O campo do patrimônio cultural e a história: itinerários conceituais e práticas de preservação

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5433/1984-3356.2014v7n14p45

Palavras-chave:

História, Patrimônio cultural, Memória, Identidade, Campo

Resumo

A complexidade que envolve a nova configuração do campo do patrimônio cultural na atualidade tem desafiado os pesquisadores a compreender os usos sociais do passado, consubstanciados pelo imperativo da patrimonialização, em perspectiva com o movimento de expansão da memória e as dinâmicas identitárias. A despeito das especificidades dos instrumentos que fundamentam a institucionalização do patrimônio cultural no Brasil, ainda que olhares apressados tendam a caracteriza-los de ordem conceitual e/ou metodológica, em estreita articulação com a dimensão material e imaterial do bem, procuramos evidenciar é que tombamento e registro se inserem na lógica das escolhas e atribuição de valores, segundo as contingências sociais e temporais sob as quais eles se constroem e se localizam. Enquanto uma modalidade de escrita do passado, as reflexões sobre o patrimônio cultural devem considera-lo parte do esforço dos agentes envolvidos (poder público e sujeitos sociais) de tornar a experiência do transcurso do tempo em experiência partilhável social e coletivamente (GUIMARÃES, 2012). Diante da profusão de leituras, apropriações e construções de significados em torno do patrimônio cultural, o artigo trata essa escrita a partir duma perspectiva histórica, buscando contribuir com as reflexões sobre as singularidades dos processos de patrimonialização em sua historicidade.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Antonio Gilberto Ramos Nogueira, Universidade Federal do Ceará - UFC

Doutor em História peça Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Professor adjunto da Universidade Federal do Ceará.

Referências

ABREU, Marta. Cultura imaterial e patrimônio histórico nacional. In: SOIBERT, Rachel; GONTIJO, Rebeca (Org.). Cultura política e leituras do passado: historiografia e ensino de história. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007.

ABREU, Regina; CHAGAS, Mario. Memória e patrimônio: ensaios contemporâneos. Rio de Janeiro: Ed. DP e A, 2003.

ANDRADE, Mário. Crônicas de Malazarte VIII. In: BATISTA, Marta Rossetti LOPEZ, Telê Porto Ancona; LIMA, Yone Soares (Org.). Brasil: 1º tempo modernista, 1917\29: documentação; pesquisa, seleção, planejamento. São Paulo: Instituto de Estudos Brasileiros, 1972. p. 109 - 115.

BARBALHO, Alexandre. Relações entre estado e cultura no Brasil. Ijuí: UNIJUI, 1998.

BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Lisboa: Difel, 1989.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado, 1988.

BRASIL. Decreto nº 3.551, de 4 de agosto de 2000. Institui o Registro de Bens Culturais de Natureza Imaterial que constituem patrimônio cultural brasileiro, cria o Programa Nacional do Patrimônio Imaterial e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/D3551.htm. Acesso em: 12 set. 2014.

CALABRE, Lia. Políticas culturais no Brasil: dos anos de 1930 ao século XXI. Rio de Janeiro: Ed. da FGV, 2009.

CANDAU, Joel. Memória e identidade. São Paulo: Contexto, 2011.

CANDIDO, Antonio. Literatura e sociedade. São Paulo: Publifolha, 2000 (Grandes Nomes do Pensamento Brasileiro).

CERTEAU, Michel de. A escrita da história. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2000.

CHOAY, Francoise. Alegoria do patrimônio. São Paulo: Estação Liberdade, 2001.

CHOAY, Francoise. A propósito de culto e de monumentos. In: RIEGL, Alois. O culto moderno dos monumentos: sua essência e sua gênese. Goiana: Ed. da UFG, 2006.

CHOAY, Francoise. Património e mundialização. Coimbra: Licorne/Chaia, 2005.

CHUVA, Márcia. A história como instrumento na identificação dos bens culturais. In: SILVA, Maria Beatriz Resende (Org.). Inventários de identificação: um panorama da experiência brasileira. Rio de Janeiro: IPHAN, 1998. p. 41-50.

CHUVA, Márcia. O ofício do historiador: sobre ética e patrimônio cultural. Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. In: OFICINA DE PESQUISA: a pesquisa histórica no IPHAN, 1., 2008, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: Copedoc/ IPHAN, 2008. p. 27-44.

CHUVA, Márcia. Os arquitetos da memória: sociogênese das práticas de preservação do patrimônio cultural no Brasil. Rio de Janeiro: Ed. da UFRJ, 2009.

CHUVA, Márcia. Por uma história da noção de patrimônio cultural no Brasil. Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, Brasília, n. 34, p. 147-165, 2012.

CHUVA, Marcia; NOGUEIRA, Antonio Gilberto Ramos (Org.). Patrimônio cultural: políticas e perspectivas de preservação no Brasil. Rio de Janeiro: Mauad X, 2012.

FONSECA, Maria Cecília L. O patrimônio em processo: trajetória da política federal de preservação no Brasil. Rio de Janeiro: UFRJ\IPHAN, 1997.

FONSECA, Maria Cecília L. Patrimônio cultural: por uma abordagem integrada (Considerações sobre a materialidade na prática da preservação). In: OFICINA DE PESQUISA: a pesquisa histórica no IPHAN, 1., 2008, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: Copedoc/ IPHAN, 2008.

GONÇALVES, José Reginaldo. A retórica da perda: os discursos do patrimônio cultural no Brasil. Rio de Janeiro: UFRJ/IPHAN, 1996.

