O “defensor das causas das mulheres”: os projetos de Lei do Divórcio, de Nelson Carneiro (1951-1977)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5433/1984-3356.2021v14n28p543

Palavras-chave:

Gênero, Família, Casamento, Divórcio, Nelson Carneiro

Resumo

Este artigo trata do tema do divórcio no Brasil a partir da construção da imagem de Nelson Carneiro enquanto um “defensor das causas das mulheres”. Em 1977 o divórcio pleno é aprovado, e o casamento civil passa a ser dissolúvel. Antes disso, o Congresso Nacional recebeu diferentes propostas em distintos períodos da História do Brasil, de modo que alguns personagens foram fundamentais para a quebra do vínculo conjugal, como o Senador Nelson Carneiro que, por 26 anos, esteve à frente da ala divorcista. Nos caminhos para a aprovação do divórcio no Brasil, ocorreram disputas políticas entre os favoráveis e os contrários ao tema. Esses debates abordavam questões sobre a família e o casamento, sendo apontados como as principais “vítimas” de um desquite ou de um possível divórcio, as mulheres e os filhos. As fontes investigadas são os textos legais, legislativos e, sobretudo, as obras de autoria de Nelson Carneiro.lativos e, sobretudo, as obras de autoria de Nelson Carneiro. 

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Marluce Dias Fagundes, Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS

Doutoranda em História da Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS).

Referências

ALMEIDA, Maria Isabel de Moura. Rompendo os vínculos, os caminhos do divórcio no Brasil: 1951-1977. 2010. Tese (Doutorado) - Programa de Pós-Graduação em História, Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2010.

ALVES, Maria Helena Moreira. O Estado e a oposição no Brasil (1964-1984). São Paulo: EDUSC, 2005.

ARCHANJO, Daniela Resende. Um debate sem embate: a discussão sobre o divórcio no Congresso Nacional (Brasil, 1951-1977). 2008. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em História, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2008.

BARSTED, Leila Linhares; GARCEZ, Elizabeth. A legislação civil sobre família no Brasil. In: BARSTED, Leila Linhares; HERMANN, Jacqueline (coord.). As mulheres e os direitos civis. Rio de Janeiro: CEPIA, 1999. p. 9-26.

BRASIL. Decreto nº 181, de 24 de janeiro de 1890. Dispõe sobre o casamento civil. Rio de Janeiro: Presidência da República, 1890. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/1851-1899/d181. Acesso em: 29 out. 2020.

BRASIL. Lei nº 3.071, de 1º de janeiro de 1916. Código Civil de 1916. Rio de Janeiro: Presidência da República, 1916. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l3071. Acesso em: 5 nov. 2020.

BRASIL. Constituição da República dos Estados Unidos do Brasil, de 16 de julho de 1934. Rio de Janeiro: Presidência da República, 1934. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao34.htm. Acesso em: 6 nov. 2020.

BRASIL. Constituição dos Estados Unidos do Brasil, de 18 de setembro de 1946. Rio de Janeiro: Presidência da República, 1946. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao46.htm. Acesso em: 6 nov. 2020.

BRASIL. Lei nº 883, de 21 de outubro de 1949. Dispõe sobre o reconhecimento de filhos ilegítimos. Rio de Janeiro: Presidência da República, 1949. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/1930-1949/l0883.htm. Acesso em: 11 jan. 2022.

BRASIL. Lei nº 4.121, de 27 de agosto de 1962. Dispõe sobre a situação jurídica da mulher casada. Brasília: Presidência da República, 1962. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/1950-1969/L4121. Acesso em: 6 nov. 2020.

BRASIL. Emenda constitucional nº 1, de 17 de outubro de 1969. Edita o novo texto da Constituição Federal de 24 de janeiro de 1967. Brasília: Presidência da República, 1969. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/Emendas/Emc_anterior1988/emc01-69.htm. Acesso em: 6 nov. 2020.

BRASIL. Lei nº 6.515, de 26 de dezembro de 1977. Regula os casos de dissolução da sociedade conjugal e do casamento, seus efeitos e respectivos processos. Brasília: Presidência da República, 1977. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l6515.htm. Acesso em: 6 nov. 2020.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília: Presidência da República, 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 6 nov. 2020.

BUTLER, Judith P. Deshacer el género. Barcelona: Paidos, 2004.

BUTLER, Judith P. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Tradução de Renato Aguiar. 11. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2016.

CÂMARA, Arruda. Família e o divórcio. Rio de Janeiro: [s. n.], 1951.

CARNEIRO, Nelson. Divórcio e anulação de casamento. Rio de Janeiro: Revista Forense, 1951.

CARNEIRO, Nelson. A B C da mulher e do divórcio. Rio de Janeiro: Livraria São José, 1973.

CARNEIRO, Nelson. Oportunidade e necessidade do divórcio. Brasília: Senado Federal: Centro Gráfico, 1975.

CARNEIRO, Nelson. A luta pelo divórcio. Rio de Janeiro: Livraria São José, 1978.

