Apolônio de Carvalho: trajetória, memórias e militância política na era do antifascismo (1937-1947)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5433/1984-3356.2020v13n25p181

Palavras-chave:

Apolônio de Carvalho, Trajetória, Memórias, Militância política, Antifascismo

Resumo

O objetivo do artigo é analisar a trajetória de Apolônio de Carvalho entre os anos 1937 e 1947, bem como as memórias produzidas pelo personagem sobre este período de sua militância política. Tal contexto foi marcado pela sua adesão ao Partido Comunista do Brasil (PCB) e pela decisão de lutar ao lado dos republicanos no conflito civil espanhol (1936-1939) e, posteriormente, na Resistência francesa contra as potências nazifascistas durante a Segunda Guerra Mundial (1939-1945). Desse modo, o recorte temporal proposto contempla uma década de engajamento do personagem na luta antifascista na Espanha e na França.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Marco Antônio Machado Lima Pereira, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Doutor em História Social pela Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Referências

ACCIAI, Enrico. Albania transnational fighters: from the Spanish Civil War to the European resistance movements (1936-1945). War in History, [Essex, UK], p. 1-22, 2019.

ALMEIDA, Paulo Roberto de. Brasileiros na guerra civil espanhola: combatentes na luta contra o fascismo. Revista de Sociologia e Política, Curitiba, n. 12, p. 35-66, 1999.

BATTIBUGLI, Thaís. A solidariedade antifascista: brasileiros na guerra civil espanhola (1936-1939). Campinas: Autores Associados; São Paulo: EdUSP, 2004.

BERABA, Marcelo. Divisão das esquerdas foi fatal, afirma Apolônio. Folha de São Paulo, São Paulo, 13 jul. 1986. 2º Caderno, Exterior, p. 18.

BERNSTEIN, Serge. Culturas políticas e historiografia. In: AZEVEDO, Cecília et al. (org.). Cultura política, memória e historiografia. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2009. p. 29-45.

BISSO, Andrés. El antifascismo latinoamericano: usos locales y continentales de un discurso europeo. Asian Journal of Latin American Studies, Seúl, n. 3, p. 91-116, 2000.

BOURDIEU, Pierre. A ilusão biográfica. In: AMADO, Janaína; FERREIRA, Marieta de Moraes (org.). Usos e abusos da história oral. Rio de Janeiro: Editora FGV, 1996. p. 183-191.

CARVALHO, Apolônio de. Vale a pena sonhar. Rio de Janeiro: Rocco, 1997.

CARVALHO, Renée France de. Uma vida de lutas; organização Marly de Almeida Gomes Vianna, René Louis de Carvalho , Ramón Peña Castro. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2012.

CIERI, Alejandro. Fascismo y antifascismo en la cultura comunista: la resistencia antifascista y la internacionalización del movimiento comunista. Afers, Barcelona, v. 53/54, p. 245-265, 2006.

FERNANDEZ, Jorge Christian. Voluntários da liberdade: militares brasileiros nas forças armadas republicanas durante a guerra civil espanhola (1936-1939). 2003. Dissertação (Mestrado em História) – UNISINOS, Porto Alegre, 2003.

FERREIRA, Jorge. Apolônio de Carvalho: uma vida, muitas lutas e vários tempos. In: FERREIRA, Jorge; CARLONI, Karla (org.). A República no Brasil: trajetórias de vida entre a democracia e a ditadura. Niterói: EdUFF, 2019. p. 250-293.

GARCÍA FERNANDEZ, Hugo. Presente y futuro de una ilusión: la historiografía sobre el antifascismo desde Furet, 1995-2016. Ayer, Madrid, n. 100, p. 233-247, 2015.

GOMES, Angela de Castro. Estado Novo: ambiguidades e heranças do autoritarismo no Brasil. In: ROLLEMBERG, Denise; QUADRAT, Samantha (org.). A construção social dos regimes autoritários: Brasil e América Latina. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2011. v. 2, p. 35-70.

GRAHAM, Helen. La guerra y su sombra: la guerra civil española en la Europa del siglo XX. Tradução Sandra Kustrin. Barcelona: Crítica, 2013.

GROPPO, Bruno. Biografia e autobiografias como fontes para a história do comunismo: os trabalhos de biografia coletiva após a abertura dos arquivos do Comintern. Revista Contemporânea, Niterói, v. 2, n. 2, p. 226-250, 2012.

GROPPO, Bruno. Fascismos, antifascismos e comunismos. In: DREYFUS, Michel et. al. O século dos comunismos: depois da ideologia e da propaganda uma visão serena e rigorosa. Tradução Inês Hugon. Lisboa: Notícias, 2004. p. 579-594.

