História difícil e etnocentrismo: o ensino de história e o genocídio de Ruanda na web

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5433/1984-3356.2018v11n22p533

Palavras-chave:

Ensino de história, História difícil, Etnocentrismo, Genocídio de Ruanda

Resumo

A consciência histórica no mundo contemporâneo tem a função vital de instituir sentido temporal à vida humana, por meio de processos específicos de aprendizagem a consciência articula passado, presente e futuro numa mesma estrutura temporal que estabelece sentido histórico ao indivíduo e ao mundo. As mudanças temporais vividas e sofridas como instabilidade carecem de novos significados no curso do tempo, necessitam de sentido histórico para continuidade das atividades humanas cotidianas. As mudanças temporais que desestabilizam a vida podem ser traumáticas, hostis, amargas, tristes, pesadas, conflitivas, difíceis de serem vividas, aquilo que o historiador e didaticista alemão Bodo von Borries (2016) chama de Burdening History, que são histórias difíceis de serem ensinadas e aprendidas, porque carregam sentimentos fortes de culpa, vergonha e luto. Com base neste pressuposto, buscou-se contribuir com debate, a partir da reflexão acerca do ensino de História sobre Ruanda, particularmente acerca do chamado genocídio de Ruanda. O estudo analisou sítios da Web de divulgação de conteúdos históricos. É crescente a utilização da internet no ambiente escolar, tanto pelas crianças e jovens, quanto pelos professores.

Biografia do Autor

Danilo Ferreira da Fonseca, Universidade Estadual do Centro-Oeste

Doutor em História pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Professor Adjunto da Universidade Estadual do Centro-Oeste.

Geyso Dongley Germinari, Universidade Estadual do Centro-Oeste

Doutor em Educação pela Universidade Federal do Paraná. Professor da Universidade Estadual do Centro-Oeste.

Referências

ADORNO, Theodor W. Educação após Auschwitz. In: ADORNO, Theodor W. Palavras e sinais:
modelos críticos 2. Petrópolis: Vozes, 1995.

AMIN, Samir. Eurocentrismo: crítica de uma ideologia. Lisboa: Dinossauro, 1994.

ARENDT. Hannah. Origens do totalitarismo. São Paulo, Cia das Letras, 1989.

BADI, Mbuyi K. África em la globalización neoliberal: las alternativas africanas. Theomai:
estudios sobre sociedad, naturaleza y desarrollo, n. 17, 2008.

BORRIES, Bodo von. Lidando com histórias difíceis. In: FRONZA, Marcelo; SCHMIDT, Maria
A. M. S.; NECHI, Lucas P. Jovens e consciência histórica. Curitiba: W.A. Editores, 2016. p. 32-41.

CAMPOS, Paulo F. de S. Ensino, a história e a lei 10.639. História & Ensino, Londrina, v. 10, p.
41-52, out. 2004.

CARAMEZ, Cláudia S. A aprendizagem histórica de professores mediada pelas tecnologias da informação e comunicação: perspectivas da educação histórica. 2014. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2014.

COMPARATO, Fábio K. A afirmação histórica dos direitos humanos. São Paulo: Saraiva, 2003.

FONSECA, Danilo F. da. África entre classes e etnias: África do Sul (1948-1994) e Ruanda (1959- 1994). Saarbrücken: Novas Edições Acadêmicas, 2015.

HABERMAS, Jürgen. Bestialidade e humanidade: uma guerra na fronteira entre o direito e a moral. Die Zeit, v. 54, p. 1-8, 1999.

LEE, Peter. Em direção a um conceito de literacia histórica. Educar em Revista, Curitiba, Especial, p. 131-150, 2006.

LEE, Peter. Por que aprender História? Educar em Revista, Curitiba, n. 42, p. 19-42, out./dez.
2011.

LEVENSON, Ellie, a shame on all humanity, The Guardian, disponível no site: https://www.theguardian.com/education/2009/mar/31/rwanda-genocide, acesso no dia 27/09/2018.

OAKESHOTT, Michael. Presente, futuro e passado. In: OAKESHOTT, Michael. Sobre a história e outros ensaios. Rio de Janeiro: Topbooks, 2003. p. 43-98.

OLIVEIRA, Jackes A. de. Educação histórica e aprendizagem da “história difícil” em vídeos do youtube. 2016. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2016.

RÜSEN, Jörn. Razão histórica: teoria da história: os fundamentos da ciência histórica.
Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2001.

RÜSEN, Jörn. Historiografia comparativa intercultural. In: MALERBA, Jurandir. (Org.). A História escrita: teoria e história da historiografia. São Paulo: Contexto, 2006.

RÜSEN, Jörn. Como dar sentido ao passado: questões relevantes de meta-história. História da Historiografia, n. 02, p. 163-209, mar. 2009.

SCHMIDT, Maria A. M. S. Aprendizagem da “burdening history”: desafios para a educação
histórica. Mneme - Revista de Humanidades, Caicó, v. 16, n. 36, p. 10-26, 21 dez. 2015.

SCHMIDT, Maria A. M. S. A educação histórica e o ensino da história difícil. GERMINARI, Geyso D.; GILLIES, Ana M. R. Ensino de história e debates contemporâneos. Guarapuava: Unicentro, 2017. p. 13-27.

SILVA, Daniel N. "Guerra civil em Ruanda". Brasil Escola. Disponível em
<https://brasilescola.uol.com.br/historiag/guerra-civil-ruanda.htm>. Acesso em 25 de setembro de 2018a.

SILVA, Érica. “Guerra Civil em Ruanda”; Uol Educação. Disponível em: https://educacao.uol.com.br/planos-de-aula/medio/historia-geral-guerra-civil-em- ruanda.htm. Acesso em 25 de setembro de 2018b.

STRAUS, Scott. The order of the genocide: race, power, and war in Rwanda. Ithaca, Cornell University Press, 2006.

Downloads

Publicado

30-01-2019

Como Citar

FONSECA, D. F. da; GERMINARI, G. D. História difícil e etnocentrismo: o ensino de história e o genocídio de Ruanda na web. Antíteses, [S. l.], v. 11, n. 22, p. 533–552, 2019. DOI: 10.5433/1984-3356.2018v11n22p533. Disponível em: https://ojs.uel.br/revistas/uel/index.php/antiteses/article/view/35078. Acesso em: 30 maio. 2023.