CAULFIELD, Sueann. Em defesa da honra: moralidade, modernidade e nação no Rio de Janeiro (1918-1940). Campinas: Editora da Unicamp, 2000.

CONNELL, Robert W.; MESSERSCHMIDT, James W. Masculinidade hegemônica: repensando o conceito. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 21, n. 1, p. 241-282, apr. 2013.

DIGIOVANNI, Rosângela. Rasuras nos álbuns de família: um estudo sobre separações conjugais em processos jurídicos. Orientadora: Mariza Côrrea. 2003. 289 f. Tese (Doutorado) - Programa de Pós-Graduação em Antropologia, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2003.

FÁVERI, Marlene; TANAKA, Teresa Adami. Divorciados, na forma da lei: discursos jurídicos nas ações judiciais de divórcio em Florianópolis (1977 a 1985). Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 18, n. 2, p. 352, maio/ago. 2010.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. 3. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2015.

FOUCAULT, Michel. Nascimento da biopolítica: curso no Collège de France (1978-1979). São Paulo: Martins Fontes, 2008.

GARZONI, Lerice de Castro. Arena de combate: gênero e direitos na imprensa diária (Rio de Janeiro, início do século XX). Orientadora: Maria Clementina Pereira Cunha. 2012. 291 f. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em História Social, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2012.

GAZELE, Catarina Cecin. Estatuto da mulher casada: uma história dos direitos humanos das mulheres no Brasil. Orientadora: Adriana Pereira Campos. 2005. 195 f. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em História, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2005.

GUIMARÃES, Antônio Sérgio Alfredo. Cor e raça: raça, cor e outros conceitos analíticos. In: PINHO, Osmundo Araújo; SANSONE, Livio (org.). Raça novas perspectivas antropológicas. 2. ed. Salvador: Associação Brasileira de Antropologia: EDUFBA, 2008.

IBGE. Censo demográfico: dados gerais, migração, instrução, fecundidade, mortalidade. Rio de Janeiro: IBGE, 1982-1983.

JOHNSON III, Ollie A. Representação racial e política no Brasil: parlamentares negros no Congresso Nacional (1983-99). Estudos afro-asiáticos, Rio de Janeiro, n. 38, p. 7-29, dez. 2000. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-546X2000000200001&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 17 dez. 2020.

MARQUES, Teresa Cristina de Novaes; MELO, Hildete Pereira de. Os direitos civis das mulheres casadas no Brasil entre 1916 e 1962: ou como são feitas as leis. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 16, n. 2, p. 440, maio/ago. 2008.

MATTOS, Hebe Maria. Das cores do silêncio: os significados da liberdade no Sudeste Escravista. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1998.

MOBILIZAÇÃO popular foi fundamental para aprovação do divórcio, conta organizadora do movimento. [Brasília: Senado Federal], 2017. 1 vídeo (2min49). Publicado pelo canal Senado Federal. Disponível em: https://youtu.be/O-9DTcPY6EI. Acesso em: 6 nov. 2020.

OLIVEIRA, Fabiano Viana. Nelson Carneiro: um político à frente do seu tempo. Salvador: Assembleia Legislativa do Estado da Bahia, 2009.

PEDRO, Joana Maria. Traduzindo o debate: o uso da categoria gênero na pesquisa histórica. História, São Paulo, v. 24, n.1, p.77-98, 2005.

PHILLIPS, Roderick. Desfazer o nó: Breve história do divórcio. Lisboa/PR: Terramar, 1991.

PINTO, Céli Regina Jardim. Foucault e as Constituições brasileiras: quando a lepra e a peste se encontram com os nossos excluídos. Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 24, n. 2, p. 33-57, jul./dez. 1999.

ROSSI, Gustavo. Uma família de cultura: os Souza Carneiro na Salvador de inícios do século XX. Lua Nova, São Paulo, n. 85, p. 81-131, 2012.

SANCHES, Maria Aparecida Prazeres. As razões do coração: namoro, escolhas conjugais, relações raciais e sexo-afetivas em Salvador 1889- 1950. 2010. Tese (Doutorado em História) – Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2010.

SCHUMAHER, Schuma; BRAZIL, Érico Vital. Dicionário mulheres do Brasil: de 1500 até a atualidade biográfico e ilustrativo. 2. ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2001.

SENNA, Adriana Kivanski. As tentativas de implantação do divórcio absoluto no Brasil e a imprensa riograndina (1889-1916). Porto Alegre: Casaletras, 2020.

SOIHET, Rachel. Encontros e desencontros no Centro da Mulher Brasileira (CMB) anos 1970-1980. Gênero, Niterói, v. 7, n. 2, p. 237-254, 2007.

Downloads

Publicado

02-12-2021

Como Citar

FAGUNDES, M. D. O “defensor das causas das mulheres”: os projetos de Lei do Divórcio, de Nelson Carneiro (1951-1977). Antíteses, [S. l.], v. 14, n. 28, p. 543–574, 2021. DOI: 10.5433/1984-3356.2021v14n28p543. Disponível em: https://ojs.uel.br/revistas/uel/index.php/antiteses/article/view/42876. Acesso em: 25 abr. 2024.