Patrimônio, agência e memória: a demolição da sede da Sociedade Italiana de Espírito Santo do Pinhal (SP)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5433/1984-3356.2014v7n14p199

Palavras-chave:

Patrimônios, Memórias, História, Italianos, Fascismo

Resumo

Analisa-se, neste artigo, as estratégias empreendidas por um grupo de pinhalenses no processo de demolição da sede da Sociedade Italiana de Mútuo Socorro “Dante Alighieri”, na cidade de Espírito Santo do Pinhal (SP), que embora não reconhecida pelas agências oficiais de patrimônios, era considerada social e culturalmente significativa de forma a se configurar em um patrimônio para os descendentes de italianos. Duas “situações críticas”, situadas em tempos diferenciados, servem de baliza para as interpretações aqui desenvolvidas: (1) o confisco dos bens dos imigrantes italianos, em 1942, quando da entrada do Brasil na 2a Guerra Mundial e (2) a demolição da sede da Sociedade Italiana em 1991. Analisa-se a interação social de duas organizações disciplinares no tempo e no espaço — a Sociedade Italiana e a uma loja maçônica — com vários agentes sociais, filhos de italianos, de forma a acompanhar o debate cultural na prática social. Busca-se articular a relação entre as memórias indizíveis e, portanto silenciadas, do período da guerra, com os dados de documentos cartorários, entrecruzados com dados históricos, visando à interpretação da demolição da sede, como resultado da conduta estratégica empreendida por um grupo de pinhalenses, que objetivava eliminar as marcas tangíveis do fascismo na cidade.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Izabela Maria Tamaso, Universidade Federal de Goiás - UFG

Mestra e Doutora em Antropologia pela Universidade de Brasília. Professora adjunto II da Universidade Federal de Goiás.

Referências

ARANTES NETO, Antonio Augusto. Cultura e Cidadania. Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, (24), 1996.

ARANTES NETO, Antonio Augusto. Revista do Patrimônio Artístico e Histórico Nacional. Produzindo o Passado: estratégias de construção do patrimônio cultural. São Paulo: Brasiliense/Secretaria do Estado da Cultura, 1984.

BOURDIEU, Pierre. A Economia da Trocas Lingüísticas. São Paulo: Ed. da Universidade de São Paulo, 1996.

BOURDIEU, Pierre. O Poder Simbólico. Rio de Janeiro: Ed. Bertrand Brasil, 1989.

BROCKELMAN, Paul. “Of Memory and Things Past”. International Philosophical Quaterly, 15(3), 1975.

BROCKELMAN, Paul. “Of Memory and Things Past”. International Philosophical Quaterly, 15(3), 1975.

CALDEIRA, João. Álbum de Espírito Santo do Pinhal. São Paulo: Ed. Organização Cruzeiro do Sul, 1933.

CHARTIER, Roger. A História Cultural: entre práticas e representações. Lisboa: Difel, 1990.

DOUGLAS, Mary. Pureza e Perigo. São Paulo: Ed. Perspectiva, 1976.

DREW, Paul e Anthony WOOTTON. Exploring the Interaction Order. Boston: Northeatern University Press, 1988.

FERRO, Marc. A História Vigiada. Tradução de Doris Sanches Pinheiro. São Paulo: Martins Fontes, 1989.

GIDDENS, Anthony. A Constituição da Sociedade. São Paulo: Martins Fontes, 1989.

GLUCKMAN, Max. “Análise da situação social na Zululândia moderna”. In: FELDMANBIANCO, Bela. (org.). A Antropologia das Sociedades Contemporâneas. São Paulo: Global, 1987.

GOFFAMN, Erving. A Representação do Eu na Vida Cotidiana. Petrópolis: Ed. Vozes, 1975.

GOFFMAN, Erving. “Sobre el trabajo de la cara: analises de los elementos rituales de La interaccion social. In: Ritual de la Interaccion. Buenos Aires: Editorial Tiempo Contemporáneo, 1970.

GOFFMAN, Erving. Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. Rio de janeiro: Ed. Guanabara, 1988.

HALBWACHS, Maurice. A Memória coletiva. Tradução Laís Teles Benoir. São Paulo: Centauro, 2004.

HARRISON, Rodney. Heritage as social action. In WEST, S. (Org.) Understanding Heritage in Practice. Manchester: The Open Universit, 2010.

HERZFELD, Michael. 1991. A Place in History: social and monumental time in a Cretan Town. Princeton/ New Jersey: Princeton University Press.

LOWENTHAL, D. The Past is a Foreign Country. Cambridge: Cambridge University Press, 1990.

LUCA, Tania R. de. “As sociedades de socorros mútuos italianas em São Paulo. In: BONI, Luis A. de. (org.). A Presença Italiana no Brasil. Porto Alegre; Torino: Escola Superior de Teologia; Fondazione Giovnni Agnelli. v. II, 1990.

MARTINS, Ana Luiza. “A invenção e/ou eleição dos símbolos urbanos: História e Memória da cidade paulista”. In: BRESCIANI, Stella (org.). Imagens da Cidade: Séculos XIX e XX. São Paulo: Ed. Marco Zero, 1993.

POLLAK, Michael. “Memória, Esquecimento, Silêncio”. Estudos Históricos. São Paulo: Ed. Revista dos Tribunais Ltda, 1989.

RIZZONI, Ernesto. [s.d.] Pinhal: História em Notícia. Espírito Santo do Pinhal: [s.ed.].

RIZZONI, Ernesto. “História do Pinhal”. Poliantéia do Centenário de Pinhal, Espírito Santo do Pinhal, 1949.

SAHLINS, Marshall. Cultura e Razão Prática. Tradução Sérgio Tadeu de Niemayer Lamarão. Rio de Janeiro: Zahar Ed, 1979.

SAHLINS, Marshall. Ilhas de História. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1990.

SANTOS, Mariza Veloso Motta. O Tecido do Tempo: A Idéia de Patrimônio Cultural no Brasil (1920-1970). Brasília: UnB-Departamento de Antropologia. Tese de Doutorado, 1992.

SEYFERTH, Giralda. Imigração e Cultura no Brasil. Brasília: Ed. da Universidade de Brasília, 1990.

SMITH, Laurajane. Labour Heritage: performing and remembering. Uses of Heritage. London / New York: Routledge, 2006.

TAMASO, Izabela Maria. Tratorando a História: percepções do conflito na prática da preservação do patrimônio cultural edificado em Espírito Santo do Pinhal (SP). Brasília: UnB – Departamento de Antropologia. Dissertação de Mestrado, 1998.

THOMPSON, Paul. A Voz do Passado: História Oral. São Paulo: Paz e Terra, 1992.

TRENTO, Angelo. Do Outro Lado do Atlântico: um século de imigração italiana no Brasil. São Paulo: Nobel: Instituto Italiano di Cultura di San Paolo: Instituto Cultural Ítalo-Brasileiro, 1989.

Downloads

Publicado

22-12-2014

Como Citar

TAMASO, I. M. Patrimônio, agência e memória: a demolição da sede da Sociedade Italiana de Espírito Santo do Pinhal (SP). Antíteses, [S. l.], v. 7, n. 14, p. 199–229, 2014. DOI: 10.5433/1984-3356.2014v7n14p199. Disponível em: https://ojs.uel.br/revistas/uel/index.php/antiteses/article/view/20599. Acesso em: 18 maio. 2024.