Obesidade centrípeta e disfunções metabólicas: patogenia, mensuração e papel profilático do exercício físico

Autores

  • José Luciano Tavares da Silva Universidade Estadual de Londrina
  • Dartagnan Pinto Guedes Universidade Estadual de Londrina
  • Décio Sabattini Barbosa Universidade Estadual de Londrina
  • Jair Aparecido de Oliveira Universidade Estadual de Londrina
  • Joana E. Ribeiro Pinto Guedes Universidade Estadual de Londrina

DOI:

https://doi.org/10.5433/1679-0367.2002v23n1p49

Palavras-chave:

Obesidade Centrípeta, Disfunções Metabólicas, Exercício Físico.

Resumo

pesar do excesso de gordura no corpo ser considerado como fator de risco independente para o advento de disfunções degenerativas, a concentração de gordura localizada na região do tronco e do abdome e, principalmente, aquela disposta na região intra-abdominal ou visceral é a que apresenta maior associação com distúrbios metabólicos. A concentração de gordura centrípeta constitui-se em nítido fator de risco para a chamada síndrome metabólica, também conhecida como síndrome plurimetabólica ou simplesmente “síndrome X”. Tal síndrome caracteriza-se por uma gama de disfunções endócrinometabólicas, induzindo seu portador a queda acentuada da qualidade de vida, devido a morbi-mortalidade decorrente. A prevalência da obesidade visceral e possíveis conseqüências degenerativas aparentam ser resultantes principalmente de distúrbios genéticos e endócrinos, podendo o diagnóstico ser realizado por intermédio de estimativas mediante medidas antropométricas ou por métodos de diagnóstico por imagem. Dentre os meios utilizados para a prevenção e tratamento dos altos níveis de adiposidade centrípeta, balanço energético negativo mediante reeducação alimentar e exercício físico demonstram alta eficiência, podendo a gordura localizada no tronco e no abdome, e principalmente a gordura visceral serem mobilizadas preferencialmente como fonte energética ao se confrontar com a gordura localizada em outras regiões do corpo. No que diz respeito ao exercício físico, não se observa consenso com relação ao tipo, à intensidade, à freqüência e à duração ideais, apesar de os exercícios aeróbios demonstrarem ser os mais efetivos.

 

 

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

José Luciano Tavares da Silva, Universidade Estadual de Londrina

Doutorando em Fisiologia Endócrina (Deptº de Fisiologia e Biofísica, Instituto de Ciências Biomédicas, Universidade de São Paulo).

Dartagnan Pinto Guedes, Universidade Estadual de Londrina

Professor da Universidade Estadual de Londrina (Deptº de Fundamentos da Educação Física-CEFD), Doutor em Biodinâmica do Movimento Humano pela USP-SP

Décio Sabattini Barbosa, Universidade Estadual de Londrina

Professor da Universidade Estadual de Londrina (Deptº de Patologia Aplicada, Legislação e Deontologia-CCS), Doutor em Patologia pela UNESP – Botucatu-SP)

Jair Aparecido de Oliveira, Universidade Estadual de Londrina

 

Professor da Universidade Estadual de Londrina (Deptº de Patologia Aplicada, Legislação e Deontologia-CCS), Mestrando em Análises Clínicas – Minter – USP-UEL.

 

Joana E. Ribeiro Pinto Guedes, Universidade Estadual de Londrina

 

Professora da Universidade Estadual de Londrina (Deptº de Fundamentos da Educação Física-CEFD), Mestre em Crescimento e Desenvolvimento Motor pela UFSM, Santa Maria-RS.

Downloads

Publicado

2004-07-15

Como Citar

1.
Silva JLT da, Guedes DP, Barbosa DS, Oliveira JA de, Guedes JERP. Obesidade centrípeta e disfunções metabólicas: patogenia, mensuração e papel profilático do exercício físico. Semin. Cienc. Biol. Saude [Internet]. 15º de julho de 2004 [citado 17º de maio de 2024];23(1):49-66. Disponível em: https://ojs.uel.br/revistas/uel/index.php/seminabio/article/view/3695

Edição

Seção

Artigos