Do Pessach à Pascha: ressignificação dos significantes da Páscoa judaica pela Páscoa cristã

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5433/1984-3356.2017v10n19p543

Palavras-chave:

Pessach, Páscoa cristã, Ressignificação, História antiga e medieval

Resumo

Páscoa judaica e cristã são tão distintas quanto pode-se pensar a priori? Através da aplicação do conceito de ressignificação de Todd Holden (2001) às passagens bíblicas relacionadas à Páscoa, este trabalho intenta demonstrar que os relatos cristãos e judaicos estão sob um mesmo pano de fundo estrutural, na medida em que os principais significantes do Pessach são ressignificados pela Páscoa cristã. Para situar a documentação, serão abordadas questões acerca da formação e transmissão da Bíblia hebraica e do Novo Testamento, assim como o rito, narrativas e significantes que compõem o Pessach judaico e a Páscoa cristã, bem como uma discussão de por que a primeira pode ser designada como mito, enquanto a segunda é considerada memória.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Nathany Andrea Wagenheimer Belmaia, Universidade Estadual de Londrina

Mestre em História Social pela Universidade Estadual de Londrina.

Referências

ARAN, R. Los años oscuros de Jesús. Salamanca: Sígueme, 1976.

BARTHES, Roland. Elementos de semiologia. São Paulo: Cultrix, 2007.

BELMAIA, N. A. W. A datação da Páscoa: uma controvérsia na longa duração. In: SEMINÁRIO PARANAENSE DE PÓS-GRADUANDOS EM HISTÓRIA, 1., 2015, Curitiba. Anais... Curitiba: Ed. da UFPR, 2015. v. 1.

BÍBLIA. Português. Bíblia de Jerusalém. São Paulo: Paulus, 1985.

BÍBLIA. Português. Vita Constantini. Organização de Philip Schaff. Versão inglesa em domínio público. Disponível em: http://www.ccel.org/ccel/schaff/npnf201.txt. Acesso em: 1 jul. 2015.

BIMSON, J. J. Redating the exodus and conquest. SheffieId: Ed. JSOT, 1978.

BROWN, R. E. Introdução ao Novo Testamento. Tradução de Paulo F. Valério. São Paulo: Paulinas, 2004.

BURKE, P. Variedades de história cultural. Tradução de Alda Porto. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. 2000.

CABASILA, N. Explication de la divine liturgie. Paris: Les Editions du Cerf, 1967. Versão francesa: Sévérien Salaville.

CARSON, D. A.; MOO, Douglas J.; MORRIS, Leon. Introdução ao Novo Testamento. Tradução de Márcio L. Redondo. São Paulo: Vida Nova, 1997.

CASSIRER, E. Filosofia de las formas simbólicas II: el pensamiento mitico. Tradução de Armando Morones. México: Fondo de Cultura Económica, 1998.

CHAMPLIN, R. N. O Novo Testamento interpretado versículo por versículo. 2. ed. São Paulo: Hagnos, 2002.

CHARTIER, R. A história cultural: entre práticas e representações. Tradução de Maria Manoela Galhardo. Lisboa: Difel, 1990.

CHILDS, B. S. lntroduction to the Old Testument as scripture. Philadelfia: Fortress, 1979.

DILLARD, R. Introdução ao Antigo Testamento. Tradução de Sueli da Silva Saraiva. São Paulo: Vida Nova, 2006.

DUNN, J. D. G. Jesus remembered. Cambridge: Eerdmans Publishing Company, 2003.

EHRMAN, B. A brief introduction to the New Testament. Oxford: Oxford University Press, 2008.

ELIADE, M. Aspectos do mito. Tradução de Manoela Torres. Lisboa: Ed. 70, 2000.

FELDMAN, L. H. Josephus Jewish antiquities: book xx general index. Cambridge: University Press, 1965.

FERREIRA, C. A. P. O pacto da memória: interpretação e identidade na fonte bíblica. In: LEWIN, H., Identidade e cidadania: como se expressa o judaísmo brasileiro [on line]. Rio de Janeiro: Centro Edelstein de Pesquisas Sociais, 2009.