GROPPO, Bruno. Las políticas de la memoria. Sociohistórica, Buenos Aires, n. 11/12, p. 187-198, 2002.

HOBSBAWM, Eric. A era do antifascismo, 1929-45. In: HOBSBAWM, Eric. Como mudar o mundo: Marx e o marxismo, 1840-2011. Tradução Donaldson Garschagen. São Paulo: Companhia das Letras, 2011. p. 239-284.

KAREPOVS, Dainis. O “caso Besouchet” ou o lado brasileiro dos “Processos de Moscou” pelo mundo. O olho da história, Salvador, v. 12, n. 9, p. 1-10, 2006.

MEIHY, José Carlos Sebe Bom (org.). A revolução possível: história oral de soldados brasileiros na guerra civil espanhola. São Paulo: Xamã, 2009.

MENESES, Ulpiano Bezerra de. Os paradoxos da memória social. In: MIRANDA, Danilo Santos de (org.). Memória e cultura: a importância da memória na formação cultural humana. São Paulo: SESC, 2007. p. 13-33.

MOTTA, Rodrigo Patto Sá. A cultura política comunista: alguns apontamentos. In: NAPOLITANO, Marcos; CAJKA, Rodrigo; MOTTA, Rodrigo Patto Sá (org.). Comunistas: cultura política e produção cultural. Belo Horizonte: UFMG, 2013. p. 15-37.

PANDOLFI, Dulce. Camaradas e companheiros: memória e história do PCB. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 1995.

PENNETIER, Claude; PUDAL, Bernard. Uma Internacional, partidos e homens. In: DREYFUS, Michel et. al. O século dos comunismos: depois da ideologia e da propaganda uma visão serena e rigorosa. Tradução Inês Hugon. Lisboa: Notícias, 2004. p. 379-382.

PEREIRA, Marco Antônio Machado Lima. “Las armas y las letras” dos voluntários brasileiros na guerra civil espanhola: identidades, memórias e trajetórias. Porto Alegre: Multifoco, 2017.

PEREIRA, Marco Antônio Machado Lima; DALLA-CORTE CABALLERO, Gabriela. Cruzando fronteiras: as experiências de guerra dos voluntários paraguaios e brasileiros durante o conflito civil espanhol (1936-1939) retratadas no álbum fotográfico de Víctor Martínez. In: GUTIÉRREZ, Horácio (org.). A guerra civil espanhola e a América Latina. São Paulo: Terceira Margem, 2018. p. 69-92.

ROLLEMBERG, Denise. Definir o conceito de resistência: dilemas, reflexões e possibilidades. In: QUADRAT, Samantha; ROLLEMBERG, Denise (org.). História e memória das ditaduras do século XX. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2015. v. 1.

SEIDMAN, Michel. Transatlantic antifascisms: from the Spanish Civil War to the end of World War II. Cambridge: Cambridge University Press, 2018.

SKOUTELSKY, Rémi. Novedad en el frente: las Brigadas Internacionales en la guerra civil. Madrid: Ediciones Temas de Hoy, 2006.

SKOUTELSKY, Rémi. Brigadistas internacionais e resistentes. In: DREYFUS, Michel et. al. O século dos comunismos: depois da ideologia e da propaganda uma visão serena e rigorosa. Tradução Inês Hugon. Lisboa: Notícias, 2004. p. 511-525.

TRAVERSO, Enzo. Historia y memoria: notas sobre un debate. In: FRANCO, Marina; LEVIN, Florencia (comp.). Historia reciente: perspectivas y desafíos para un campo en construcción. Buenos Aires: Editorial Paidós, 2007. p. 67-96.

TRAVERSO, Enzo. A sangre y fuego: de la guerra civil europea (1914-1945). Tradução Miguel Ángel Petrecca. Buenos Aires: Prometeo Libros, 2009.

VENCESLAU, Paulo de Tarso. Memória: o general Apolônio de Carvalho. Teoria e Debate, n. 6, p. 1-18, abr/jun. 1989.

Downloads

Publicado

21-08-2020

Como Citar

PEREIRA, M. A. M. L. Apolônio de Carvalho: trajetória, memórias e militância política na era do antifascismo (1937-1947). Antíteses, [S. l.], v. 13, n. 25, p. 181–206, 2020. DOI: 10.5433/1984-3356.2020v13n25p181. Disponível em: https://ojs.uel.br/revistas/uel/index.php/antiteses/article/view/39169. Acesso em: 17 abr. 2024.

Edição

Seção

Dossiê