A assistência caritativa a infância abandonada e desvalida na cidade de São Paulo no século XIX

Autores

  • Robson Roberto Silva Universidade Estadual de Londrina - UEL

DOI:

https://doi.org/10.5433/1984-3356.2011v4n8p963

Palavras-chave:

Historia Social, Demografia, Infância, Instituições, Caridade

Resumo

Nesse artigo acadêmico será analisada a situação social das crianças abandonadas na cidade de São Paulo durante o século XIX, principalmente a atuação das instituições eclesiásticas no amparo dos pequenos desafortunados, especialmente após a inauguração da Roda dos Expostos em 1825 na Santa Casa da capital paulista. Até o final do século XVIII, o índice de crianças expostas era baixo se comparado com centros urbanos porque as crianças desafortunadas eram acolhidas pelas famílias paulistas, ou pela iniciativa da Igreja Católica motivados pela caridade cristã. Todavia, no século seguinte, a cidade de São Paulo começou a ter um relativo crescimento urbano e populacional, o que acarretou em diversos problemas sociais. Com isso, houve um aumento significativo dos abandonos de crianças que a caridade não conseguiu absorver. A instalação da roda dos expostos veio para diminuir os índices de abandono e infanticídio. Mas apenas a “Roda” não resolveria a questão, toda uma estrutura assistencial foi montada pela Igreja, com a participação da sociedade, para o atendimento dos expostos: amamentação pelas amas-de-leite, adoção pelas famílias, internamento, educação, inserção ao trabalho e casamento para as moças. Esse sistema assistencial fundamentado na caridade religiosa vigorou durante todo o século XIX.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Robson Roberto Silva, Universidade Estadual de Londrina - UEL

Mestrando em História Social pela Universidade Estadual de Londrina.

Referências

ARIÈS, Philippe. História social da criança e da família. Tradução de Dora Flaskman. 2. ed. Rio de Janeiro: LTC, 1981.

AZEVEDO, Gislane Campos. De Sebastianas e Geovannis: o universo do menor nos processos dos juízes de órfãos da cidade de São Paulo (1871 - 1917). 1995. Dissertação (Mestrado) - Pontifícia Universidade Católica, São Paulo, 1995.

DIAS, Maria Odila Leite da Silva. Quotidiano e poder em São Paulo no século XIX. 2. ed. São Paulo: Brasiliense, 1995.

FREYRE, Gilberto. Casa-grande & senzala: formação da família brasileira sob o regime da economia patriarcal. Apresentação de Fernando Henrique Cardoso. 48. ed. rev. São Paulo: Global, 2003.

KIDDER, Daniel P. Reminiscências de viagens e permanências nas províncias do Sul do Brasil. Tradução de Moacir N. Vasconcelos. Brasília: Senado Federal, 2001.

MARCÍLIO, Maria Luíza. A roda dos expostos e a criança abandonada na História do Brasil, 1726-1950. In: FREITAS, Marcos Cezar de. História social da infância no Brasil. 3. ed. São Paulo: Cortez, 1997. p. 53-79.

MARCÍLIO, Maria Luíza. História social da criança abandonada. São Paulo: Hucitec, 1998.

MESGRAVIS, Laima. A Santa Casa da Misericórdia de São Paulo (1599-1884): contribuição ao estudo da assistência social no Brasil. São Paulo: Conselho Estadual de Cultura, 1976. (Coleção Ciências Humanas).

MORAES, Carmem Sylvia Vidigal. A normatização da pobreza: crianças abandonadas e crianças infratoras. Revista Brasileira de Educação, São Paulo, n. 15, p. 70-96, set/out/nov/dez., 2000.

MOTT, Maria Lúcia de Barros. Ser mãe: a escrava em face do aborto e do infanticídio. Revista de História, São Paulo, n. 120, p. 85-96, jan./jun., 1989.

SAINT-HILAIRE, Auguste de. Viagem à província de S. Paulo e resumos das viagens ao Brasil, província Cisplatina e Missões do Paraguai. Tradução, prefácio e notas de Rubens Borba de Morais. São Paulo: Martins/Edusp, 1972.

VENÂNCIO, Renato Pinto. Famílias abandonadas: assistência à criança de camadas populares no Rio de Janeiro e em Salvador – séculos XVIII e XIX. Campinas: Papirus, 1999.

Downloads

Publicado

17-01-2012

Como Citar

SILVA, R. R. A assistência caritativa a infância abandonada e desvalida na cidade de São Paulo no século XIX. Antíteses, [S. l.], v. 4, n. 8, p. 963–976, 2012. DOI: 10.5433/1984-3356.2011v4n8p963. Disponível em: https://ojs.uel.br/revistas/uel/index.php/antiteses/article/view/8955. Acesso em: 21 maio. 2024.