GUILOUSKI, B.; COSTA, D. R. D. Ritos e rituais. In: JORNADA INTERDISICIPLINAR DE PESQUISA EM TEOLOGIA E HUMANIDADES- JOINTH, Subjetivação contemporânea e subjetividade, 2., 2012, Curitiba, 2012, Curitiba. Anais... Curitiba: Escola de Educação e Humanidades, PUC-PR, 2012.

HOLDEN, T. Resignification and cultural re/production in japanese television commercials. M/C Journal, Brisbane, v. 4, issue 2, Apr. 2001. Disponível em: http://journal.mediaculture.org.au/0104/japtele.php. Acesso em: 1 ago. 2014.

JOSSA, G. Il cristianesimo antico. Dalle origini al Concilio di Nicea. Roma: La Nuova Italia Scientifica, 1997.

KOESTER, H. Introdução ao novo testamento: história e literatura do cristianismo primitivo. Tradução de Euclides L. Calloni. São Paulo: Paulus, 2005. v. 12.

LE GOFF, J. História e memória. Tradução de Bernardo Leitão et al. Campinas: Ed. da Unicamp, 1990.

LEMCHE, N. P. Early Israel. Leiden: E. J. Brill, 1985.

LEVIEILS, X. Contra christianos: la critique sociale et religieuse du christianisme des origenes au concile de Nicée. Berlim: Ed. WDG, 2007.

MARGUERAT, Daniel. Novo Testamento, história, escritura e teologia. Tradução de Margarida Oliva. São Paulo: Loyola, 2012.

MEIER, J. P. How do we decide what comes from Jesus. In: DUNN, J. D. G.; MCKNIGHT, S. The historical Jesus in recent research. Wiona Lake: Eisenbrauns, 2006.

MOSSHAMMER, A. The Easter computus and the origins of the Christian era. New York: Oxford University Press, 2008.

MUNIER, C. Concilia Galliae a.314-a.506. Turnhout: Brepols, 1963.

NICHOLSON, Ernest. A century of theological and religious studies in Britain, 1902-2002. Oxford: OUP British Academy, 2004.

PEIRANO, M. (Org.). O dito e o feito: ensaios de antropologia dos rituais. Rio de Janeiro: Núcleo de Antropologia da Política/UFRJ, Relume Dumará, 2002.

RICOEUR, P. A memória, a história, o esquecimento. Tradução de Alain François. Campinas: Ed. da UNICAMP, 2007.

SANDERS, J. A. Torah and Canon. Philadelphia: Fortress, 1972.

SCHMIDT, W. H. Introdução ao Antigo Testamento. Tradução de Annmarie Höhn. São Leopoldo: Sinodal, 1994.

SELLIN, E.; FOHRER, G. Introdução ao Antigo Testamento. Tradução de Matheus Rocha. São Paulo: Academia Cristã, 2007.

SILVA, P. D. Ciclo Pascal e normatização litúrgica no século VI: análise comparativa dos casos de Arles e Braga. 2009. Dissertação (Mestrado em História Comparada) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2009.

SPIRANDELI, A. Fazei isto em memória de mim (1 Cor 11, 24). Oração Eucarística: memorial da Páscoa do Senhor Jesus. Revista de Cultura Teológica, São Paulo, v. 18, n. 71, jul./set., 2010.

VIEIRA, L. S. Lições de Páscoa. Folha de São Paulo, São Paulo, 4 abr. 2010. Caderno Opinião. Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/opiniao/fz0404201008.htm. Acesso em: 1 jun. 2015.

WOODWARD, K. Identidade e diferença: uma introdução teórica e conceitual. In: SILVA, T. T. Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis: Vozes, 2000.

Downloads

Publicado

28-07-2017

Como Citar

BELMAIA, N. A. W. Do Pessach à Pascha: ressignificação dos significantes da Páscoa judaica pela Páscoa cristã. Antíteses, [S. l.], v. 10, n. 19, p. 543–564, 2017. DOI: 10.5433/1984-3356.2017v10n19p543. Disponível em: https://ojs.uel.br/revistas/uel/index.php/antiteses/article/view/27412. Acesso em: 19 maio. 2024.

Edição

Seção

Primeiros Passos