GUIMARÃES, Manoel Luis Salgado. História, memória e patrimônio. Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, Brasília, n. 34, p. 91- 111, 2012.

FONSECA, Maria Cecília L. Nação e civilização nos trópicos: o Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro e o projeto de uma história nacional. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, n. 1, p. 5-27, 1998.

HARTOG, François. Tempo e patrimônio. Varia Historia, Belo Horizonte, v. 22, n. 36, p. 261-273, 2006.

HUYSSEN, Andreas. Seduzidos pela memória: arquitetura, monumentos, mídia. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2000.

INSTITUTO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARTÍSTICO NACIONAL - IPHAN. O registro do patrimônio imaterial: dossiê final das atividades da comissão e do grupo de trabalho patrimônio imaterial. Brasília, 2000.

JEDY, Henri-Pierre. Memórias do social. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1990.

KERSTEN, Maria Scholz A. Os rituais do tombamento e a escrita da história: bens tombados no Paraná entre 1938-1990. Curitiba: Ed. da UFPR, 2000.

KOSELLECK, Reinhart. Futuro passado: contribuição à semântica dos tempos históricos. Rio de Janeiro: Contraponto, 2006.

MAGALHÃES, Aloísio. E triunfo? A questão dos bens culturais no Brasil. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985.

MICELI, Sérgio (Org.). Estado e cultura no Brasil. São Paulo: Difel, 1984.

MORAES, Eduardo Jardim. A brasilidade modernista: sua dimensão filosófica. Rio de Janeiro: Graal, 1978.

NOGUEIRA, Antonio Gilberto R. Diversidade e sentidos do patrimônio cultural: : uma proposta de leitura da trajetória de reconhecimento da cultura afro-brasileira como patrimônio nacional. Anos 90, Porto Alegre, p. 233-255, v. 15, n. 27, 2008.

NOGUEIRA, Antonio Gilberto R. O Centro de Referência Cultural – CERES (1976-1990) e o registro audiovisual da memória popular do Ceará. In: GUIMARÃES, Manoel Luiz Salgado; RAMOS, Francisco Régis Lopes. (Org.). Futuro do pretérito: escrita da história e história do museu. Fortaleza: Instituto Frei Tito Alencar, 2010.

NOGUEIRA, Antonio Gilberto R. O serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional- SPHAN e a redescoberta do Brasil: a sacralização da memória em pedra e cal. 1995. Dissertação (Mestrado em História). Pontifícia Universidade Católica, São Paulo, 1995.

NOGUEIRA, Antonio Gilberto R. Por um inventário dos sentidos: Mário de Andrade e a concepção de patrimônio e inventário. São Paulo: Hucitec, 2005.

NOGUEIRA, Antonio Gilberto R. et al Benfica em três tempos: patrimônio, inventário e memória local. In: CHUVA, Márcia; NOGUEIRA, Antonio Gilberto Ramos (Org.). Patrimônio cultural: políticas e perspectivas de preservação no Brasil. Rio de Janeiro: Mauad X, 2012.

NORA, Pierre. Entre memória e história: a problemática dos lugares. Projeto história: História e Cultura, São Paulo, n. 10, 1993.

OLIVEIRA, Lúcia Lippi. Cultura é patrimônio: um guia. Rio de Janeiro: Ed. da FGV, 2008.

ORTIZ, Renato. Cultura brasileira e identidade nacional. São Paulo: Brasiliense, 1994.

PATRIMÔNIO Imaterial: O registro do patrimônio imaterial: dossiê final das atividades da comissão e do grupo de trabalho patrimônio imaterial. 2. ed. Brasília: MEC/IPHAN, 2003.

PAULA, Zuleide C.; MENDONÇA, Lúcia G.; ROMANELLO, Jorge L. Polifonia do patrimônio. Londrina: EDUEL, 2012.

PEREIRA, Julia Wagner. O tombamento: de instrumento a processo na construção de uma ideia de nação. In: CHUVA, Marcia; NOGUEIRA, Antonio Gilberto Ramos (Org.). Patrimônio cultural: políticas e perspectivas de preservação no Brasil. Rio de Janeiro: Mauad X, 2012.

POULOT, Dominique. Uma história do patrimônio no ocidente. São Paulo: Estação Liberdade, 2009.

RUBINO, Silvano. As fachadas da história: os antecedentes, a criação e os trabalhos do serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, 1937-1968. Dissertação (Mestrado em Antropologia) Universidade de Campinas, Campinas, 1991.

SANT’ANNA, Márcia. A face imaterial do patrimônio cultural: os novos instrumentos de reconhecimento e valorização. In: ABREU, Regina; CHAGAS, Mário. Memória e patrimônio: ensaios contemporâneos. Rio de Janeiro: Ed. DP e A, 2003. p. 49-58.

TAMASO, Izabela. A expansão do patrimônio: novos olhares sobre velhos objetos, outros desafios. Brasília: UnB, 2006. (Antropologia, 390).

Downloads

Publicado

19-12-2014

Como Citar

NOGUEIRA, A. G. R. O campo do patrimônio cultural e a história: itinerários conceituais e práticas de preservação. Antíteses, [S. l.], v. 7, n. 14, p. 45–67, 2014. DOI: 10.5433/1984-3356.2014v7n14p45. Disponível em: https://ojs.uel.br/revistas/uel/index.php/antiteses/article/view/19969. Acesso em: 30 maio. 2024.