistemas, sistemas antrópicos e sistemas ambientais. Caminhos de Geografia, Uberlândia, v. 13, n. 41, p. 80–101, 2012. DOI: 10.14393/RCG134116613. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/caminhosdegeografia/article/view/16613. Acesso em: 10 jul. 2023.

BARREIROS, André Mateus. Da paisagem como objeto da geografia: repasse teórico e sugestão metodológica. 2017. 116 f. Tese (Doutorado em Ciências) – Departamento de Geografia, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, SP, São Paulo, 2017

BERTRAND, Georges. Paysage et géographie physique globale: esquisse méthodologique. Revue géographique des Pyrénées et du Sud-Ouest, Toulouse, FR, t. 39, f. 3, p. 249 –272, 1968.

BRASIL. Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012. Institui o novo código florestal brasileiro. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, ano 149, n. 102, p. 1, 28 maio 2012.

DESCALVADO. Prefeitura Municipal. Câmara Municipal. Projeto de Lei nº 19/2015. Dispõe sobre a instituição do Plano Diretor do município de Descalvado, estabelece diretrizes gerais de política de desenvolvimento urbano e dá outras providências. Descalvado: Câmara Municipal, 2015.

DUTRA-GOMES, Rodrigo.; VITTE, Antônio Carlos. Geossistema e complexidade: sobre hierarquias e diálogo entre os conhecimentos. Ra'e Ga: Espaço Geográfico em Análise, Curitiba, PR, v. 42, p. 149-164, 2017.

EMBRAPA - EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA. A EMBRAPA nos biomas brasileiros. 2006. Disponível em: https://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream/item/82598/1/a-embrapa-nosbiomasbrasileiros.pdf. Acesso em 28/11/2019. Acesso em: 10 jul. 2023.

ERHART, Henri. A teoria bio-resistásica e os problemas biogeográficos e paleobiológicos. Notícia Geomorfológica, Campinas, SP, ano 6, n. 11, p. 51-58, jun. 1966.

GASPAR JÚNIOR, Lineu A. Investigação das características mineralógicas, químicas, texturais e tecnológicas de coberturas regolíticas argilosas da região de Alfenas (MG) visando sua aplicação industrial. 2009. 77 f. Relatório (Pós-Doutorado em Geociências) – Escola de Minas, Universidade Federal de Ouro Preto, MG, Ouro Preto, 2009.

IBGE. Brasil. São Paulo. Cidades. Descalvado. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/sp/descalvado/panorama. Acesso em: 10 jul. 2023.

IBGE. Brasil. São Paulo. Descalvado. Pesquisas. Censo Agropecuário. Rio de Janeiro: IBGE, 2017. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/sp/descalvado/pesquisa/24/27745?tipo=ranking. Acesso em: 10 jul. 2023.

IBGE. Censo brasileiro de 2010. Rio de Janeiro: IBGE, 2012.

LEPSCH, Igo F. 19 lições de pedologia. 2. ed. São Paulo: Oficina de textos, 2011.

NUNES, João Oswaldo Rodrigues. Práxis geográfica e suas conjunções. 2014. 150 f. Tese (Livre Docência em Geografia) - Faculdade de Ciência e Tecnologia, Universidade Estadual Paulista, Presidente Prudente, SP, 2014.

RIBEIRO, Rafael Silva; DIAS, Gilmar Pauli. Carta geotécnica de aptidão à urbanização de Cataguases (MG): levantamento do histórico de ocupação territorial e proposta para a expansão urbana. Anuário do Instituto de Geociências - UFRJ, Rio de Janeiro, RJ, v. 43, n. 2, p. 189-198, 2020.

RODRÍGUEZ, José Manuel Mateo; SILVA, Edson Vicente; VICENS, Raúl Sánchez. Nossos clássicos. O legado de Sochava. GEOgraphia, Niterói, RJ, ano 17, n. 33, p. 225-233, 2015.

SOCHAVA, Viktor Borisovich. Modern geography and its tasks in Siberia and the Soviet Far East. Soviet Geography, London, v. 9, n. 2, p. 80 - 95, 1968.

VILLAÇA, Flávio. Uma contribuição para a história do planejamento urbano no Brasil. In: DEÁK, Csaba; SCHIFFER, Sueli Ramos (org.). O processo de urbanização no Brasil. São Paulo: EdUSP, 1999. p. 169-243.

Downloads

Publicado

06-05-2024

Como Citar

Adorno, C., Silva, R. A. G., Estevam, F. M., & Paz, O. L. de S. da. (2024). Perspectivas geográficas da inserção dos recursos hídricos no plano diretor municipal de Descalvado – SP. Geographia Opportuno Tempore, 10(1), e49415. https://doi.org/10.5433/got.2024.v10.49415

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)